sexta-feira, 23 de setembro de 2016

O BRASIL NÃO É UM PAÍS TEOCRÁTICO E O ESTADO É LAICO AVISEM AO PROCURADOR DELTAN DALLAGNOL E AO JUIZ SERGIO MORO

O sexto Landmark (princípio fundamental) da Maçonaria Regular prescreve: ... Por isso, em Loja não se discute Política nem Religião.
O Procurador da Lava Jato tem uma interpretação estranha da história e  acha que foi a colonização portuguesa quem legou a corrupção à terra natal. Quem veio de Portugal para o Brasil foram degredados, criminosos e quem foi para os Estados Unidos foram pessoas religiosas, cristãs.

Avisem a ele que Estado laico significa um país ou nação com uma posição neutra no campo religioso e não permite a interferência de correntes religiosas em matérias sociopolíticas e culturais.

Estado teocrático com Estado confessional, porque no primeiro caso é a religião que define o rumo do país e o Brasil é oficialmente um Estado laico.

No artigo 5º da Constituição Brasileira (1988) está escrito:

“VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;”
Contudo, a laicidade do Estado pressupõe a não intervenção da Igreja no Estado, e um aspecto que contraria essa postura é o ensino religioso nas escolas públicas brasileiras.


Nos países que não são laicos (teocráticos), a religião exerce o seu controle político na definição das ações governativas. Nos países teocráticos, o sistema de governo está sujeito a uma religião oficial. Alguns exemplos de nações teocráticas são: Vaticano (Igreja Católica), Irã (República Islâmica) e Israel (Estado Judeu).

Não se deve confundir Estado teocrático com Estado confessional, porque no primeiro caso é a religião que define o rumo do país, enquanto que no segundo a religião não é tão importante como no primeiro, mas ainda assim tem bastante mais influência do que em um Estado laico.

O Procurador Deltan Dallagnol é ex-estudante de Harvard só trouxe admiração pelas instituições americanas.

Em entrevista concedida em um programa da rede CBS, o candidato republicano colocou o Brasil ao lado de China, Japão e Índia entre os países que supostamente estariam “roubando” postos de trabalho de norte-americanos. Para ele, trazer de volta esses empregos seria uma das medidas para fazer dos Estados Unidos um país “forte novamente”.


“Olhem a quantidade de desperdício, fraudes e abusos que temos, é incrível. Vou trazer de volta postos de trabalho da China, do Japão, da Índia, do Brasil”, afirmou.



Como diz o artigo do Professor Michel Chossudovsky o controle sobre a política monetária brasileira e a reforma macroeconômica eram os objetivos últimos do golpe de Estado. As nomeações principais do ponto de vista de Wall Street são o Banco Central, que domina a política monetária e as operações de câmbio, o Ministério da Fazenda e o Banco do Brasil”, diz o artigo, ressaltando que, desde o governo FHC, passando por Lula e Temer, Wall Street tem exercido controle sobre os nomes apontados para liderar essas três instâncias estratégicas para a economia brasileira.

“Em nome de Wall Street e do ‘consenso de Washington’, o ‘governo’ interino pós-golpe de Michel Temer nomeou um ex-CEO de Wall Street (com cidadania dos EUA) para dirigir o Ministério da Fazenda”, diz o artigo, referindo-se a Henrique Meirelles, nomeado em 12 de maio.

Meirelles, que tem dupla cidadania Brasil-EUA, serviu como presidente do FleetBoston Financial (fusão do BankBoston Corp. com o Fleet Financial Group) entre 1999 e 2002 e foi presidente do Banco Central sob o governo Lula, entre 1º de janeiro de 2003 e 1º de janeiro de 2011. Antes disso, o atual ministro da Fazenda, que volta ao poder sob o governo Temer após ter sido dispensado por Dilma em 2010, também atuou por 12 anos como presidente do BankBoston nos EUA. Já o atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, nomeado por Temer em 16 de maio, tem dupla cidadania Brasil-Israel e foi economista-chefe do Itaú, maior banco privado do Brasil. Segundo o artigo, Goldfajn “tem laços estreitos tanto com o FMI [Fundo Monetário Internacional] quanto com o Banco Mundial”.

“Goldfajn já havia trabalhado no Banco Central sob Armínio Fraga, bem como sob Henrique Meirelles. Ele tem estreitos laços pessoais com o prof. Stanley Fischer, atualmente vice-presidente do Federal Reserve dos EUA [além de ex-vice-diretor do FMI e ex-presidente do Banco Central de Israel]. Desnecessário dizer que a nomeação de Golfajn ao Banco Central foi aprovada pelo FMI, pelo Tesouro dos EUA, por Wall Street e pelo Federal Reserve dos EUA”, afirma o artigo.

Fraga, por sua vez, atuou como presidente do Banco Central entre 4 de março de 1999 e 1º de janeiro de 2003.  Ele foi diretor de fundos de cobertura (hedge funds) por seis anos na Soros Fund Management (associada ao magnata George Soros), e também tem dupla cidadania Brasil-EUA.

“O sistema monetário do Brasil sob o real é fortemente dolarizado. Operações da dívida interna são conducentes a uma dívida externa crescente. Wall Street tem o objetivo de manter o Brasil em uma camisa de força monetária”, explica o professor canadense.

Por isso, afirma o artigo, quando Dilma Rousseff aponta um nome não aprovado por Wall Street para a presidência do Banco Central, a saber, Alexandre Antônio Tombini, cidadão brasileiro e funcionário de carreira no Ministério da Fazenda, é compreensível que os interesses financeiros externos se articulem aos interesses das elites brasileiras para mudar o quadro político no país. 



No início de 1999, na sequência imediata do ataque especulativo contra o real o presidente do Banco Central, Francisco Lopez (que havia sido nomeado em 13 de janeiro de 1999, a Quarta-feira Negra) foi demitido pouco depois e substituído por Armínio Fraga, cidadão americano e funcionário da Quantum Fund de George Soros em Nova York.



Sob Lula, o apontamento de Meirelles para a presidência do Banco Central do Brasil dá seguimento à situação, diz o artigo, destacando que o nomeado já havia atuado anteriormente como presidente e CEO dentro de uma das maiores instituições financeiras de Wall Street. “A FleetBoston era o segundo maior credor do Brasil, após o Citigroup. Para dizer o mínimo, ele [Meirelles] estava em conflito de interesses. Sua nomeação foi acordada antes da ascensão de Lula à presidência”, escreve o autor.


Além disso, Meirelles foi um firme defensor do controverso Plano Cavallo da Argentina na década de 1990: “um ‘plano de estabilização’ de Wall Street que causou grandes estragos econômicos e sociais”, segundo o professor Chossudovsky.  De acordo com ele, “a estrutura essencial do Plano Cavallo da Argentina foi replicada no Brasil sob o Plano Real, ou seja, a imposição de uma moeda nacional conversível dolarizada. O que este regime implica é que a dívida interna é transformada em uma dívida externa denominada em dólar”. Quando Dilma sobe à presidência em 2011, Meirelles é retirado da presidência do Banco Central. Como ministro da Fazenda de Temer, ele defende a chamada “independência do Banco Central”.



Eu acho um grande mistério porquê não prendem ninguém do PMDB e do PSDB não tenho explicação “é sobrenatural isto” eles tem uma sociedade secreta dentro do MP e do judiciário meus amigos esta estranho sinto muito pela desconfiança eu não recebo dinheiro de ninguém para pensar e comentar podem me investigar.

A verdade é filha do Tempo e não da autoridade. Galileu Galilei.

Eis, porém, que aquele ser incitou de tal modo o coração da maioria dos Nefitas que eles se uniram a esse bando de ladrões, participando de seus convênios e juramentos de que se protegeriam e preservariam mutuamente em quaisquer circunstancias difíceis em que se encontrassem, para não serem castigados por seus assassinatos e suas pilhagens e seus roubos. E aconteceu que tinham seus sinais, sim, seus sinais secretos e suas palavras secretas; e isto para que pudessem reconhecer seu irmão que tivesse entrado no convênio, para que, qualquer que fosse a iniqüidade cometida por ele, não fosse prejudicado pelos irmãos nem por qualquer dos que pertenciam a seu bando e que tivessem feito esse convênio. E assim podiam matar e saquear e roubar e entregar-se a luxúria e a toda sorte de iniqüidades contrarias as leis de seu país e também as leis de seu Deus.


Os verdadeiros maçons são pois os que persistem em querer construir. o templo, segundo o plano de Hiran. Tal é a grande e principal lenda da maçonaria; as outras são menos belas e menos profundas luas não pensamos dever divulgar os mistérios, e se bem que não tenhamos recebido a iniciação senão de Deus e de nossos trabalhos, consideramos o segredo da alta maçonaria como o nosso. Chegado por nossos esforços a um gráu científico que nos impõe silêncio, não nos julgamos melhor empenhados por nossas convicções do que por um juramento.

A ciência é uma nobreza que obriga a não desmerecemos a coroa principesca dos rosa-cruzes. . Os ritos da maçonaria são destinados a transmitir a lembrança das lendas da iniciação e a conservá-la entre nossos irmãos. Permita-nos- talvez como, se a maçonaria é tão sublime e tão santa, pôde ela ser proscrita e tantas vezes condenada pela igreja. Já respondemos a esta questão, falando das cisões e das profanações da maçonaria.

A maçonaria é a gnose e os falsos gnósticos fizeram condenar os verdadeiros. O que os obriga a esconder-se, não é o temor da luz, a luz é o que eles querem o que eles procuram, o que eles adoram. Mas eles temem os profanadores, isto é, os falsos intérpretes, os caluniadores, os céticos de sorriso estúpido, os inimigos de toda crença e de toda moralidade. Em nosso tempo aliás um grande numero de homens que se julgam francos-maçons, ignoram o sentido que seus ritos e perderam a chave de seus mistérios. 



Eles não compreendem mesmo mais seus quadros simbólicos, e não entendem mais nada dos sinais hieroglifos com que são pintados os tapetes de suas lojas. Estes quadros e estes sinais são páginas do livro da ciência absoluta e universal. Podem ser lidas com o auxílio das chaves cabalísticas e não têm nada de oculto para o iniciado que possui as clavículas de Salomão. A maçonaria foi não somente profanada mas serviu mesmo de véu e de pretexto às cabalas da anarquia, pela influência oculta dos vingadores de Jaques de Molay, e dos continuadores da obra cismática do templo. Em lugar de vingar a morte de Hiram, vingaram-se seus assassinos. Os anarquistas retomaram a régua, o esquadro e a malheta e em cima escreveram liberdade, igualdade e fraternidade. Isto é, liberdade para as cobiças, igualdade na baixeza e fraternidade para destruir.



O templo é a realização e a figura do reino hierárquico da verdade e da razão sobre a terra. Hiram é o homem que chegou ao domínio pela ciência e pela sabedoria. Ele governa pela justiça e pela ordem, dando a cada um segundo suas obras. 



BIBLIOGRAFIA:

GRAND LODGE OF BRITISH COLUMBIA AND YUKON. A Bavarian Illuminati primer. http://www.freemasonry.bcy.ca/texts/illuminati.html 


FONTES INTERNACIONAIS PESQUISADAS

https://richardedmondson.net/2016/08/31/coup-in-brazil-rousseff-impeached-by-senate/


http://www.globalresearch.ca/wall-street-behind-brazil-coup-d-etat/5526715

http://www.mondialisation.ca/le-changement-de-regime-au-bresil-est-officiel-coup-detat-moderne-a-la-bresilienne-ou-a-la-wall-street/5520578

https://richardedmondson.net/2016/08/31/coup-in-brazil-rousseff-impeached-by-senate/



Um comentário:

  1. Pelo que já li de seus textos, sr. Rodrigo Veronezi, muitos Maçons brasileiros se esqueceram dos bons princípios que deviam respeitar e agiram contra a democracia e o povo.

    ResponderExcluir

COMENTE AQUI