terça-feira, 16 de agosto de 2016

HEPHAESTUS FILHO DE ZEUS E ERA, O REI E A RAINHA DOS DEUSES.


.Hefesto na forja por Guillaume Coustou, o Jovem ( Louvre )

Hefesto ele era filho de Hera e quando era criança, foi rejeitado por sua mãe por causa de sua deformidade.

Os antigos acreditavam que os deuses deram uma deficiência a Hefesto e eles também deram a ele um talento ou um dom, que a nenhum outro homem já teve. 


Apresentando os braços de Aquiles para Thetis. Por Peter Paul Rubens 


Hefesto do Grego clássico Ἥφαιστος HEPHAISTOS  e equivalente ao Deus Vulcano na mitologia Romana e na mitologia grega, Hefesto era filho de Zeus e Hera , o rei e a rainha dos deuses. Em outra versão, Hefesto ele era filho de Hera e quando era criança, foi rejeitado por sua mãe por causa de sua deformidade e jogado fora do Monte Olimpo . Como um deus mitológico Hefesto fez todas as armas dos deuses no Olimpo. Serviu como o ferreiro dos deuses, e era sempre adorado nos centros da Grécia, principalmente da fabricação e das industrias de Atenas . 


Os antigos acreditavam que os deuses deram uma deficiência a Hefesto e eles também deram um talento ou um dom, que a nenhum outro homem já teve. 

Hefesto construiu autômatos (robôs) de metal para trabalhar para ele. Ele deu ao cego Orion seu aprendiz cedálion como um guia. Em algumas versões do mito. Prometeu roubou o fogo que ele deu ao homem a partir da forja de Hefesto. Hefesto também criou o dom que os deuses deram ao homem, a mulher Pandora e seus pithos . Sendo um ferreiro hábil, Hefesto criou todos os tronos no Palacio do Olympus. 

Existem ainda exemplos de mitos que tentam explicar sua origem. Daedalus se utilizou de mercúrio para dar voz aos seus autômatos. Hefesto criou um autômato para sua oficina: Talos, um homem artificial feito de bronze, e, de acordo com Hesíodo, a mulher Pandora. De acordo com a lenda Judaica, Salomão utilizou sua sabedoria para desenhar um trono com animais mecânicos que deveriam referenciá-lo como rei enquanto ele subia ao mesmo.


Na China antiga, um relato curioso de um autômato é descrito nos textos Liezi, escritos no século 3 a.C. Existe uma descrição de um encontro ocorrido muito antes entre o rei Mu de Zhou (1023 – 957 a.C.) e um engenheiro mecânico conhecido como Yan Shi, um "artífice", ou artesão. Este último presenteou o rei com uma figura em forma de humano de tamanho real, feita por ele mesmo:


O rei observou a figura deslumbrado. Ela se mexia a passos rápidos, movendo sua cabeça para cima e para baixo, fazendo com que todos a confundissem com um ser humano real. O artífice tocou seu queixo, e a figura então começou a cantar de maneira perfeita. Ele tocou sua mão, e a máquina começou a posar, mantendo um ritmo perfeito entre as duas tarefas. Quando a apresentação estava próxima ao fim, o robô piscou seu olho e flertou com as moças da plateia. Neste momento, o rei indignou-se e teria executado Yen Shin imediatamente, se este, em medo mortal, não tivesse instantaneamente desmontado o robô para mostrar o que ele realmente era. A máquina mostrou não ser nada além de uma junção de couro, madeira, cola e laquê, colorido em azul, vermelho branco e preto. Examinando em detalhes, o rei achou órgãos internos completos, fígado, coração, rins, pulmões, estômago e intestinos e ao redor destes, músculos, ossos e membros com suas articulações, dentes, pele e cabelo, todos artificiais. O rei então retirou o coração e viu que a boca não podia mais falar; retirou o fígado e viu que os olhos não podiam mais ver; retirou nos rins e viu que as pernas já não mais se locomoviam. O rei, assim, ficou encantado.

REFERÊNCIAS:  Automaton - Definition and More from the Free Merriam-Webster Dictionary http://www.merriam-webster.com/dictionary/automaton
Ir para cima↑ Noel Sharkey (July 4, 2007), Um robô programável do ano 60 d.C., 2611, New Scientist

See Michel Foucault, Discipline and Punish, New York, Vintage Books, 1979, p.136: "The classical age discovered the body as object and target of power... The great book of Man-the-Machine was written simultaneously on two registers: the anatomico-metaphysical register, of which Descartes wrote the first pages and which the physicians and philosophers continued, and the technico-political register, which was constituted by a whole set of regulations and by empirical and calculated methods relating to the army, the school and the hospital, for controlling or correcting the operations of the body. These two registers are quite distinct, since it was a question, on one hand, of submission and use and, on the other, of functioning and explanation: there was a useful body and an intelligible body... The celebrated automata [of the 18th century] were not only a way of illustrating an organism, they were also political puppets, small-scale models of power: Frederick, the meticulous king of small machines, well-trained regiments and long exercises, was obsessed with them."

A History of Mechanical Instruments", Music Educators Journal (MENC_ The National Association for Music Education) 54 (2): 45–49, doi:10.2307/3391092

Kolesnikov-Jessop, Sonia (November 25, 2011). «Chinese Swept Up in Mechanical Mania». The New York Times[S.l.: s.n.] Consultado em November 25, 2011. «Mechanical curiosities were all the rage in China during the 18th and 19th centuries, as the Qing emperors developed a passion for automaton clocks and pocket watches, and the “Sing Song Merchants,” as European watchmakers were called, were more than happy to encourage that interest.»

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI