quarta-feira, 31 de agosto de 2016

EDUARDO CUNHA É O NOVO PRESIDENTE DO BRASIL ELEITO PELO SENADO








OS SENADORES QUE ELEGERAM EDUARDO CUNHA COMO PRESIDENTE E MICHEL TEMER COMO FIGURANTE   





Os Senadores elegeram Eduardo Cunha como presidente porque Michel Temer é só uma figura ilustrativa e foi colocado no cargo de Presidente pelo próprio Eduardo Cunha que planejou o golpe e que coordena todas as suas ações e o Golpista Michel Temer é só uma figura ilustrativa porque Cunha comanda mais de 200 deputados no Congresso e estes mesmos deputados que aprovaram este Golpe de Estado ilegal que esta jogando no lixo o meu voto e os votos de mais de 54 milhões de brasileiros.


O DIÁLOGO DOS TRAÍDORES PLANEJANDO O GOLPE QUEM MANDA NO MICHEL TEMER É O EDUARDO CUNHA

Jucá - Tem que demorar três ou quatro meses no máximo. O país não aguenta mais do que isso, não.Machado - Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel.Jucá - [concordando] Só o Renan que está contra essa porra. 'Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha'. 


No STF (Supremo Tribunal Federal), pelo menos vinte e dois processos têm Eduardo Cunha como parte.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, decidiu nesta quarta-feira 22 que o juiz Sérgio Moro não poderá proferir sentença na ação penal em que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é citado, antes de prestar informações ao Supremo. Ele concedeu prazo de dez dias para que Moro se manifeste.

Lewandowski atendeu a um pedido da defesa do parlamentar, que deseja agilidade na decisão sobre a suspensão da ação penal em que Cunha foi citado por Júlio Camargo, um dos delatores do esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. Os advogados pediram que a manifestação de Moro seja enviada por meio eletrônico e não pelos Correios.

Após receber a manifestação, o presidente do Supremo decidirá se suspende o depoimento de Júlio Camargo. Na decisão, Lewandowski explicou que a medida foi tomada para evitar a perda de objeto do pedido de Cunha.

Na semana passada, Camargo – ex-consultor da empresa Toyo Setal – disse a Moro, responsável pelos inquéritos da Operação Lava Jato na primeira instância, que Eduardo Cunha pediu US$ 5 milhões em propina para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado.

Durante o depoimento, Camargo comprometeu-se a falar a verdade por ter assinado acordo de delação premiada. Após a divulgação do depoimento, Cunha voltou a negar que tenha recebido propina de Júlio Camargo.

Os advogados pediram a suspensão do processo, por entenderem que cabe ao Supremo presidir o inquérito, em razão da citação do presidente da Câmara, que tem prerrogativa de foro. Eduardo Cunha é investigado também em um inquérito aberto no tribunal para apurar se apresentou requerimentos para investigar empresas que pararam de pagar propina.

Na ação em que Cunha foi citado, são réus o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, o doleiro Alberto Youssef, o empresário Fernando Soares e Júlio Camargo. 



http://www.cartacapital.com.br/




Dentre esses processos, há três inquéritos (2123, 2984 e 3056) para apurar possíveis crimes cometidos por Cunha quando presidente da Companhia de Habitação do Estado do Rio de Janeiro (CEHAB-RJ) entre 1999 e 2000.
O inquérito 2984 apura uso de documentos falsificados, inseridos em processo do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, para conseguir o arquivamento de inquérito aberto contra Cunha.

O ex-subprocurador-geral Elio Gitelman Fischberg, que participou da falsificação, perdeu o cargo e foi condenado 3 anos e 11 meses de prisão. O STF autorizou abertura de processo contra Cunha, que corre em segredo de Justiça.

O primeiro inquérito contra Cunha ocorreu no bojo das ações contra PC Farias. Cunha era o braço de PC na Telerj.

Em 2000, um ano antes de assumir mandato como deputado estadual pelo Rio de Janeiro, Cunha teve seu nome envolvido problemas com o fisco. A Receita Federal detectou incompatibilidade entre a movimentação financeira do deputado e o montante declarado ao Imposto de Renda.

Foi acusado de ligações com o doleiro Lúcio Funaro, investigado pela CPI dos Correios. Segundo reportagem da revista Época, Funaro pagava o aluguel do deputado em um luxuoso flat em Brasília.

No mesmo ano, época em que ocupava o cargo de vice-presidente da CPI do Apagão Aéreo, Cunha foi acusado pela deputada estadual Cidinha Campos (PDT-RJ) de realizar operações com o traficante colombiano Juan Carlos Ramírez Abadía. Em discurso na Assembleia do Rio, a parlamentar acusou o deputado federal de vender uma casa em Angra dos Reis por US$ 800 mil e, pouco tempo depois, comprar de volta por US$ 700 mil.

Em 2011, Cunha foi alvo de investigações da Controladoria-Geral da União (CGU), que apontou que Furnas, estatal do setor elétrico, cobriu prejuízos causados pela participação da Companhia Energética Serra da Carioca II (empresa ligada a Cunha) na sociedade montada para construir a Usina Hidrelétrica da Serra do Facão, em Goiás. Na época, Furnas tinha vários quadros da direção da empresa em mãos de pessoas ligadas ao próprio Eduardo Cunha.


Os prejuízos da estatal ultrapassaram os R$ 100 milhões.



http://www.rodrigoenok.blog.br/2014/12/a-petrobras-e-patrimonio-do-povo.html

http://www.rodrigoenok.blog.br/2014/02/o-livro-proibido-sobre-as-privatizacoes_9.html

http://www.rodrigoenok.blog.br/2011/06/wikileaks-revela-que-araxa-e-vital-para.html

http://www.rodrigoenok.blog.br/2009/09/livro-bomba-acusa-fhc-de-ter-servido.html

http://www.rodrigoenok.blog.br/2015/03/a-imprensa-mais-cinica-do-mundo-e-as.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI