Google+ Badge

terça-feira, 26 de julho de 2016

O CONSELHEIRO DA RAINHA ELIZABETH I O MAGO JOHN DEE E O ESPELHO ESFUMAÇADO DO DEUS ASTECA TEZCATLIPOCA


JOHN DEE CONSELHEIRO PARTICULAR DA RAINHA ELIZABETH I






O ESPELHO ENFUMAÇADO DO DEUS ASTECA 








John Dee nasceu em Londres no dia 13 de julho de 1527 foi um matemático, astrônomo, astrólogo, geógrafo e conselheiro particular da Rainha Elizabeth I. Devotou também grande parte de sua vida à alquimia e à filosofia hermética.

John Dee perscrutou os mundos da ciência e da magia. Um dos homens mais instruídos de seu tempo, já lecionava na Universidade de Paris antes de completar trinta anos. Era um divulgador entusiasmado da matemática, um astrônomo respeitado e um perito em navegação, treinando muitos daqueles que conduziriam as viagens exploratórias da Inglaterra. Ao mesmo tempo, estava profundamente imerso na filosofia hermética e na chamada magia angélica e devotou a última terça parte de sua vida quase que exclusivamente a este tipo de estudo.

Em 1555 foi preso e julgado por "cálculo" por ter traçado horóscopos da rainha Mary e da então princesa Elizabeth. A essa acusação foi acrescentada depois a de traição contra a rainha. Dee compareceu à Star Chamber e fez sua própria defesa com sucesso, mas antes de ser libertado foi intimado pelo bispo católico reacionário Edmund Bonner para o exame religioso. Outra vez foi inocentado, inclusive se tornando um amigo próximo de Bonner. Este episódio foi apenas o mais dramático da série de ataques e difamações que perseguiriam Dee durante toda sua vida. Seu desdém pela discrição pode ter tornado as coisas ainda piores.

Dee apresentou à rainha Mary um plano visionário para a preservação de livros antigos, manuscritos e registros que envolvia a fundação de uma biblioteca nacional, em 1556. Sua proposta foi desconsiderada, no entanto construiu sua biblioteca particular em sua casa em Mortlake, adquirindo incansavelmente livros e manuscritos na Inglaterra e no continente. A biblioteca de Dee transformou-se na maior da Inglaterra, atraindo escolares e transformando-se num centro de aprendizagem fora das universidades.

Elizabeth assumiu o trono em 1558, e Dee tornou-se seu conselheiro para questões astrológicas e científicas, inclusive foi ele a escolher o dia da cerimônia de coroação. Da década de 1550 à década de 1570, serviu como um conselheiro às viagens de descoberta da Inglaterra, fornecendo auxílio técnico na navegação e o no apoio ideológico à criação de um Império Britânico (Dee foi o primeiro a usar o termo). Em 1577, publicou os Memórias Gerais e Raras no que Concerne a Perfeita Arte da Navegação, um trabalho que disseminou sua visão para um império marítimo e reafirmava as reivindicações territoriais inglesas no Novo Mundo. Dee era amigo próximo de Humphrey Gilbert e de Sir Philip Sidney e seu círculo.

Em 1564 Dee escreveu o tratado hermético Monas Hieroglyphica ("a mônada hieroglífica"), uma interpretação cabalística exaustiva de um glifo criado por ele mesmo, numa tentativa de expressar a unidade mística de toda a criação. Este trabalho foi altamente valorizado por muitos dos contemporâneos de Dee, mas a perda da tradição oral secreta de Dee tornou o trabalho difícil de se interpretar nos dias atuais.

Ele também publicou um "prefácio matemático" para a tradução inglesa de Elementos de Euclides, em 1570. Nele, Dee argumentava sobre a importância central da matemática e salientou a maneira com que a matemática influenciava as outras ciências e artes. Este prefácio foi apresentado para uma audiência fora das universidades, e provou ser o trabalho mais influente de Dee, sendo reimpresso frequentemente.

Dee era um cristão fervoroso, mas sua interpretação da religião foi influenciada profundamente pelas doutrinas hermética e platônica que eram dominantes na renascença. Ele acreditava que o número era a base de todas as coisas e a chave para o conhecimento e que a Criação foi um ato de "numeração" de Deus. Do hermetismo, extraiu a opinião de que o homem tem o potencial para o poder divino, e acreditava que este poder divino poderia ser exercido através da matemática. Sua mágica angélico-cabalística (que era pesadamente numerológica) e seu trabalho na matemática prática (navegação, por exemplo) eram para ele simplesmente os fins mundanos do mesmo espectro. Seu objetivo final era ajudar a levar adiante uma religião unificada mundial com a recuperação da ruptura das igrejas católica e protestantes e recapturar a teologia pura dos antigos.

Aproximadamente dez anos após a morte de Dee, o antiquário Robert Cotton comprou a terra em torno da casa de Dee e começou a escavar em busca de papéis e artefatos. Descobriu diversos manuscritos, principalmente registros de comunicações angélicas de Dee. O filho de Cotton deu estes manuscritos ao escolar Méric Casaubon, que os publicou em 1659, junto com uma longa introdução crítica de seu autor. Como a primeira revelação pública das conferências espirituais de Dee, o livro foi extremamente popular e vendeu rapidamente. Casaubon, que acreditava na realidade dos espíritos, discutiu em sua introdução que Dee estava agindo sem saber como ferramenta de espíritos malignos quando acreditou que estava comunicando-se com anjos. Este livro é na maior parte responsável pela imagem que prevaleceu de Dee para os dois séculos e meio seguintes de um fanático desiludido.

Quase ao mesmo tempo a Relação Fiel e Verdadeira foi publicada e membros da Rosa-cruz reivindicaram Dee como um de seus membros. Há dúvida, entretanto, de que um movimento organizado Rosa-cruz tenha existido durante a época em que Dee viveu, e não há nenhuma evidência de que Dee tenha pertencido a qualquer fraternidade secreta.

O Museu Britânico mantem diversos artigos que pertenceram a John Dee, a maioria associado com suas conferências espirituais:

Espelho (um objeto de um culto asteca na forma de um espelho de mão, trazido a Europa no fim da década de 1520), que chegou a ser propriedade de Horace Walpole.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI