sábado, 30 de abril de 2011

A CIÊNCIA DE LÚCIFER "O BARDO THODOL"




Cápitulo XXI

É próprio da magia negra e do culto ao mal apresentar a ordem natural ao contrário e, de uma maneira geral, inverter todas as coisas.

O BARDO THODOL

Se apresentarmos o falso espiritualismo, que é também falsa feitiçaria, é porque desejamos destacar o perigo que apresentam para o neófito os ensinamentos mal compreendidos, essencialmente perniciosos, mas que são apresentados a coberto da iniciação.

No Tibete, o Bardo Thodol, o Livro dos Mortos, constitui um autêntico ritual de magia negra, segundo a versão inglesa do lama Kazi Dawa Smdup. O Bardo Todhol apresenta a descrição da agonia vivida, talvez, por “grandes Mestres”agonizantes mais lúcidos. Ele guia o espírito do morto através das visões infernais que o obsecam e desorientam, escreve o Sr Bacot. No estado intermediário(o Bardo), entre a morte e o renascimento, desenvolvem-se os efeitos necessários cujas causas foram as ações na vida.
Depois, vem o mecanismo da transmigração e da determinação pelo jogo das atrações e das repulsas, da escolha dos pais e do sexo do ser que encarna. Os fenômenos da vida podem ser comparados a um sonho, a um fantasma, a uma bolha de ar, a uma sombra, ao orvalho brilhante, ao clarão do relâmpago, e deste modo eles devem ser contemplados.


Tudo é maya 

(O Buda do Sutra imutável.)

Mais condensado ainda, o Bardo Thodol trata o ciclo da existência sangsárica(fenomenal) que intervêm entre a morte e o nascimento, a lei antiga do Karma ou das conseqüências e a doutrina da reencarnação tendo sido aceitas como essenciais á vida humana.

NÃO COMEIS FAVAS (PITÁGORAS)

Os egípcios sabia que a alma poderia emigrar nas favas!

Em magia negra, ela desempenha, como rã, o papel de esponja de fluidos

O rito do sangue é sem dúvida a forma mais antiga da magia; praticavam-no os alquimistas que ofereciam crianças em Holocausto. Paracelso conhecia esse rito mas nunca o utilizou. Pensa-se que a forma redonda dos glóbulos vermelhos tinha uma influência neutralizadora sobre os corpos estranhos da preparação alquímica. O último fim da alquimia(a transladação corporal) poderia exprimir-se assim: subir ao céu sem passar pela morte. O adepto liberto de todas as limitações terrestres(resultado da queda original) abandona definitivamente o plano físico de existência para subir como corpo glorioso aos níveis vibratórios supra sensíveis.

Mas que energia interior puseram os cientistas em jogo para conseguir obter a sua ascensão celeste? O grande segredo da alquimia tântrica não é senão este: conseguir inverter, fazer, regressar, a energia sexual animal de maneira a permitir o despertar a força divina colossal que ela esconde nas condições ordinárias da existência. É a Koundalini, representada na iconografia tântrica por uma serpente enrolada que se torna necessário despertar e fazer subir ao longo da coluna vertebral.

Um a um, todos os centros psíquicos – chamados chacras na terminologia sânscrita – serão despertos, aumentando o estado de iluminação(transitória, de inicio, permanente depois) quando a força alcança o centro superior (o lótus de mil pétalas)situado no alto do crânio. Dois caminhos se oferecem ao adepto: o da direita, onde a libertação taumatúrgica se efetua pela ascese solidária, e o da esquerda onde a ascese alquímica se realizará pelo método inverso da primeira, isto é pela efetivação das núpcias químicas concretizadas por um par. Este processo a dois não pertence apenas ás formas hindus de tantrismo, tendo-se também desenvolvido na tradição alquímica ocidental. Distinguem-se dois tipos de adeptos: (os monges alquimistas, por exemplo), e os que trabalharam aos pares(o caso de Nicolas Flamel e de sua esposa Pernelle, sem dúvida o mais conhecido no ocidente). Aleister Crowley um dos magos contemporâneos que , na Inglaterra, mais se ocupou das práticas de mão esquerda.

OS FANTASMAS CONHECEM O FUTURO?

Toda a antiguidade acreditou que a alma das pessoas mortas por violência errava por terra em busca de repouso ou de um corpo onde reencarnar. Ainda, e sempre, a crença dos espíritas e gnósticos negro, para quem o corpo tem um duplo, uma sombra a qual, após a morte, permanece numa zona indecisa situada no gradiente de nosso mundo e do além, ou antimundo. Os físicos já sabemos, puseram em destaque a autenticidade de uma persistência da realidade num outro mundo, o que, sem dar uma autenticidade absoluta á crença dos gnósticos negros, dá-lhes pelos menos uma certa consistência.  Assim, esta hoje demonstrado que as práticas mágicas dos quiromantes e dos físicos antigos assentavam no conhecimento empírico, mas positivo, de uma ciência cujas leis começam a desvendar-se.


A NECROMANCIA

Desde a mais remota antiguidade, os homens têm tido a curiosidade, ou experimentaram a necessidade, de evocar os mortos no decorrer de cerimônias misteriosas.

Os Sírios e os Hebreus foram grandes necromantes: a Bíblia cita o caso do pitonista de Endor, evocando para Saul a sombra de Samuel. Destas considerações resulta que, apesar das contradições aparentes, os sustentáculos da necromancia eram a alma, o cadáver e a palavra.

Os Hebreus e os Sírios, dizem os cronistas, matavam a criança torcendo-lhe os pescoço, cortavam-lhe a cabeça, salgavam ou embalsamavam essa cabeça e, colocando-a sobre uma lâmina de metal onde estava gravado o nome do espírito ou da divindade que eles queriam evocar, dela extraiam os oráculos.  Os gnósticos negros eu se entregavam as esta práticas abomináveis agiam sem rancor e sem perversidade consciente, unicamente, poderia dizer-se, por espírito cientifico, com o soberano desprendimento de um biologista praticando uma vivissecção. Desde a Idade Média a verdadeira magia negra satânica era praticada a base de sacrifícios rituais, com a finalidade quer de utilizar um sopro de vida da vítima em trabalhos de alquimia quer de proceder a uma transferência de vida do sacrificado para uma estátua, ou estatueta, encarregada seguidamente de fazer profecias.



A GRANDE OBRA DE GILLES DE RAIS

Gilles de Rais, senhor de Machecoul e Tiffrauges, de Monfort e outros lugares, tornou-se o primeiro célebre pela sua bravura e sua fidelidade a Joana d’Arc. Mais tarde em 1435 tornou-se alquimista, rodeou-se de feiticeiros e de magos e empreendeu a busca e realização da grande obra.

Se bem que relativamente culto, não soube destrinçar o símbolo da letra, e julgou que p principio fecundante e gerador da Pedra devia ser captado na própria vida do homem e, melhor ainda, na das crianças. Uma velha feiticeira, a Meffraie, tinha a missão de percorrer os campos da Bretanha e da Vendeia á procura de jovens pastores, mendigos e crianças perdidas, que ela aliciava e levava ao Castelo de Gilles para serem utilizados nos assassínios rituais. .Na torre do castelo de Chantocé (Maine – et – Loire), descobriu-se um tonel cheio de ossadas calcinadas pertencentes, julga-se, aos corpos de umas quarenta crianças.

Michelet conta que o senhor de Rais evocava demônios e oferecia a vida de crianças a eles pedindo-lhes em troca ouro, ciência e poder. A magia negra nunca é praticada impunemente. É sempre castigada pela deterioração mental que inelutavelmente provoca a quem a ela se entrega, ao quais raramente escapam á justiça deste mundo, e muito menos a do Além, justa paga contra a qual não existe qualquer pentaclo.   


FONTE: Trecho do livro “O Livro do Misterioso Desconhecido”
Autor Robert Charroux                                           

sexta-feira, 29 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: A TEORIA DAS SUPERCORDAS E O BIG BANG

CONSPIRAÇÃO: A TEORIA DAS SUPERCORDAS E O BIG BANG: "No inicio, tudo estava tão espremido, mas tão espremido, que não tinha tamanho nenhum. O embrião do Universo tinha dimensão zero. É o que c..."

CONSPIRAÇÃO: Os Anunnaki, em sua Colina Sagrada.Anu, Enlil, Enk...

CONSPIRAÇÃO: Os Anunnaki, em sua Colina Sagrada.Anu, Enlil, Enk...: "A última parte do texto Atra-Hasis, um grande trecho do Épico de Gilgamesh e outros textos da Mesopotâmia descrevem minuciosa..."

CONSPIRAÇÃO: O CRIADOR DO MUNDO

CONSPIRAÇÃO: O CRIADOR DO MUNDO: "DEUS O CRIADOR DO MUNDO Vejamos então 4 opções distintas. Possibilidade 1 O Mundo pode ser uma estrutura física tal como nos mostram..."

CONSPIRAÇÃO: QUEM SÃO OS ANUNNAKI

CONSPIRAÇÃO: QUEM SÃO OS ANUNNAKI: "PARTE I NIBIRU E A REALEZA 'Iniciarei aqui uma série de posts contando a história dos Deuses da antiguidade, segundo Zecha..."

CONSPIRAÇÃO: A Ressonância Schumann

CONSPIRAÇÃO: A Ressonância Schumann: "A Ressonância Schumann Por Leonardo Boff - Teólogo Não apenas as pessoas mais idosas mas também jovens fazem a experiência de que tudo ..."

CONSPIRAÇÃO: HERCÓLUBUS O DECIMO SEGUNDO PLANETA [Zecharia Sitc...

CONSPIRAÇÃO: HERCÓLUBUS O DECIMO SEGUNDO PLANETA [Zecharia Sitc...: "----Os sumérios descreviam nosso sistema solar como um conjunto de 12 corpos celestes significativos. Na linguagem zodiacal, estes a..."

CONSPIRAÇÃO: O VATICANO E ZECHARIA SITCHIN "ANJOS DA CRIAÇÃO D...

CONSPIRAÇÃO: O VATICANO E ZECHARIA SITCHIN "ANJOS DA CRIAÇÃO D...: "Relatório de Zecharia Sitchin A morte do Papa João Paulo II tem ocasionado discussões generalizada sobre o seu próprio e Vaticano posição ..."

CONSPIRAÇÃO: A MORTE DE ZECHARIA SITCHIN "A HUMANIDADE DE LUTO"...

CONSPIRAÇÃO: A MORTE DE ZECHARIA SITCHIN "A HUMANIDADE DE LUTO"...: "Aos meus amigos, fãs e leitores: No sábado, 25 de junho fui levado para o hospital com um problema abdominal aguda. Es..."

domingo, 24 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: A Semente Evadâmica e a Semente Serpente (draconia...

CONSPIRAÇÃO: A Semente Evadâmica e a Semente Serpente (draconia...: "Um CONFLITO com outros seres, ELs (humanos gigantes) destruiu a maior parte da civilização , (draconiana). o que forçou alguns a se es..."

CONSPIRAÇÃO: O SEGREDO DA MULTIPLICAÇÃO HUMANA

CONSPIRAÇÃO: O SEGREDO DA MULTIPLICAÇÃO HUMANA: "Documentos inéditos reconstituem os passos de Josef Mengele na América do Sul e mostram como ele usou a identidade real na Argentina, no..."

CONSPIRAÇÃO: LEI NORTE AMERICANA PROÍBE CONTATO COM EXTRATERRES...

CONSPIRAÇÃO: LEI NORTE AMERICANA PROÍBE CONTATO COM EXTRATERRES...: "A lei norte-americana que proíbe contato No dia 16 de julho de 1969, o governo dos Estados Unidos aprovou uma lei chamada 'Lei da Expo..."

O ÉPICO DE ERRA "AS ARMAS NUCLEARES DOS ANTIGOS"















"Épico de Erra.

Composto a partir de fragmentos encontrados na biblioteca de Assurbanipal, esse texto assírio foi tomando forma e sendo mais bem compreendido à medida que outras versões fragmentadas iam sendo descobertas em diferentes sítios arqueológicos.

Hoje sabe-se que ele foi escrito em cinco tabuinhas de argila, e do texto total só faltam algumas poucas linhas.

Existem duas traduções completas e minuciosas desse épico:

Das Era-Epos, de P. F. Gõssmann,
e UEpopea di Erra, de L. Cagni.

O Épico de Erra não apenas explica a natureza e as causas do conflito que redundou no uso da Arma Máxima contra cidades habitadas (com a intenção de aniquilar um deus que nelas se escondia), como também deixa claro que essa medida extrema não foi tomada de maneira apressada e irresponsável.

Sabemos a partir de vários outros textos que naquele momento de grave crise os grandes deuses permaneciam reunidos num contínuo Conselho de Guerra, mantendo um constante contato com Anu.

"Anu para a Terra falava as palavras, a Terra para Anu as palavras pronunciava."

O Épico de Erra acrescenta a informação de que, antes de serem usadas as terríveis armas, houve um confronto entre Nergal/Erra e Marduk, em que o primeiro usou de ameaças para persuadir o irmão a deixar a Babilônia e desistir de sua ambição de conquistar a supremacia."
Samuel Noah Kramer
em seu livro Cuando los dioses hacían de hombres,
no capítulo XV ,também comenta o texto, não sei em qual grau de minúcia,
comparada a referência de ZS aos autores citados.

Na sequência colocarei referências desse épico comentado por ZS em seu livro
As Guerras de Deuses e Homens.

Como essa comunidade é orientada para o estudo dos anunnaki, e um dos que pesquisou bem esse tema é ZS,
e como os livros dele estão com edição esgotada e sem a menor previsão de que sejam novamente editados,
os tópicos acabam sendo acrescidos de excertos de seus livros.

Dando oportunidade de reflexão ao que o autor expõe e embasamento de crítica para aqueles que nunca sequer leram um livro dele ,e acabam desqualificando o estudo de uma vida inteira, podendo assim entrar em contato com o que foi estudado por Sitchin a respeito dos Anunnaki, "deuses(Anu) do céu(An) que para a terra(KI) vieram".

Cap XIV O Holocausto Nuclear
"Ao voltar diante do Conselho dos Deuses, Nergal recomendou o uso da força contra Marduk.
O texto conta que as discussões foram acaloradas e amargas:

"por um dia e uma noite", sem cessar, eles argumentaram.

Houve uma discussão violenta entre Enki e seu filho Nergal, em que o primeiro tomou o partido de seu primogênito, Marduk:

"Agora que o príncipe Marduk se ergueu, que o povo pela segunda vez levantou sua imagem, por que Erra continua sua oposição?"

Finalmente, perdendo a paciência, Enki gritou para Nergal sair de sua presença.

Furioso, Nergal voltou a seus domínios.

"Consultando-se consigo mesmo", ele decidiu usar as terríveis armas:

As terras destruirei, transformando-se num monte de pó; as cidades arrasarei,
as transformarei em desolação;
os mares agitarei, o que neles pulula eu dizimarei;
as pessoas farei sumir,
suas almas se transformarão em vapor,
ninguém será poupado"...
"Por um texto conhecido como CT-xvi-44/46,
sabemos que foi Gibil, o irmão cujos domínios africanos faziam fronteira com os de Nergal, quem avisou Marduk sobre a destruição que Nergal estava tramando.

Era noite, e os grandes deuses tinham se retirado para repousar.

Gibil foi procurar Marduk e contou sobre as "sete armas" que tinham sido criadas por Anu...

"A maldade dessas sete está voltada contra ti."

Assustado, Marduk perguntou ao irmão onde eram guardadas essas armas:

"ó Gibil, aquelas sete... onde nasceram, onde foram foram criadas?"

Ao que Gibil respondeu:

Aquelas sete na montanha habitam;
elas moram numa cavidade dentro da terra.
Desse lugar, com um brilho elas se arremeterão,
da Terra para o Céu, vestidas de terror.

Mas onde exatamente ficava esse lugar?

Mas onde exatamente ficava esse lugar? Marduk repetiu a pergunta várias vezes,
mas tudo o que Gibil pode informar foi:

"Até mesmo para os sábios deuses isto é desconhecido"."

"Marduk apressou-se em transmitir
o assustador relatório a seu pai, que já estava deitado, preparando-se para dormir.

"Meu pai, Gibil, assim me falou:

ele descobriu a vinda das sete [armas].

Depois de dadas as explicações necessárias, rogou ao pai, aquele que muito sabia:

"Apressa-te, procura onde estão!"

Imediatamente Enki convocou o Conselho dos Deuses.

Todavia, ficou surpreso ao constatar que nem todos estavam tão chocados como ele diante da possibilidade de se usar aquelas armas terríveis.

Então pediu que fossem tomadas sérias medidas contra Nergal, salientando:

"As terras ficarão desoladas, o povo perderá".

Nannar e Utu estavam hesitantes,

mas Enlü e Ninurta defendiam uma ação decisiva.

Por não haver unanimidade, a decisão final foi deixada a cargo de Anu."

"Quando Ninurta por fim chegou
do Mundo Inferior para comunicar a decisão de Anu,
descobriu que Nergal já ordenara a instalação dos "venenos" (as ogivas nucleares) nas "sete armas assustadoras".

Embora o Épico de Erra refira-se constantemente a Ninurta como Ishum ("O Calcinador"), ele explica com grandes detalhes que esse deus deixou bem claro ao seu aliado que as armas só poderiam ser usadas contra alvos especificamente aprovados.

Também, antes de elas serem disparadas, os Anunnaki que estavam nos lugares condenados tinham de ser evacuados, e os Igigi que tripulavam a plataforma espacial e os ônibus espaciais precisavam ser avisados.

E, por último, mas não menos importante, a humanidade deveria ser poupada, pois
"Anu, o senhor dos deuses, teve piedade da Terra".

De início Nergal foi contra a ideia de dar qualquer tipo de aviso, e o texto demora-se relatando a troca de palavras ásperas entre os dois deuses.

No final, contudo, Nergal concordou em alertar os Anunnaki e os Igigi, mas não Marduk, Nabu e seus seguidores humanos.

Foi então que Ninurta, tentando dissuadir Nergal de provocar um aniquilamento indeterminado, usou palavras idênticas às que a Bíblia atribui a Abraão quando tentou poupar Sodoma:

Valoroso Erra,
destruirás os justos com os injustos?
Destruirás os que contra ti pecaram
junto com os que contra ti não pecaram?"

"Usando de lisonjas, ameaças e lógica,
os dois deuses discutiram sobre a extensão da destruição.

Nergal, muito mais que Ninurta, estava tomado pelo ódio pessoal:

"Aniquilarei o filho e deixarei o pai enterrá-lo;
depois matarei o pai, mas não deixarei ninguém enterrá-lo!".

Ninurta com muita dificuldade, recorrendo à diplomacia, salientando a injustiça da destruição indiscriminada e os méritos de alvos predeterminados, finalmente conseguiu dobrar Nergal.

"Ele ouviu as palavras de Ishum;
elas lhe pareceram tão atraentes como o óleo fino."

Depois de concordar em não mexer nos mares e deixar a Mesopotâmia fora do ataque, ele formulou um novo plano:

a destruição seria seletiva;
a meta tática seria destruir as cidades onde Nabu poderia estar escondido;
a meta estratégica seria negar a Marduk seu mais cobiçado prémio — o Espaçoporto, "o lugar de onde os Grandes ascendem"."

"De cidade em cidade
enviarei um emissário;
O filho, semente de seu pai, não escapará;
sua mãe parará de rir...

Ele não terá acesso ao lugar dos deuses.
O lugar de onde os Grandes ascendem,
eu destruirei.


Quando Nergal terminou de falar, Ninurta estava boquiaberto, chocado com a idéia de destruir o Espaçoporto.

Mas, como afirmam outros textos, Enlil aprovou o plano assim que ele lhe foi comunicado.

Sem perder tempo, Nergal pediu a Ninurta para eles iniciarem rapidamente a ação:

Então o herói Erra foi à frente de Ishum,
recordando-se de suas palavras;
Ishum também avançou de acordo com a palavra dada,
mas com um aperto no coração.

O primeiro alvo era o Espaçoporto, cujo complexo de comando ficava escondido no "Mais Supremo dos Montes",
enquanto os campos de pouso espalhavam-se pela planície adjacente:


"Ishum dirigiu seu curso para
o Mais Supremo dos Montes;
as terríveis sete [armas], sem paralelo,
flutuavam atrás dele.
Ao Mais Supremo dos Montes o herói chegou:
Ele ergueu a mão...
o monte foi esmagado;
a planície do Mais Supremo dos Montes
ele não obliterou.

O Espaçoporto foi arrasado com um único golpe nuclear.

E esse feito, como atestam todos os registros, foi obra de Ninurta.

Chegou a vez de Erra/Nergal dar vazão a seu voto de vingança.

Seguindo para as cidades cananéias orientando-se pela Estrada
do Rei, ele destruiu as cidades da planície do Jordão.

As palavras usadas no
Épico de Erra
são quase idênticas às empregadas na história de Sodoma e Gomorra:

Então, imitando Ishum,
Erra seguiu a Estrada do rei.
Com as cidades acabou,

transformando-se em desolação.
Nas montanhas causou fome,
pois seus animais matou."
"Os versos que se seguem
podem bem estar descrevendo a criação da nova parte sul do mar Morto
e o fim de toda a vida marinha que havia nele:

Ele cavou o mar,
sua inteireza dividiu.
Aquilo que mora nele,
até os crocodilos, -
fez definhar.
Como se usasse fogo, queimou os animais,
os grãos transformou em poeira."

"Dessa forma o Épico de Erra
abrange todos os três aspectos do evento nuclear:

a destruição do Espaçoporto no Sinai;

a destruição das cidades da planície do Jordão;

e o rompimento da margem do mar Morto, que resultou em sua ampliação para o sul.

Um acontecimento único e tão devastador como esse deveria estar registrado em mais do que um único texto.

E isso realmente é o que acontece.

Existem outras crônicas descrevendo ou recordando a catástrofe nuclear.

E um desses textos (catalogado como K.5001 e publicado na
Oxford Editions of Cuneiforms Textes, vol. VI)
é de especial valor, pois
está escrito em sumério, e cada linha vem acompanhada de uma
tradução para o acadiano.

Isso mostra que, sem dúvida, ele é uma
das primeiras crônicas sobre o assunto e deve ter sido uma das fontes para a narrativa bíblica. "

"Dirigido a um deus
cuja identidade não
fica clara, devido às falhas na tabuinha, ele diz:

Senhor, portador do Calcinador,
que queimou o adversário,
que obliterou a terra desobediente;
que definhou a vida dos seguidores da Má Palavra;
que fez chover pedra e fogo sobre os adversários.

A fuga dos Anunnaki que guardavam o Espaçoporto, alertados para o perigo iminente, está lembrada num texto babilônico em que um rei fala de eventos acontecidos "no reinado de um monarca anterior".

Naquela época,
no reinado de um monarca anterior,
as condições mudaram.
O bem partiu, o sofrimento era habitual.
O Senhor enfureceu-se e concebeu a ira.
Ele deu a ordem.
Os deuses daquele lugar o abandonaram...
Os dois, decididos a cometer o mal,
fizeram os guardiões se afastar;
os protetores subiram para a cúpula do céu."

"Os Textos de Codorlaomor,
que identificaram Ninurta e Nergal pelos seus epítetos, contam o ocorrido da seguinte maneira:

Enlil, entronizado em altura,
estava consumido de raiva.
Os devastadores novamente sugeriram o mal.
Aquele que calcina com fogo Ishum/Ninurta
e aquele do vento mau [Erra/Nergal],
juntos, executaram sua maldade.
Os dois fizeram os deuses fugir,
fizeram-nos fugir da calcinação.

O alvo, o local de onde eles tinham feito os deuses fugir, era o Local de Lançamento:

Aquilo que estava levantando na direção de Anu para lançar,
eles fizeram definhar;
seu rosto fizeram desaparecer,
do lugar fizeram desolação.

E foi assim que o Espaçoporto, a causa de tantas guerras anteriores, foi varrido da face da Terra.

O monte que abrigava o equipamento foi arrasado; as plataformas de lançamento sumiram; a planície de solo duro, usada como pista, foi liquidada e nela não restou nem mesmo um arbusto."

"Essa grande instalação
jamais seria vista novamente...
mas a cicatriz que essa destruição deixou na Terra pode ser vista até hoje!

É uma vasta cicatriz, tão imensa que só pode ser vista por inteiro do espaço.
Por isso sua existência só foi revelada ao mundo recentemente, quando os satélites começaram a fotografar a Terra do espaço.
Essa é uma marca para a qual nenhum cientista encontra explicação.

Estendendo-se para o norte desse enigmático acidente geográfico está a planície central da península do Sinai, que em outras eras geológicas era o fundo de um lago.

O solo duro e plano é ideal para a aterrissagem de veículos espaciais.

Foi uma geografia semelhante que fez a Base Aérea Edwards, no deserto de Mojave, na Califórnia, ser escolhida para pouso dos ônibus espaciais.

Quando estamos em pé na grande planície da península do Sinai, cujo terreno foi palco de combates entre tanques nas guerras modernas, podemos ver a distância as montanhas que o cercam, dando-lhe a forma oval.

O calcário de que elas são constituídas fazem com que elas brilhem muito brancas no horizonte.

Porém, na borda da imensa cicatriz existe um forte contraste entre o negro do terreno e a brancura que o cerca ."

"O preto não é uma cor natural
da península do Sinai, porque ali predominam a brancura do calcário e os tons avermelhados do arenito, que podem chegar ao marrom-escuro mas jamais ao preto, pois este só é encontrado na natureza quando existe o basalto que não ocorre naquela área.

No entanto, ali, na parte norte-noroeste da enigmática cicatriz, o solo é preto.

Essa cor é provocada —
como mostra claramente nossa fotografia —
por milhares de pedacinhos de rocha enegrecida, que se espalham pela área como se tivessem sido atiradas por uma mão gigantesca.

Até hoje, desde que a cicatriz foi fotografada por satélites, não há explicação para ela.

Até hoje também não existe explicação para os pedacinhos de rocha enegrecida que cobrem essa área.

Não existe justificativa, a não ser para quem lê os versos dos antigos textos e aceita nossa conclusão de que, na época de Abraão, Nergal e Ninurta destruíram completamente o Espaçoporto ali situado com armas nucleares.

"Aquilo que estava levantado na direção de Anu para lançar, eles fizeram definhar;
seu rosto fizeram desaparecer; do lugar fizeram desolação."
O VENTO MAU
"Bem distante,
a leste, na Suméria propriamente dita, as explosões não foram vistas nem sentidas, mas mesmo assim existem registros dos feitos de Ninurta e Nergal porque tiveram um profundo efeito sobre a região e seu povo.

Apesar de todos os esforços de Ninurta em tentar impedir que Nergal ferisse a humanidade, o sofrimento não foi evitado.

A explosão nuclear deu origem a uma imensa ventania, que começou como um turbilhão:

Uma tempestade,
o Vento Mau,
gritou pêlos céus.

Então esse remoinho começou a se espalhar para leste, empurrado pelos ventos vindos do Mediterrâneo.

Logo depois os presságios que previam o fim da Suméria se realizaram.

A Suméria propriamente dita tornou-se a grande vítima da catástrofe atômica."

Lamentações
"A calamidade que caiu sobre a região no final do sexto ano do reinado de Ibbi-Sin está descrita em vários textos, as Lamentações, longos poemas que choram a morte da majestosa Ur e de outros centros da civilização suméria.

Como esses textos fazem lembrar muito o Livro das Lamentações da Bíblia, que fala da destruição de Jerusalém pelos babilônicos, os primeiros tradutores dos poemas sumérios partiram da hipótese de que a catástrofe mesopotâmica também fora resultado de uma invasão, nesse caso de tropas elamitas e amoritas.

De início, quando os arqueólogos encontraram as primeiras tabuinhas com as Lamentações, os estudiosos imaginavam que somente Ur fora destruída.

Mas, à medida que mais textos foram sendo descobertos, foi ficando claro que Ur não havia sido a única cidade afetada nem o ponto central da catástrofe.

A descoberta de tabuinhas com um lista das cidades afetadas demonstrou que a destruição pareceu começar a sudoeste, estendendo-se para o nordeste, abrangendo todo o sul da Mesopotâmia, e que uma catástrofe súbita e geral caiu sobre todas as cidades ao mesmo tempo.

A destruição não aconteceu numa vagarosa sucessão, como teria ocorrido se tivesse havido uma invasão progressiva.

Estudiosos como Th. Jacobsen (The Reign of Ibbi-Sin) concluíram que "invasores bárbaros" não tiveram nada a ver com a "terrível calamidade" que atingira a Mesopotâmia e considerou essa catástrofe algo "muito, muito intrigante"."
"Só o tempo dirá se um dia veremos com plena clareza o que aconteceu naquela época", escreveu Jacobsen. "Estou convencido de que a história completa ainda está muito longe de nossa compreensão."

Mas o enigma pode ser resolvido, e a história compreendida, quando relacionamos a catástrofe que se abateu sobre a Mesopoltâmia com a explosão nuclear na península do Sinai.

As Lamentações, notáveis por sua extensão e,
no geral, pelo excelente estado de conservação, começam deplorando a súbita partida dos vários deuses de seus recintos sagrados, deixando os templos "abandonados ao vento".

Em seguida começam uma rica descrição da desolação causada pela calamidade.

Os versos seguintes são um exemplo:

Fazendo cidades ficarem desoladas,
fazendo casas ficarem desoladas,
fazendo currais ficarem desolados,
os redis vazios.
Os bois da Suméria já não ficam em seus estábulos,
seus carneiros já não correm nos redis;
em seus rios corre água amarga,
nos campos cultivados só nasce mato.
Nas estepes só crescem plantas murchas."
"Antes da Segunda Guerra Mundial,
antes de Hiroxima e Nagasáki serem destruídas com bombas atômicas caídas do céu, alguém ainda podia ler a história de Sodoma e Gomorra e aceitar a tradicional chuva de "fogo e enxofre" por falta de melhor explicação.

Os primeiros tradutores das Lamentações, que não tinham idéia do que era uma catástrofe nuclear, deram-lhe títulos como "A Destruição de Ur" ou "A Destruição da Suméria".

Todavia, não é isso que os textos descrevem.
Eles falam em desolação, não em destruição.

As cidades continuaram lá, mas sem seus habitantes;
os currais continuavam lá, mas não havia gado;
os redis continuavam lá, mas não existiam mais carneiros.

Invasão, guerra, morte — todos esses males são bem conhecidos pela humanidade, mas como uma das Lamentações afirma claramente, o mal que atingiu a Suméria foi único e jamais tinha sido experimentado antes:

Sobre a Terra [Suméria] caiu uma calamidade;
uma desconhecida para o homem;
uma que ninguém jamais vira antes;
uma que não pôde ser suportada."

"A morte não veio pela mão de um inimigo,
foi uma morte invisível
"que vaga pelas ruas, que está solta nas estradas.
Ela para ao lado do homem, mas ninguém consegue vê-la;
quando entra numa casa, sua aparência é desconhecida".

Não havia defesa contra "esse mal que assolou a cidade como um fantasma...
pelas muralhas mais altas,
pelas muralhas espessas ela passa como se fosse uma inundação;
nenhuma porta consegue deixá-la de fora,
nenhuma trava a impede;
pelas frestas ela desliza como uma serpente;
como vento, ela penetra pelo batente".

Todos os habitantes foram atingidos e morreram ali mesmo onde estavam.

"Tosse e catarro enfraqueceram o peito;
a boca ficou cheia de saliva e espuma...
torpor e tontura os afligiram, um entorpecimento doentio...
uma maldição, uma dor de cabeça...
seus espíritos abandonaram seus corpos."

A morte era horrível:
As pessoas, aterrorizadas, mal conseguiam respirar;
o Vento Mau as agarrou,
não lhes concedendo nem mais um dia...
Bocas estavam encharcadas de sangue,
cabeças atoladas em sangue...
O Vento Mau fazia empalidecer o rosto."

A fonte da morte invisível
era uma nuvem que apareceu nos céus da Suméria e "cobriu a terra como uma capa, estendeu-se sobre ela como um lençol".

Pardacenta, durante o dia "o sol no horizonte obliterou com sua escuridão".

À noite, luminosa nas bordas
("Orlada com terrível brilho ela encheu a ampla Terra"),
ela escondeu a Lua.

Indo de oeste para o leste, a nuvem mortal foi levada para a Suméria por um vento furioso, "um grande vento que sopra muito alto, um vento mau que derrota a Terra".
Aquilo não foi considerado
um fenômeno natural:

"Uma grande tempestade dirigida por Anu... viera do coração de Enlil".

Era um produto das sete armas assustadoras:

" Nasceu numa única cria», como o amargo veneno dos deuses: no oeste foi gerada".

O Vento Mau, "trazendo sofrimento de cidade em cidade, carregando densas nuvens que trazem tristeza do céu", era resultado de um "relâmpago de tempestade".

"Do meio das montanhas ele desceu sobre a terra, da Planície Sem Piedade ele veio."

Embora a população estivesse confusa, os deuses sabiam muito bem qual era a causa do Vento Mau:

Um estrondo cruel foi o arauto da chorosa tempestade,
um estrondo cruel foi precursor
da chorosa tempestade;
poderosos descendentes, valentes filhos,
foram os arautos da pestilência."
Ninurta e Erra
"Os dois filhos valentes — Ninurta e Nergal — soltaram "numa única cria" as sete terríveis armas criadas por Anu, "arrancando tudo, destruindo tudo" no local da explosão.

As antigas descrições são tão vívidas e exatas como as feitas por testemunhas oculares de explosões atómicas.

Logo que as "terríveis armas" foram lançadas dos céus, houve um imenso fulgor.

Como conta um texto, "elas espalharam raios assustadores na direção dos quatro cantos da Terra, calcinando tudo como fogo".

Um outro descreve a formação do cogumelo atómico:

"Uma densa nuvem que traz tristeza" subiu aos céus
e foi seguida por "rajadas de vento...
uma tempestade que furiosamente queima os céus".

Não um, mas vários textos atestam que o Vento Mau, que carregava a nuvem da morte, foi causado por gigantescas explosões ocorridas num dia que seria para sempre lembrado:

Naquele dia,
quando o céu foi esmagado
e a Terra aniquilada,
sua face obliterada pelo remoinho...
Quando os céus escureceram,
cobertos por uma sombra."

"As Lamentações
identificam o local dos assustadores estrondos como sendo "no oeste", perto do "seio do mar" — uma descrição gráfica da curva do litoral do Mediterrâneo na região da península do Sinai —numa planície "no meio das montanhas", que passou a ser chamada de "Lugar Impiedoso", mas que antes era o local de onde os deuses "ascendiam aos céus".


O monte que ficava perto dessa planície, que no Épico de Erra tem o nome de "O Mais Supremo", numa das Lamentações é chamado de "Monte dos Túneis Uivantes"
— epíteto que nos traz à mente as descrições encontradas nos Textos das Pirâmides, que contam a viagem dos faraós para a Outra Vida quando eles entravam numa montanha cheia de passagens subterrâneas.

Essa viagem está" amplamente comentada em A Escada para o Céu, livro em que também identificamos essa montanha como sendo aquela que Gilgamesh encontrou em sua viagem para a Terra dos Foguetes, na península do Sinai.

Segundo uma Lamentação, a nuvem mortal criada pela explosão do monte foi levada pelos ventos na direção leste, "até a fronteira de Anzan", nas montanhas Zagros, afetando toda a Suméria desde Eridu, ao sul, até a Babilónia, mais ao norte.

A passagem da "morte invisível" durou 24 horas:

"Naquele dia, num único dia;
naquela noite, numa única noite...
a tempestade, criada no estrondo de um raio, deixou prostrado o povo de Nippur".


"O Lamento de Uruk
descreve com detalhes a confusão entre a população e os próprios deuses.

Explicando que Anu e Enlil prevaleceram sobre Enki e sua consorte, Ninki, ao consentirem no uso das sete armas, deixa claro que nenhum dos deuses antevia o terrível resultado:

"Os grandes deuses empalideceram diante de sua grandiosidade ao assistir à explosão, cujos "raios gigantescos atingiram o céu e fizeram a Terra estremecer até seu âmago".


À medida que o Vento Mau ia "se espalhando para as montanhas como uma rede", os deuses iam fugindo de suas amadas cidades.

O poema Lamentações sobre a Destruição de Ur dá uma lista de todos os grandes deuses e grandes templos da Suméria.

Um outro, intitulado Lamentação sobre a Destruição da Suméria e Ur, nos conta mais detalhes sobre essa retirada apressada.

"Ninharsag chorou lágrimas amargas" enquanto fugia de Isin;
Nanshe gritou:
Ó, minha cidade devastada!",
enquanto sua "amada residência era entregue ao infortúnio".

"Inanna partiu apressadamente de Uruk,
zarpando para a África num "navio submergível", queixando-se de que precisava deixar para trás suas jóias e outros bens...

Chorando por Uruk, Inanna-Ishtar lamentou a desolação causada em sua cidade e em seu templo pelo Vento Mau que, "num instantes, num piscar de olhos, foi criado no meio das montanhas" e contra o qual não havia defesa.

Uma comovente descrição do medo e da confusão que tomaram conta de deuses e homens diante da aproximação do Vento Mau é encontrada do texto Lamento de Uruk, que foi escrito anos depois, durante a restauração da Suméria.

Enquanto os "leais cidadãos de Uruk eram tomados de terror", as deidades residentes, as encarregadas da administração e do bem-estar da cidade, deram o alarme.

"Acordem!", gritaram para a população no meio da noite.
"Fujam! Escondam-se na estepe!"

Em seguida os próprios deuses fugiram,
"tomaram caminhos desconhecidos". Tristemente o texto acrescenta:

Assim todos os deuses saíram de Uruk;
ficaram longe dela;
esconderam-se nas montanhas,
fugiram para as planícies distantes."
Lamento de Eridu
"Em Uruk a população, indefesa e sem liderança, ficou entregue ao caos.

"O pânico caiu sobre Uruk... seu bom senso estava distorcido.

" Desesperado, o povo invadiu os santuários, quebrando tudo o que encontrava lá dentro, perguntando:

"Por que os deuses nos esqueceram?
Quem causou tanto sofrimento e lamentação?".

Mas suas perguntas ficaram sem resposta e, quando o Vento Mau passou,
"as pessoas estavam amontoadas em pilhas...
o silêncio cobriu Uruk como se fosse uma capa".

Como nos conta o Lamento de Eridu, Ninki fugiu de sua cidade para procurar abrigo na África:

"Ninki, sua grande senhora, voando como um pássaro, deixou sua cidade".

Enki, porém, só se afastou o suficiente para ficar fora do raio de ação do Vento Mau:

"O senhor ficou fora de sua cidade...
Pai Enki parou fora da cidade...
chorou lágrimas amargas diante do infortúnio de sua cidade ferida".

Vários de seus súditos o seguiram, e eles ficaram acampados nos arredores, de onde, por um dia e uma noite, assistiram a tempestade "pôr a mão" sobre Eridu."

"Quando a tempestade passou,
Enki foi inspecionar Eridu e encontrou uma cidade "afogada em silêncio...
os residentes empilhados em montes".

Os sobreviventes lamentaram:

"Ó Enki, tua cidade foi amaldiçoada, foi transformada em território desconhecido!".

Mas embora o Vento Mau tivesse passado, o lugar continuava inseguro, e Enki
"ficou fora de sua cidade como se ela fosse uma terra estrangeira".

Em seguida, "esquecendo-se da Casa de Eridu", Enki conduziu "os que tinham sido desalojados" para o deserto, na direção de uma "terra inimiga", onde usou seus conhecimentos científicos para tornar comestível a "árvore suja".

Marduk, da Babilónia, enviou uma mensagem urgente a seu pai, Enki, enquanto a nuvem da morte se aproximava de sua cidade.

"O que devo fazer?"

Enki aconselhou a todos que pudessem para deixar a cidade, mas tomando unicamente a direção norte.

Uma das instruções é idêntica à dada a Ló.

O povo da Babilónia não deveria "nem virar nem olhar para trás".

Além disso ninguém deveria levar nenhum tipo de comida e bebida, pois poderiam estar "tocadas pelo fantasma".

Se a fuga fosse impossível, deveriam procurar um abrigo subterrâneo:

"Sigam para uma câmara abaixo da terra, penetrem numa escuridão",
até o Vento Mau passar".

"O vagaroso avanço da tempestade
enganou alguns deuses, que pagaram caro por seu atraso na fuga.

Em Lagash, Bau, a consorte de Ninurta, hesitava em fugir de sua amada cidade.

"Mãe Bau chorava amargamente por seu templo."

A demora quase custou-lhe a vida:

Naquele dia, a senhora...
a tempestade a apanhou;
Bau, como se fosse mortal...
a tempestade a apanhou...

Pelas lamentações em relação a Ur, uma das quais composta pela própria deusa Ningal, sabemos que ela e Nannar/Sin recusaram-se a acreditar que o fim da cidade fosse inexorável.

Nannar fez um longo e emocionado apelo a seu pai, Enlil, procurando algum meio de evitar a calamidade.

Mas Enlil respondeu que o destino não poderia ser mudado:

A Ur foi concedida a realeza...
não lhe foi concedido um reino eterno."

SORTE E DESTINO TAR e NAN.TAR
Nesta passagem é que vemos essa questão de tbm os deuses serem submissos a uma Ordem que destina as coisas.

Essa guerra foi na transição de poder de Marduk e seu filho Nabu/Era do carneiro, contra os que resistiam do clã de Enlil/Era do touro; até seu irmão Nergal/Erra lutou contra Marduk, enquanto ele afirmava com confiança que no céu já se haviam apresentados sinais evidentes de sua legitimidade como deus da Babilônia.

Incrível que as "armas assustadoras" explodidas lá em Sodoma e Gomorra, foram bater em frente, lá longe, nas terras de Enlil, na Ur de Nannar-Sin, na cidade de Inanna e até provocou a morte da esposa de Ninurta metido nesta guerra com Nergal...),Bau; dos casamentos dos deuses,esse era tido como estável e dedicado, se amavam.

E Babilônia foi poupada, o "vento mau" não a alcançou!

A verdade estava com Marduk.
"Enquanto o apelo era feito,
diz o poema de Ningal, "a tempestade avançava, seu rugido cobria tudo".

O Vento Mau chegou a Ur durante o dia.

"Embora eu ainda trema por aquele dia, do fedor daquele dia não fugimos."

Ao chegar a noite, "um amargo lamento levantou-se de Ur", mas ainda assim o deus e a deusa continuaram na cidade:

"Do fedor daquela noite não fugimos".

Então a nuvem atingiu o grande zigurate, e Ningal se deu conta de que Nannar
"fora apanhado pela tempestade cruel".

O casal passou uma noite de pesadelo, que Ningal jurou jamais esquecer,
escondido na "casa do cupim" (uma câmara subterrânea) no interior do zigurate.

Somente no dia seguinte, "quando a tempestade foi carregada para fora da cidade", os dois partiram da cidade que tanto amavam."

"Enquanto eles saíam,
viram morte e desolação:

"Amontoados como cacos de cerâmica,
os habitantes enchiam as ruas;
perto dos grande portões,
onde antes o povo costumava passear, agora só havia cadáveres;

nas praças onde se faziam celebrações,
eles estavam espalhados;
em todas as ruas em que costumavam passear havia cadáveres;
nos locais onde antes havia festividades,
pessoas jaziam amontoadas".

Os mortos não foram enterrados:

"Os cadáveres, como gordura deixada ao sol,
derreteram-se por si mesmos".


"Então Nergal levantou a voz
no seu grande lamento por Ur,
a antes majestosa cidade, o principal centro sumério, a capital de um império:

Ó casa de Sin em Ur,
amarga é tua desolação...

Ó Ningal, cujas terras pereceram,
fazendo teu coração virar água.

A cidade tornou-se um lugar estranho,
como agora alguém pode existir?

A casa tornou-se uma casa de lágrimas
e faz meu coração virar água...

Ur e seus templos
foram entregues ao vento. "
"Todo o sul da Mesopotâmia estava liquidado.
As águas e o solo tinham sido envenenados pelo Vento Mau:

"Nas margens do Tigre e do Eufrates só crescem plantas doentias...
Nos pântanos nascem caniços doentes que logo apodrecem...
Nos pomares e jardins nada brota, tudo murcha rapidamente...
Os campos cultivados já não são mais arados, não se planta sementes,
não existem mais alegres canções nos campos".


Os animais da área rural foram dizimados:

"Na estepe, todo tipo de gado,
grande e pequeno,
todas as criaturas vivas pereceram".

Os animais domésticos também morreram:

"Os redis foram entregues ao vento...
o zumbido da batedeira já não ecoa no redil...
Os estábulos já não fornecem manteiga e queijo...
Ninurta levou embora o leite da Sumeria".

"A tempestade arrasou a terra, varreu tudo;
rugiu como um grande vento;
ninguém dela conseguiu escapar;

esvaziando as cidades,
esvaziando as casas...

Ninguém caminha pelas ruas,
ninguém procura as estradas."


A devastação da Suméria foi completa".


Isso tudo para ilustrar a importância das ERAS
Zodiacais, para os anunnaki.

Estamos em transição da Era de Peixes para a do Aquário...como foi a passagem da do Carneiro s para a de Peixes?

Há uma mudança significativa, coletivamente, a cada Era que dura +/- 2160 anos.

Como se um novo ME fosse ativado e desce um UP no game, e coletivamente os processos de desenvolvimento estariam motivados, como veremos...
Desponta então a civilização suméria
“E o princípio de seu
reino foi Babel,
e Erech e Acade,
e Calné, na terra
de ‘Shinar’ ”

Gên 10:9
A ERA LEÃO/AQUÁRIO
Foi a pós dilúvio, entre 10/11 mil anos atrás.
A Terra físicamente muda de forma e a humanidade de rumo.

Na Idade de touro: Enlil, “Senhor do espaço” e seu clã,ocorreu a fundação de Nippur/

4000 a..C.
O clã do Deus EN-LIL/Fundação de Nippur- em sumério Ni.Ibru – “morada da passagem”, era o centro científico e religioso da Suméria, local do Dur.An.Ki: ligação céu-terra
-Dinastias egípcias; o cuidado com os mortos

4500 a.C.
Regressão - Desaceleração
- simplificação da cerâmica
- utensílios de pedra predominantes
- empobrecimento da cultura

3000-3800 a.C.
-Começo da Civilização Suméria em Eridu

3761 a.C.-Início da contagem do calendário judaico
3100 a.C.-Consolidação do alto e baixo Egito
Idade de Áries: Marduk,
“Filho do Monte/Lugar Puro”; ascensão da Babilônia

O clã do Deus Marduk/ascensão da Babilônia
-Adoração do carneiro pelas tribos

2800 a.C. Construção de Stonehenge

747-353 a.C.
-Pitágoras, Sócrates, Platão, Aristóteles
- Buda
- Lao-tsé
- Primórdios do calendário maia (Tzolki’n
Idade de peixes (e aquário) : Ea-Enki
Era de Peixes
1d.C

Corresponde ao Deus EA “Aquele cujo lar é a água”/ENKI “Senhor da Terra”

Início da Era Cristã
A.D.- Jesus o Cristo

-Alteração no calendário
1582 d.C. Início do calendário gregoriano
1752 - adotado na Grã-Bretanha
1923 - adotado na Grécia
1918 - adotado na Rússia
Era Espacial
1973 - Lançamento da Pioneer
2006 - Mapeamento de Marte
"O calendário [conexão humanidade
com fator tempo]

foi alterado inúmeras vezes e os deuses instalaram observatórios em várias partes, seja nos Andes, no México ou Mesopotâmia.

Uma humanidade que conta seu tempo irreal,
condicionado a outro fator tempo, que é o 12:60 dos anunnaki,
e não ao próprio, está vivendo de forma adulterada.

Os ciclos lunares(Lua nova/cheia) e os solares(ingresso do Sol nosnas casas zodiacais), assim como solstícios e equinócios é que demarcavam o tempo, as estações eram de vital importância.

E os calendários seguiam esses eventos.

O cal Gregoriano é parecido com nada...não há conexão com algo celestial, de fato.

FONTE: ÉPICO DE ERRA, contribuição Junia, comunidade do Orkut Annunaki


CONSPIRAÇÃO: AMAZÔNIA - Galeano previa em 1976 tomada pelos EUA...

CONSPIRAÇÃO: AMAZÔNIA - Galeano previa em 1976 tomada pelos EUA...: "AMAZÔNIA - Galeano previa em 1976 tomada pelos EUA Por Nelson 02/08/2003 às 07:50 Veja como, há 27 anos, Galeano já denunciava a expansão..."

CONSPIRAÇÃO: VIMANAS 'AS AERONAVES DA ÍNDIA ANTIGA'

CONSPIRAÇÃO: VIMANAS 'AS AERONAVES DA ÍNDIA ANTIGA': "Vimanas O Império Rama existiu a pelo menos 15.000 anos atrás,no norte da Índia. Aparentemente,existiu paralelo à civi..."

sábado, 23 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: OS CANAIS DE MARTE “the canals of Mars”

CONSPIRAÇÃO: OS CANAIS DE MARTE “the canals of Mars”: "Em 1854 , William Whewell , um membro da universidade de Trinity College , Cambridge , quem popularizou a palavra cientista , [2..."

CONSPIRAÇÃO: A HERANÇA DE ATLÂNTIDA

CONSPIRAÇÃO: A HERANÇA DE ATLÂNTIDA: "A HERANÇA DE ATLÂNTIDA !! A Atlântida foi uma civilização situada num tempo muito anterior às eras históricas que vocês conhecem. Ela tomou ..."

CONSPIRAÇÃO: A HISTÓRIA OCULTA DA HUMANIDADE [ANCIENT X]

CONSPIRAÇÃO: A HISTÓRIA OCULTA DA HUMANIDADE [ANCIENT X]: "Os sumérios descreviam nosso sistema solar como um conjunto de 12 corpos celestes significativos. Na linguagem zodiacal, estes astros são to..."

CONSPIRAÇÃO: ALIENÍGENAS HERMAFRODITAS

CONSPIRAÇÃO: ALIENÍGENAS HERMAFRODITAS: "Ídolo de cobre do ano 1.200 antes de Cristo. Trata-se, evidentemente de uma divindade fálica encontrada no santuário de Timna. Supõe-s..."

CONSPIRAÇÃO: Ex-sacerdote católico fala sobre Deuses e Extrater...

CONSPIRAÇÃO: Ex-sacerdote católico fala sobre Deuses e Extrater...: "Salvador Freixedo Ex-sacerdote católico español (Galicia, 1923), perteneciente a la Orden de los Jesuitas durante 30 años, hizo estudi..."

O "MARAVILHOSO DESÍGNIO" DE HAWKING: UMA PERIGOSA ARMADILHA PARA A HUMANIDADE




O MARAVILHOSO DESÍGNIO



Diz Hawking: “O livro foi escrito para objetivamente esclarecer duas questões. De onde veio o Universo e porque são as leis do universo tão bem dirigidas para permitir nossa existência.”

Lendo-se as críticas de especialistas que já leram o livro  prontamente se constata o esperado: não são apresentadas as evidências que provariam suas teorias. Claro, em se tratando de Ciências, a ultima prova seria trazer o Universo para a mesa de testes experimentais ou então embarcar os leigos numa máquina do tempo e levá-los para o “antes” do Big Bang de onde assistiriam de camarote  o desenrolar de 13,7 bilhões de anos provando como o Universo, nós, e a nossa consciência, pipocaram para a existência…

Portanto o Universo de Hawking pode ou não ser o real, de onde se deduz que o significado inteligível ou não, o sentido ou não-sentido das existências do Universo, da Vida, e as que mais nos interessam, do ser humano e da auto-consciência, continua sendo um enigma. A Física de Hawking tanto pode tê-lo aproximado da Verdade Ultima como pode tê-lo desviado para o reino da Metafísica. Ninguém tem provas-fatos para afirmar coisa alguma.
Mas o conteúdo do livro torna-se forte evidência para outra teoria: a de que LUCA – the Last Universal Commom Ancestor – o deflagrador da biosfera e da vida na Terra, cuja genética se transmitiu para os seres vivos e modelou nosso ambiente natural ( de cuja ideologia  dominada pela meta de se tornar o extremamente egoísta sistema fechado em si mesmo em eterno equilibrio termodinâmico, nós herdamos o “gene egoísta”), continua dominando nossa psicologia e dirigindo-nos sutilmente para seus desígnios.

O mesmo LUCA ancestral hermafrodita que o  autor da Gênese na Biblia extraiu de sua memória genética e descreveu na forma da fábula de Adão e Eva no Paraíso, ( ou algum extra-terrerstre soprou no ouvido dêle), está usando o cérebro eletro-mecânico com  seu próprio complexo sensorial constituido de sensores mecânicos os quais discriminam  e selecionam mecanicistamente as informações naturais. O computador que domina e dirige o corpo e os sentidos avariados de Hawking, e através das simulações na tela manipula a sua mente, para conduzir a Humanidade a ser a principal peça na sua reprodução terrestre como sistema fechado em si mesmo, implantando a colméia do Admirável Mundo Novo onde a rainha Eva na forma da Serpente se instala como uma orwelliana Grande Mother, ameaça a atual embrionária auto-consciência universal que está sendo gestada dentro dos ovos-cabeças humanas, perde sua liberdade e evolução, aprisionada para sempre, ou até que nova Queda entrópica recomece tudo de novo. O Universo não pode reagir devido sua inscipiente e baby auto-consciência aqui, mas talvez os pais do Universo percebam o que está ocorrendo no seu estado de gravidez e intervenha com a medicina corretora apropriada.

Como Godel concluiu de seu famoso teorema, é impossível a alguem conhecer a verdade de um sistema estando dentro dêle. Simples: se eu estou dentro sou uma das partes e nenhuma parte pode ver  e conhecer o todo se não se situar num ponto temporo-espacial fora dele. Mas óbviamente Hawking não tem consciência que não está se comportando como Cientista e Físico, e sim como metafísico. Porque para ludibriar a verdadeira física do mundo alem do universo ( a qual tambem não conhecemos óbviamente, mas que a presença da entropia e da morte entre nós fortemente indica, é contrária à meta suprema dos super-egocêntricos sistemas fechados),  o selfish gene produz as alucinações metafísicas, deístas e ateístas.

Apesar desta outra teoria indicar a causa geradora dos universos como sendo um simples e natural sistema que gera universos através de um processo genético-quase-computacional, não nos deixamos iludir e continuamos testando-a contra fatos naturais, mas por ora ficamos com ela ao invés da metafísica de Hawking por que ela reune maior numero de evidências concretas. E talvez, quem sabe… esta teoria já seja as primeiras providências medicinais inoculadas em nossa psicologia pelos geradores de universos.  Se queres conhecer nossas teses de como LUCA agarrou Hawking e ver o outro lado da História impossível de ser traduzida pela linguagem matemática e impossível de ser percebida pela ilógica fria da Física, dê uma olhada apenas nas imagens desta desconhecida teoria:


15 FRASES DE HAWKING



1 – Q.I. versus inteligência

“Pessoas que se vangloriam de seus Q.I.s são perdedoras”.


2 – Sobre barulho

“Pessoas quietas têm as mentes mais barulhentas”.


3 – Mudança

“Inteligência é a habilidade de se adaptar às mudanças”.


4 – Imperfeição

“Da próxima vez que alguém reclamar que você cometeu um erro, diga a essa pessoa que talvez isso seja uma boa coisa, porque sem imperfeição nem você nem eu existiríamos”.


5 – Sobre a esclerose

“É uma perda de tempo ficar irritado com a minha deficiência. As pessoas não vão ter tempo para você se você está sempre irritado ou reclamando”.


6 – Unanimidade

“Tenho reparado que mesmo aqueles que afirmam que tudo está predestinado e que não podemos mudar nada a respeito disso continuam olhando para os dois lados antes de atravessar a rua”.


7 – Deus e buracos negros

“Considerando o que os buracos negros sugerem, Deus não apenas joga dados, ele às vezes nos confunde jogando-os onde ninguém consegue ver”.


8 – Sobre a humanidade

“Durante milhões de anos, a humanidade viveu exatamente como os animais. Então aconteceu alguma coisa que desencadeou o poder da nossa imaginação. Nós aprendemos a falar e aprendemos a ouvir”.

9 – Suas definições de “simples” foram atualizadas

“Meu objetivo é simples. É a compreensão completa do Universo, por que ele é assim e por que existe de uma maneira geral”.


10 – Direção

“Lembre-se de olhar para o alto, para as estrelas, e não para baixo, para os seus pés”.


11 – Expectativas

“Minhas expectativas foram reduzidas a zero quando eu tinha 21. Tudo, desde então, tem sido um bônus”.


12 – Liberdade

“Apesar de eu não poder me movimentar e ter que falar através de um computador, em minha mente sou livre”.


13 – Sobre a ordem das coisas

“Toda a história da Ciência tem sido a percepção gradual de que eventos não acontecem de uma maneira arbitrária, mas que refletem uma ordem básica, que pode ou não ser divinamente inspirada”.


14 – Há esperança

“Não importa o quão ruim a vida possa ser, há sempre alguma coisa que você pode fazer e ter sucesso. Enquanto há vida, há esperança”.


15 – A humanidade e o Universo


“Nós somos apenas uma espécie avançada de macacos em um planeta pequeno de uma estrela mediana. Mas nós conseguimos entender o Universo. Isso nos torna muito especiais”.


Este artigo foi inspirado em artigo publicado no link:


UMA GALÁXIA ALÉM DESTE MUNDO


Imagem do Spitzer da NASA sobre galáxia além deste mundo

quarta-feira, julho | 29 | 2009
spitzer20090723-640-nasa-july-23-20009.jpg

Esta foto, foi recentemente divulgada pela NASA, e vejamos como foi interpretada sob a visão da Teoria da Matriz/DNA:

É  mais um reforço a favor dos modelos desta teoria. Porém, à primeira vista (não tive ainda tempo de analisar a foto devidamente), temos uma controvérsia nas interpretações com o pessoal da NASA que se baseiam na Teoria Nebular. Eles sugerem que os corpos luminosos em volta do nucleo sejam estrelas; nossos modelos sugerem que sejam germes de estrelas, ou seja, as esferas recem abortadas do buraco branco que se dirigirão pasra o horizonte de eventos onde terão de passar por um cinturão de poeira e debris estelar, a qual vai se agregar à esfera e constituir-se na placenta, ou seja, nas camadas sólidas de rochas que mais tarde vão se tornar as camadas geológicas, quando então o astro será um planeta. Depois disso tornar-se-à um pulsar e só então desabrochará como uma estrela, uma supernova. Mas… imagine uma forma de vida inteligente não feita de carbono quando observasse de longe a superficie da Terra e de muito longe detectasse os animais. Para eles tanto gatos como hipopótamos como seres humanos seria tudo a mesma coisa, digamos “vladzolim”. Se não são capazes de distinguir um rinoceronte de um macaco, muito menos poderiam  diferenciar dois individuos da mesma espécie – um baby e um adulto. Pois isto está ocorrendo com os analistas da NASA: a esta distancia tudo é estrela, tanto os bebês quanto as  gigantes supernovas. A não ser que nossos modelos estejam errados, possibilidade que não pode deixar de ser considerada.


     . Também diferimos quanto ao nome a ser dado àquele objeto central, e quanto à teoria do processo de sua formação. Enquanto eles denominam-no “buraco negro” e arrolam uma grande dissertação teórica sobre o processo e o significado de buracos negros, nós preferimos denomina-lo “buraco branco” e arrolamos uma dissertação teórica bastante diferente. Por enquanto nem eu nem eles temos dados concretos para provar e desacreditar nenhum dos dois modelos. De qualquer maneira, estamos  comemorando mais este grande feito da NASA, agradecendo pelo fornecimento de mais um dado real, que é o alimento que continua mantendo viva e crescendo a Teoria da Matriz/DNA! (Ufa! Passamos por mais este duro teste…)


http://www.jpl.nasa.gov/news/news.cfm?release=2009-114


NASA’s Spitzer Images Out-of-This-World Galaxy
July 23, 2009

Tradução de alguns trechos do texto da NASA:

O Spitzer Telescope obteve a imagem de uma estranha criatura da escuridão: uma galaxia fria com um objeto no seu centro parecido com um olho. A galaxia, denominada NGC1097, tem a forma de espiral com longos braços de estrelas. O “olho” no centro da galaxia é certamente um monstruoso buraco negro, circundado por um anel de estrelas. Nesta visão infra-vermelha colorida do Spitzer, a area em volta do invisivel buraco negro é azul e o anel de estrelas, branco.
O buraco negro está sendo alimentado de gás e poeira e de vez em quando por uma ocasional estrela.


( Meu comentário: não consigo digerir isto! Alguém, olhando para o céu estrelado, já viu alguma cena de violência lá?! Choques de astros, explosões, etc., esta mania de transferir mentalmente para os reinos distantes e ainda desconhecidos os valores humanos criados nesta vida sob uma biosfera violenta e caótica… ora, eu olho para o céu e vejo um estado de ordem, não de caos. Realmente quem fez os modelos da Teoria Nebular sequer imaginou a cena de uma estrela sendo devorada por um elemento gigante invisivel?! Para começar, qualquer evento no Cosmos toma milhões, bilhões de anos e com nosso tempinho de existência jamais veríamos um movimento sequer desta cena. Então porque imaginar que ela acontece, quando vai contra a realidade que estamos vendo?!
Estou avisando: a ASTRONOMIA está cometendo o mesmo êrro que a Biologia cometeu no ultimo seculo, êrro tão grave que hoje faz a comunidade cientifica ter que se levantar em cuidados e protestos para que a fúria publica não tire a Teoria da Evolução das escolas. Assim como a Teoria da Evolução tal como está, ainda nos seus primórdios e incompleta, incapaz de explicar muito e preencher enormes lacunas, a Teoria Nebular também está engatinhando, e por palavras bombásticas e de efeito sobre babies recem-nascidos criando uma expectativa que eles quando crescerem não vão poder corresponder é um prejuízo à Ciência. )

Eu não concordo com o comentário acima, assim na Terra como no Céu, eu acredito na Teoria dos Universos Filhos e não acredito na teoria da evolução, e tenho convicção que ela nunca explicará o salto e o elo que nos separa dos primatas. 

CONSPIRAÇÃO: O ASSASSINATO DO PAPA PELA LOJA P2 DA MAÇONARIA

CONSPIRAÇÃO: O ASSASSINATO DO PAPA PELA LOJA P2 DA MAÇONARIA: "A eleição havia terminado e a fumaça subia pela chaminé. O novo Papa estava escolhido e, para surpresa dos radicais e conservadores da Igre..."

sexta-feira, 22 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: PROVAS DA EXISTÊNCIA DE CIVILIZAÇÕES EXTRATERRESTR...

CONSPIRAÇÃO: PROVAS DA EXISTÊNCIA DE CIVILIZAÇÕES EXTRATERRESTR...: "O Disclosure Project é uma iniciativa que surgiu da reunião de mais de 400 testemunhas idôneas, sendo várias dezenas de profissionais de Int..."

CONSPIRAÇÃO: O Vaticano e as Sociedades Secretas

CONSPIRAÇÃO: O Vaticano e as Sociedades Secretas: "O plano dos Mestres dos Illuminati, os criadores e principais promotores do Plano da Nova Ordem Mundial é infiltrar o Vaticano e fazer c..."

CONSPIRAÇÃO: ARMAS SILENCIOSAS TM-SW7905.PROJETO

CONSPIRAÇÃO: ARMAS SILENCIOSAS TM-SW7905.PROJETO: "« Armas silenciosas para guerras tranquilas » Operations Research ,Technical manual TM-SW7905.1 ( pesquisa de operações, manual técnic..."

terça-feira, 12 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: OS DOGONS SÃO DESCENDENTES DOS EGÍPCIOS

CONSPIRAÇÃO: OS DOGONS SÃO DESCENDENTES DOS EGÍPCIOS: "O pesquisador americano Robert K. G. Temple, especialista em sânscrito da Universidade da Pensilvânia, em Filadélfìa, publicou um livro t..."

domingo, 10 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: A GRANDE CONSPIRAÇÃO UNIVERSAL

CONSPIRAÇÃO: A GRANDE CONSPIRAÇÃO UNIVERSAL: "Extratos de ma carta escrita por Winston Serafian e a resposta de George Andrew, publicados na Revista “Contact ÓVNI”, 18, de abril/maio/j..."

sábado, 9 de abril de 2011

AS ESFERAS DE KLERKSDORP "wonderstone"





Extrato da carta do Sr. Hund:

   A existência da esfera chamou minha atenção por volta 1977 enquanto eu removia perigosamente gravações em rochas do lugar de pirofilita ou "wonderstone" (pedra-maravilha), como é comumente conhecida na região, é minerada na fazenda Gestoptefontein (que significa fonte tampada) perto da pequena aldeia de Ottosdal uns 110 km de Klerksdorp, na Província de Noroeste da África do Sul.

 Fiquei intrigado pela forma das esferas, entalha em torno do meio e o fato de que eram tão duras quanto aço, enquanto o material (pirofilita) no qual foram achadas, é tão mole quanto pedra calcárea na contagem de só 3 na balança de Moh. Como você provavelmente sabe, pirofilita (Al2 Si4 O10 (OH)2) é um mineral secundário e os depósitos foram formados por um processo de sedimentação. A atividade vulcânica de Gestoptefontein foi responsável pela formação que aflorou, cuja altura varia entre 10 a 100 metros. A superfície lisa e relativamente suave nos declives eram ideais para os habitantes pré-históricos (San) fazer suas gravuras de animais e desenhos abstratos.

 Em Gestoptefontein esses afloramentos foram "serrados" em enormes pedaços por meio de cabos de aço trançados em zigue-zague em polias para vários quilômetros. Estes blocos eram então serrados pelo mesmo método em pedaços mais manejáveis de cerca de 500 x 500 mm., quando então ocasionalmente o "cabo da serra"  ficava cravado de esferas de metal misturadas na pirofilita.

  De acordo com Professor Andries Bisschoff da Universidade de Potchefstroom (se aposentou alguns anos atrás) elas são solidificação de limonita. Devido à relativa escassez das esferas e a quase impossibilidade dos estranhos em obter amostras da mina, suas conclusões  não foram verificadas por outros cientistas.

  É muito estranho que os entalhes redondos sempre estejam bem centro. O Sr. Credo Mutwa, um notório curandeiro bruxo da cidade de Soweto, foi levado ao museu por uma equipe de TV, alguns anos atrás, e ele, assim como alguns arqueólogos amadores, acreditaram que as esferas vieram do espaço exterior. Também é difícil para mim acreditar em suas teorias. A esfera original exibida neste museu foi roubada por um sangoma branco (curandeiro) - não o sr. Mutwa, pois suas qualidades supostamente mágicas nunca foram resgatadas.

 Choveram investigações de quase todas as partes do mundo sobre este fenômeno, incluindo Canadá, Suécia, Dinamarca, Alemanha, Inglaterra, EUA, Noruega, França e Botswana. Vários institutos na Europa e nos EUA também se lançaram nas investigações.  
Pelo menos 200 esferas manufaturadas foram extraídas numa escavação profunda em uma rocha em numa mina de prata de Wonderstone, África do Sul, com uma média de 1 a  4  polegada de diâmetro. São compostas  de uma liga de níquel-aço que não ocorre naturalmente. Algumas têm uma fina casca de cerca de ¼ de polegada de espessura, e quando quebradas dentro se encontra um estranho material esponjoso que se desintegra em pó em contato com o ar. Essas esferas, têm intrigado os pesquisadores da NASA.
O primeiro é o fato das esferas com um pouco mais de uma polegada de diametro serem feitas de uma liga de níquel-aço que não ocorreria naturalmente na natureza e o segundo fato é fato delas terem sido feitas a pelo menos 3 bilhôes de anos . (o homem teria surgido a mais ou menos 130 milhões de anos atráz) . Quando quebradas , as esferas possuem em seu interior um substância esponjosa que se desfaz totalmente em contato com o ar .
Para um cientista da Nasa , pelas caracteristicas das esferas , elas só poderiam ter sido feitas em local de gravidade zero .

CONSPIRAÇÃO: A ORIGEM DA HUMANIDADE E OS NEFILINS Zecharia Sitc...

CONSPIRAÇÃO: A ORIGEM DA HUMANIDADE E OS NEFILINS Zecharia Sitc...: "Mergulhada na ignorância, a humanidade não conhece à bilionésima fração da verdade sobre a sua origem. O objetivo dessa página é revel..."

CONSPIRAÇÃO: Drogas, Intoxicação e Morte da Juventude e princip...

CONSPIRAÇÃO: Drogas, Intoxicação e Morte da Juventude e princip...: "Se esta denuncia é verdadeira – não sei porque M.W.Cooper haveria de ser tão infame assim de levantar calúnias tão graves ou também por q..."

quarta-feira, 6 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: Os Anunnaki, em sua Colina Sagrada.Anu, Enlil, Enk...

CONSPIRAÇÃO: Os Anunnaki, em sua Colina Sagrada.Anu, Enlil, Enk...: "A última parte do texto Atra-Hasis, um grande trecho do Épico de Gilgamesh e outros textos da Mesopotâmia descrevem minuciosa..."

segunda-feira, 4 de abril de 2011

CONSPIRAÇÃO: A História do Mundo de Bérose

CONSPIRAÇÃO: A História do Mundo de Bérose: "Biblioteca de Alexandria O imenso arquivo de livros considerados 'perigosos', como as obras de Bérose que relatavam seus encontros com..."