Google+ Badge

sábado, 29 de janeiro de 2011

BASE DE ALCÂNTARA PODE SER ENTREGUE PELO GOVERNO GOLPISTA PARA OS EUA (CRIME LESA PÁTRIA)


SENADO BRASILEIRO JÁ SE NEGOU UMA VEZ A RATIFICAR O ACORDO SALVAGUARDAS TECNOLÓGICAS BRASIL-EUA (ACIDENTE OU SABOTAGEM NA BASE DE ALCÂNTARA?) ÁREAS EM ALCÂNTARA FICARIAM SOB CONTROLE EXCLUSIVO DOS EUA)   

video



“A Abin (Agência Brasileira de Inteligência) investiga a possibilidade de espionagem e até mesmo risco de sabotagem no programa brasileiro e ucraniano de lançamento de foguetes. Recentemente, a agência elaborou relatório reservado, ao qual a Folha teve acesso, sobre equipamentos de telemetria (que podem captar, enviar e processar dados à distância) instalados em bóias apreendidas em praias que cercam o CLA (Centro de Lançamentos de Alcântara, Maranhão), no dia 11 de outubro do ano passado. É a terceira vez que a agência encontra o mesmo tipo de aparelho nos arredores de Alcântara.
Abin
ma das bóias apreendidas perto de Alcântara;  nelas estavam equipamentos de telemetria,  que podem captar e enviar dados


Uma das bóias apreendidas perto de Alcântara; nelas estavam equipamentos de telemetria, que podem captar e enviar dados
Essas bóias são utilizadas para pesca em alto-mar, na localização de cardumes, mas têm capacidade de interferir nos codigos de navegação dos foguetes se para isso forem programadas, de acordo com a Abin. O equipamento foi submetido à análise do Instituto de Pesquisas da Marinha, no Rio.


A hipótese de que o equipamento pode ter sido utilizado para interferir nas comunicações entre os foguetes e a base de Alcântara não foi descartada.
Os técnicos do instituto também ressaltaram o fato de Alcântara estar muito distante das rotas de pesca em alto-mar. Eles trabalham agora numa perícia mais aprofundada.”
A matéria da FSP cita trechos do relatório acessado: 


“A agência tem monitorado o aparecimento de bóias em intervalos de dois em dois anos, nas praias do CLA. Elas são acionadas por controle remoto via satélite e têm capacidade de enviar, transmitir e medir frequência, além de possuírem espaço suficiente para abrigarem corpos estranhos; estão equipadas com bateria de longa duração e painel solar”.


Há de se estranhar a presença dessas bóias no local porque a região não tem indústria pesqueira, não está na rota de barcos que as utilizem para tal, elas não se deslocam para muito distante de onde são colocadas e, no entanto, só são encontradas nas praias próxima ao CLA, apesar dos quilômetros de praias existentes no Maranhão”, continua o documento.

Segundo a matéria da FSP, até hoje, nenhuma empresa no Brasil ou no RESTO DO MUNDO  reclamou os equipamentos encontrados pela Abin.

“Caso isso ocorresse” referindo-se à interferência na telemetria dos foguetes, “não seriam prejudicados apenas os eventuais lançamentos a partir de Alcântara, mas também se colocaria em risco a execução de operações de rastreio de veículos espaciais estrangeiros – serviço prestado pelos centros de lançamento de Alcântara/MA e Barreira do Inferno/RN”, continua o relatório.

A matéria da FSP dá mais detalhes:

“As bóias encontradas em outubro são de dois fabricantes diferentes, um espanhol e outro japonês. O modo de transmissão de dados do primeiro é via satélite. O do segundo, por ondas VHF e/ou UHF. Agentes da Abin envolvidos na investigação ressaltam que, em casos de espionagem, é comum a adaptação de aparelhos normalmente empregados em outras finalidades para camuflar a ação clandestina.

O CLA é um dos locais em que a Abin promove um trabalho preventivo de proteção do conhecimento nacional. A agência tem adotado medidas, em conjunto com dirigentes de centros de pesquisa, empresas estatais e até mesmo em companhias privadas, para tentar impedir que tecnologias desenvolvidas no país sejam alvo de espionagem ou sabotagem.


Além das bóias de pesca, a Abin levanta suspeitas também sobre a presença de muitos estrangeiros na região do CLA, uma área pobre, com pouca atividade e infraestrutura turística. Em 2006, o Grupo de Trabalho da Amazônia, coordenado pela Abin, produziu um relatório que abordou o tema.

O documento informa que, segundo fontes da polícia estadual do Maranhão, havia 116 estrangeiros no dia 15 de maio daquele ano em Alcântara, quando membros do GTA visitaram a base de lançamentos.”

O relatório da ABIN levanta outra situação apurada:

“Não foi possível saber quais as atividades que desenvolviam, tendo em vista que não haveria atividade no Centro de Lançamentos. Os altos índices de exclusão social presentes na cidade de Alcântara deixam a comunidade que ali reside exposta e fragilizada a tentativas de aliciamento e recrutamento por parte de ONGs e agentes a serviço de países que muito teriam a perder com os sucessos dos lançamentos da Base de Alcântara”.

A matéria jornalística enfatiza a suspeita de sabotagem, tomando o imenso cuidado de não citar especificamente a explosão do Veículo Lançador de Satélites, VLS, que vitimou vinte e dois dos principais cientistas e técnicos brasileiros envolvidos no projeto:

“A Abin ainda não conseguiu esclarecer se os aparelhos instalados nas bóias estavam em operação durante lançamentos feitos da base de Alcântara.

No dia 19 de julho de 2007, por exemplo, período intermediário entre duas apreensões (2006 e 2008) dos equipamentos, o CLA lançou o foguete VSB-30. O teste foi parcialmente bem-sucedido. O foguete percorreu o trajeto estipulado e o chamado módulo útil pousou no mar, mas o equipamento não foi encontrado após o lançamento, como previsto.”

Segundo a mesma matéria, na época, o CLA informou que, “durante a queda, houve oscilações no sinal de telemetria, o que dificultou o resgate do módulo após o lançamento”.

A partir do incidente da explosão do VLS o governo Lula decidiu pela construção de uma parceria estratégica com a Ucrânia, tendo sido criada a empresa binacional brasileiro-ucraniana denominada “Alcantara Cyclone Space”, cuja presidência foi entregue ao ex-ministro de Ciência e Tecnologia Roberto Amaral, ligado aos quadros do Partido Socialista Brasileiro, PSB, da base governista. Esta empresa trabalha em dobradinha com outra empresa que agrupa os remanescentes do projeto do VLS anterior, formada em sua maior parte por oficiais militares oriundos do Instituto Tecnológico da Aeronáutica, ITA, sediado em São José dos Campos, SP.

Mas a pergunta precisa ser respondida: quem teria o interesse de sabotar a busca brasileira de autonomia tecnológica? Qual é o país que tem tecnologia e estrutura voltada para tal? É bom que saibamos as respostas, pois quem tem tais atitudes não pode estar sendo sincero quando promete transferir tecnologias que irão permitir a autonomia de um país que busca ser soberano.


Wikileaks confirma objeção dos EUA a Alcântara

“EUA tentaram impedir programa brasileiro de foguetes, revela WikiLeaks
José Meirelles Passos

RIO – Ainda que o Senado brasileiro venha a ratificar o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas EUA-Brasil (TSA, na sigla em inglês), o governo dos Estados Unidos não quer que o Brasil tenha um programa próprio de produção de foguetes espaciais. Por isso, além de não apoiar o desenvolvimento desses veículos, as autoridades americanas pressionam parceiros do país nessa área – como a Ucrânia – a não transferir tecnologia do setor aos cientistas brasileiros.

A restrição dos EUA está registrada claramente em telegrama que o Departamento de Estado enviou à embaixada americana em Brasília, em janeiro de 2009 – revelado agora pelo WikiLeaks ao GLOBO. O documento contém uma resposta a um apelo feito pela embaixada da Ucrânia, no Brasil, para que os EUA reconsiderassem a sua negativa de apoiar a parceria Ucrânia-Brasil, para atividades na Base de Alcântara no Maranhão, e permitissem que firmas americanas de satélite pudessem usar aquela plataforma de lançamentos.


Além de ressaltar que o custo seria 30% mais barato, devido à localização geográfica de Alcântara, os ucranianos apresentaram uma justificativa política: 


“O seu principal argumento era o de que se os EUA não derem tal passo, os russos preencheriam o vácuo e se tornariam os parceiros principais do Brasil em cooperação espacial” – ressalta o telegrama que a embaixada enviara a Washington.

A resposta americana foi clara. A missão em Brasília deveria comunicar ao embaixador ucraniano, Volodymyr Lakomov, que “embora os EUA estejam preparados para apoiar o projeto conjunto ucraniano-brasileiro, uma vez que o TSA (acordo de salvaguardas Brasil-EUA) entre em vigor, não apoiamos o programa nativo dos veículos de lançamento espacial do Brasil”. Mais adiante, um alerta: “Queremos lembrar às autoridades ucranianas que os EUA não se opõem ao estabelecimento de uma plataforma de lançamentos em Alcântara, contanto que tal atividade não resulte na transferência de tecnologias de foguetes ao Brasil”.

O Senado brasileiro se nega a ratificar o TSA, assinado entre EUA e Brasil em abril de 2000, porque as salvaguardas incluem concessão de áreas, em Alcântara, que ficariam sob controle direto e exclusivo dos EUA. Além disso, permitiriam inspeções americanas à base de lançamentos sem prévio aviso ao Brasil. Os ucranianos se ofereceram, em 2008, para convencer os senadores brasileiros a aprovarem o acordo, mas os EUA dispensaram tal ajuda.



Os EUA não permitem o lançamento de satélites americanos desde Alcântara, ou fabricados por outros países mas que contenham componentes americanos, “devido à nossa política, de longa data, de não encorajar o programa de foguetes espaciais do Brasil”, diz outro documento confidencial.


Viagem de astronauta brasileiro é ironizada


Sob o título “Pegando Carona no Espaço”, um outro telegrama descreve com menosprezo o voo do primeiro astronauta brasileiro, Marcos Cesar Pontes, à Estação Espacial Internacional levado por uma nave russa ao preço de US$ 10,5 milhões – enquanto um cientista americano, Gregory Olsen, pagara à Rússia US$ 20 milhões por uma viagem idêntica.



A embaixada definiu o voo de Pontes como um gesto da Rússia, no sentido de obter em troca a possibilidade de lançar satélites desde Alcântara. E, também, como uma jogada política visando a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Num ano eleitoral, em que o presidente Lula sob e desce nas pesquisas, não é difícil imaginar a quem esse golpe publicitário deve beneficiar.
Essa pode ser a palavra final numa missão que, no final das contas, pode ser, meramente ‘um pequeno passo’ para o Brasil” – diz o comentário da embaixada dos EUA, numa alusão jocosa à célebre frase de Neil Armstrong, o primeiro astronauta a pisar na Lua, dizendo que seu feito se tratava de um pequeno passo para um homem, mas um salto gigantesco para a Humanidade.
FONTE: 

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2011/01/25/eua-tentaram-impedir-programa-brasileiro-de-foguetes-revela-wikileaks-923601726.asp

.
.
O terceiro protótipo do Veículo Lançador de Satélites (VLS) , explodiu na rampa de lançamento e matou 21 pessoas. 



Todos os mortos eram técnicos civis do Centro de Tecnologia da Aeronáutica.

No total, cerca de 700 pessoas trabalhavam na operação de lançamento do VLS-1, entro de Lançamento.
De acordo com o Comando da Aeronáutica, o acidente aconteceu às 13h30. 

Primeiro país da América Latina a lançar foguete
Com o lançamento, o Brasil se tornaria o primeiro país da América Latina a enviar um foguete de fabricação própria para o espaço a partir de uma base construída perto da linha do Equador e planejada décadas atrás, durante o regime militar. A base de lançamento de Alcântara, no Maranhão, e seus cerca de 800 cientistas e militares corriam contra o relógio para concluir a montagem do foguete de 20 metros de altura.

O governo militar planejou, originalmente, levar o país à corrida espacial nos anos 1970. O primeiro passo foi a desapropriação de um terreno de 62 mil hectares nas proximidades da cidade de Alcântara, onde foram construídas as instalações de lançamento.

Até agora, no entanto, os cientistas e militares brasileiros não conseguiram realizar seu sonho, quase 25 anos e centenas de milhões de dólares depois. Em 1997 e em 1999, os foguetes lançados se destruíram pouco depois da decolagem devido a problemas técnicos.

Desta vez, porém, na base de Alcântara, havia uma determinação renovada para garantir o sucesso da empreitada. Ribeiro, que trabalha vestido com uniforme militar e dirigiu as tentativas de lançamento de 1997 e 1999, se dizia confiante no fato de os problemas anteriores terem sido resolvidos. O major-brigadeiro não convidaria repórteres para acompanhar o lançamento.

Veículo de lançamento de satélite

Os funcionários do laboratório de Alcântara deram início à montagem do foguete (Veículo de Lançamento de Satélite, VLS) de US$ 6,5 milhões no dia 1º de julho, quando começaram a chegar os componentes enviados de São Paulo.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) montou dois pequenos satélites, que carregam equipamentos de posicionamento, um transmissor para comunicações e uma bateria.

Os satélites, guardados juntos em um compartimento, seriam lançados em uma órbita baixa da Terra (cerca de 750 quilômetros acima da superfície), menos de oito minutos depois do lançamento e quando o último estágio do foguete fosse descartado.

O sucesso do lançamento significaria uma grande vitória para o Brasil. Conforme autoridades, a base de Alcântara tem potencial para se tornar um dos maiores centros de lançamento de satélite do mundo.

A base é a mais próxima da linha do Equador já construída, o que permite aos foguetes levar menos combustível e cargas mais pesadas, já que se aproveitam das forças centrífugas do planeta. Em julho, o governo brasileiro assinou um acordo com a Ucrânia, prevendo que Alcântara será a base de lançamento dos foguetes Cyclone.

"Por razões de segurança, toda a investigação está sendo mantida em absoluto sigilo. A hipótese de sabotagem foi considerada remota, mas não inteiramente descarta pelo Ministro da Defesa, José Viegas."

"Investigações posteriores concluíram que a explosão, que consumiu as cerca de 40 toneladas de combustível sólido do foguete, foi causada pela ignição prematura de um dos motores do foguete, deflagrada por uma centelha elétrica."





O que poucos Sabem

É que este José Viegas era e é um embaixador. Ficou em 03/04 ( somente estes anos ) no Ministério de Defesa.
Na época se envolveu pessoalmente na avaliação do " acidente ".
Embaixador em ministério de defesa, aham...
O motivo da saida foi ridiculo também , este homem não tem perfil nem cartel para ser ligado a segurança/defesa.
Mas fazer o que .... que fique na Italia . 



ESTE VIDEO http://www.youtube.com/watch?v=JGCfMMLzI90&feature=player_embedded

Noticia da época
Os coronéis reformados Frederico Soares Castanho e Roberto Monteiro de Oliveira, membros da Associação dos Militares em Reserva do Paraná (Asmir-PR), apontam indícios veementes de sabotagem na explosão do Veículo Lançador de Satélites (VLS-1) no último dia 22 de agosto, no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).
.
Essa hipótese é levantada cada vez mais por especialistas, militares e políticos.
Militares expõem “indícios veementes” de sabotagem ao VLS
Os coronéis reformados Frederico Soares Castanho e Roberto Monteiro de Oliveira, membros da Associação dos Militares em Reserva do Paraná (Asmir-PR), apontam indícios veementes de sabotagem na explosão do Veículo Lançador de Satélites (VLS-1) no último dia 22 de agosto, no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).
.
Essa hipótese é levantada cada vez mais por especialistas, militares e políticos.
Já no mês de março os coronéis apresentaram documento em que apontavam “indícios veementes de sabotagem nos fracassos dos lançamentos dos protótipos VLS-V01 e V02”, ocorridos em 1997 e 1999, com a suspeita de ser o governo dos Estados Unidos o principal suspeito pelas falhas dos dois primeiros protótipos do VLS.
.
O primeiro lançamento aconteceu em 2 de novembro de 1997, com o objetivo de pôr em órbita um satélite de sensoriamento remoto do INPE e o segundo em 11 de dezembro de 1999, que colocaria em órbita o satélite Saci-2, também do INPE. As denúncias foram publicadas em artigo do jornal “O Imparcial”, do Maranhão.
.
Significativamente, a empresa privada norte-americana que foi contratada para fazer o revestimento no primeiro protótipo do VLS segurou o máximo a entrega.
.
Continua: http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2003/09/262569.shtml


Parte de outra matéria
Atualmente, a base de Alcântara é considerada o melhor espaçoporto do mundo em localização geográfica. Por estar próxima à linha do Equador, permite uma economia de até 30% de combustível nos foguetes. Na prática, isso significa gastar menos ou poder mandar para o espaço cargas mais pesadas. Como os Estados Unidos são os donos da maior parte do lucrativo mercado de lançamento de satélites comerciais, eles tentaram, em 2001, fechar um acordo para “alugar” a base brasileira para seus lançamentos. Mas havia vários detalhes importantes no acordo de salvaguardas tecnológicas proposto. Um deles determinava que nenhum brasileiro poderia fazer inspeções no que estivesse sendo trazido dos Estados Unidos para Alcântara. A proposta gerou muitos debates no Congresso e foi engavetada como violação da soberania nacional.

Menos de uma semana após a explosão em Alcântara, a tese de sabotagem tomou vulto em duas notinhas da coluna do jornalista Cláudio Humberto – publicada em vários jornais do país. No dia 27 de agosto, foi citado Ronaldo Schlichting, pesquisador da corrida espacial e perito em armas. Dizia a nota: “Schlichting sugere bala do fuzil Barret .50, que alcança 3 quilômetros, como possível ‘impacto de objeto no foguete’”. No dia seguinte, outra referência à sabotagem, desta vez nas palavras de um professor do Centro Tecnológico da Aeronáutica. “O cientista Edison Bittencourt nega ‘ignição espontânea’ num dos quatro motores do foguete que explodiu em Alcântara. Sugere onda eletromagnética disparada do espaço ou de pequeno dispositivo, inserido no motor e controlado a distância”, escreveu o colunista.


Link: http://super.abril.com.br/ciencia/sabotagem-tio-sam-446333.shtml



Referências

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2011/01/25/eua-tentaram-impedir-programa-brasileiro-de-foguetes-revela-wikileaks-923601726.asp


19 comentários:

  1. OLha Veronezzi eu sempre acreditei realmente na hipótese de uma sabotagem na época do episódio, isto não me saía da cabeça, afinal estávamos lidando com os mestres da farsa e sabotagem q são os americanos.Agora com estes documentos q o Glorioso Wikileaks soltou realmente se confirmou.

    ResponderExcluir
  2. INFESLIMENTE NOSSOS POLÍTICOS SÃO FRACOS E MEDROSOS, VEJAM O EX: DA CORÉIA DO NORTE, IRÂ, VENEZUELA. ELES TERÃO MISSEIS BALISTICOS AOS MONTE E NÓS? SERMOS ROUBADOS COMO SEMPRE, GRAÇAS OS NOSSOS GOVERNANTES CORRÚPTOS, ENTREGUISTA, JÁ NÃO BASTA NOSSO PETRÓLEO QUE JÁ É MAIS AMERICANO DO QUE BRASILEIRO. SE EU FOSSE O GOVERNO FAZIA UM PROJETO DE DESAMERICANIZAÇÃO DO BRASIL URGENTE, E UMA PARCERIA COM A RUSSIA.

    ResponderExcluir
  3. Motivos assumidos haviam e existem para a não evolução do projeto espacial brasileiro.Tecnologia para sabotagem sem deixar pistas também.
    Isso é muito mais profundo do que podemos imaginar.O EUA é o embrião maligno da nova ordem mundial.É só o começo.

    ResponderExcluir
  4. NOTA 10 exelente post.

    ResponderExcluir
  5. Conheci esse blog a alguns dias atras, desde então passo minhas horas vagas a ler todos os post., muito bom mesmo. Excelente trabalho.

    ResponderExcluir
  6. meu professor me falou disso e eu resolvi procurar.obrigado por compartilhar isso

    ResponderExcluir
  7. SÓ FICO TRISTE EM SABER QUE OS INOCENTES PAGARAM POR ISSO E MUITAS OUTRAS. COM CERTESA PESSOAS DAQUELE PAIS, TAMBEM SÃO REVOLTADOS COM AS ATITUDES DOS HIPÓCRITAS, FALSOS, MENTIROSOS, SENSACIONALISTAS... EXISTEM MUITAS OUTRAS NAÇÕES QUE SE MANTEEM CALADAS. PELA MINHA IDADE; SERA QUE AINDA VEREI UMA DESTRUIÇÃO EM MASSA??? TODOS OS CANHÕES VOLTADOS PRA QUELE PAIS. OU O MUNDO TODO É SÓ O BRASIL??? AQUI VIVE UMA MISTURA ENORME DE RAÇAS. (QUE LEGAL). LÁ TAMBEM. INCLUSIVE DE PESSOAS QUE OS ODEIAM. QUE DEUS SEJA LOUVADO. OBRIGADO PELA OPORTUNIDADE. SAÚDE E SUCESSOS A TODOS. ABRAÇÃO.

    ResponderExcluir
  8. Depois dessa constatação de sabotagem e verificado a sabotagem por parte desse lixo mundial, que é o governo americano, pergunto se o Brasil ainda vai comprar caças Hornet desse governo genocida mundial.
    Vergonha povo Brasileiro! Vamos honrar a vida de nossos compatriotas que deram a vida para termos o nosso país livre.
    BRASIL ACIMA DE TUDO.
    BRASIL, AME-O OU DEIXE-O

    ResponderExcluir
  9. Excelente matéria !! De suma importância para o Brasil, esse tipo de conhecimento deve se divulgado amplamente para que todos saibam o que acontece e vem acontecendo ! Parabéns !!

    ResponderExcluir
  10. Além de espionagem, infiltrações óbvias. Com certeza somos monitorados de muito perto. EUA querem manter sua hegemonia a qualquer custo quando se trata de operações deste tipo, encontrando brejas com facilidade na corrupção de nossos políticos.

    ResponderExcluir
  11. Mesmo coisa esta fazendo com Corea de norte e iran porque nao podem fazer para Brasil.Desde historia sempre Europeas e EUA tentarem vender sempre tecnolojia deles qualquer custo.Decada 70 Alemanha sabia tecnolojia usina nuclear deles nao e securo mesmo assim venderem para Brasil -Angra!,Angra2 e Angra3

    ResponderExcluir
  12. ESTA MATÉRIA REVELA DO QUE É CAPAZ ESSA NAÇÃO MESQUINHA E SEDENTA DE PODER PELO MUNDO, ELES NOS ENGANAM E FAZEM COM QUE FIQUEMOS BURROS PARA NÃO ENXERGARMOS O QUE ACONTECE E QUE AINDA VAI ACONTECER. CONTUDO, TENHAMOS BASTANTE FÉ EM DEUS PARA SUPORTARMOS ESTA MÁ INFLUENCIA QUE INFELIZMENTE FAZ A MAIOR PARTE DOS SERES HUMANOS SOFRER E SEREM ESCRAVIZADOS PELO GLOBO. NOSSOS GOVERNANTES NÃO TEM PEITO, INTELIGÊNCIA, CONSIDERAÇÃO E MUITO MENOS INTERESSE POR ESTE FATO ONDE MORRERAM BRILHANTES PROFISSIONAIS BRASILEIROS E QUE AGORA É PRECISO MAIS DE 2 DÉCADAS PARA FORMAR NOVOS CIENTISTAS DESTE PORTE.
    VAMOS NOS UNIR SEMPRE E SERMOS A FAVOR DE UMA INDEPENDÊNCIA VERDADEIRA, MAS COM RESPEITO E COM DIPLOMACIA.UM VIVA À SOBERANIA BRASILEIRA!

    ResponderExcluir
  13. Não vou me identificar por motivos óbvios e para proteção pessoal. Contudo, além de trabalhar no projeto espacial e, sobretudo no CLA, faço reticências à matérias deste naipe. Para começar, telemetria de solo, nada envia, só recebe, caso das boias. Não tem função de transmitir sinal nenhum. Quem o faz é uma telemetria de bordo, no caso, a instrumentação que ocupa a baía de equipamentos da carga útil do feguete. Embora não conclusivo, o relatório final da destruição do VLS não contempla sabotagem. E deve ser dito que não houve explosão, mas tecnicamente o acendimento intempestivo do booster A do primeiro estágio que contaminou os demais propulsores. Todos nós que fazemos parte do projeto, em especial quem, como eu, trabalhava com telemetria e verificava cada dado do trem de PCM, sabe muito bem que de todas as teses essa, a de sabotagem, embora não descartável, é sem dúvida a mais frágil. Só não escrevo mais coisas porque não estou autorizado. Porém, quem quiser ver um melhor direcionamento da questão que recorra ao relatório disponível a todos os brasileiros. A questão é mais interna e tem a ver com a concepção do foguete em, especial, com certas modificações feitas para o VLS V03 com a arriscada redução dos dispositivos mecânicos de segurança - DMS. É por aqui amigos, pois o resto é história pura e simples movida por sensacionalistas.
    P.S: Só para informação complementar a primeira foto foi tiranda pela família do Senador José Sarney na sua casa na praia do Calhau que possui uma visão privilegiada da baía de São Marcos e da península de Alcântara. Isto não foi relatado aqui neste espaço sem muita referência.

    ResponderExcluir
  14. eu fico com a teoria da sabotagem e o comentário acima é muito suspeito e aviso que desde já que isto aqui, este forun não é brincadeira e que tem meio mundo lendo esta página

    ResponderExcluir
  15. Concordo plenamente com o Rodrigo e a suspeita é de que foi sabotagem, pois grande número de turistas estrangeiros na época da explosão eram americanos que logo após,desapareceram. Acorda Brasil!Deixe-mos de ser capachos dos EUA e que a Presidente e as autoridades deste País passem a terem mais visão estratégica e que invistam em nossas forças Armadas
    com tecnologias modernas dando total dissuação a qualquer super potência.

    ResponderExcluir
  16. OS EUA NUNCA TEVE NADA, VIVE COMO UM SANGUE SUNGA, SUNGANDO AS ENERGIAS DOS OUTROS E DOMINANDOS OS SEUS BENS, FEZ ISSO COM MUITOS PAISES INCLUSIVE O BRASIL, POR CAUSAS DESSES POLITICOS BRASILEIROS CORRUPTOS QUE SE VENDEM. MAS ISSO VAI MUDAR DE UM JEITO OU DE OUTRO, VAI CHEGAR UMA HORA EM QUE VAI SE TORNAR INSUPORTAVEL E ENTAO TEREMOS UMA GUERRA CIVIL E É EXATAMENTE ISSO QUE OS EUA QUEREM.

    ResponderExcluir
  17. Por favor, leiam a minha Análise Técnica do Relatório da Investigação do Acidente ocorrido em 22 de agosto de 2003, em Alcântara, Maranhão, e tomarão conhecimento das causas. Porém, para a conclusão da minha análise eu necessito de ajuda para explicar as interferências que surgem nas imagens dos vídeos gravados pelas câmeras 1, 2, 3 e 4 às 13:26:00. Alguém tem acesso às gravações realizadas durante o período matutino até iniciar o detonador às 13:26:00 para verificarmos se ocorreram interferências nas imagens durante as gravações feitas pela manhã?
    O site da minha análise técnica é: http://dallapiazza.wordpress.com/
    Por favor, me ajudem a terminar este trabalho fornecendo informações sobre essas interferências que aparecem nas imagens do vídeo gravado no instante do acidente.
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  18. Sim, o Estados Unidos vem sabotando e fazendo golpes de estados no mundo já faz muito tempo!
    O Brasil na Antártica também foi sabotado, esse é um império maligno, o EUA querem ter o domínio de tudo.
    O chip vem ai, imagina de qual país ele virá?
    Imagine de quais satélites seremos monitorados?
    Vejam, a mídia de TV são do EUA, A ONU são submissa do EUA, A OTAN é fantoche do EUA.


    ResponderExcluir
  19. Se eu fosse vc não caminharia pelo lado dos eua e sim pelos franceses...

    ResponderExcluir

COMENTE AQUI