[Rodrigo Veronezi Garcia] Google+ Rodrigo Veronezi Garcia+ Google Google AS TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO DE RODRIGO VERONEZI GARCIA : O DOSSIÊ ODESSA "A ORDEM MAÇÔNICA DA CENTÚRIA DOURADA" OS NAZISTAS NO BRASIL" href="https://plus.google.com/u/0/+RodrigoVeroneziGarciarodrigoenok" rel="publisher">

Google+ Badge

domingo, 24 de outubro de 2010

O DOSSIÊ ODESSA "A ORDEM MAÇÔNICA DA CENTÚRIA DOURADA" OS NAZISTAS NO BRASIL"



A MAÇONARIA DA CENTÚRIA DOURADA
  
Como exemplo, mais recente do uso de entrantes por grupo organizados, temos, a Loja Maçônica da Centúria Dourada, a FOCG, loja ocultista de práticas mágicas negativas (magia negra), são 99 membros, onde o de número 100 é um demônio, produzido na forma de egregora. Existem, atualmente espalhadas pelo mundo, 99 destas lojas, onde encontramos ligações estreita com a organização dos Illuminati, no dia 23 de junho, em intervalos de cinco anos, um dos membros é escolhido através de sorteio, para abandonar seu corpo físico em prol de um entrante, ou simplesmente, é eliminado, da vida física, através do uso de técnicas mágicas ocultistas, sendo seu lugar ocupado imediatamente por iniciados da ordem, que estavam a espera de uma vaga.


A ORDEM NEGRA 

As SS, denominadas também "A Ordem Negra", não eram de forma alguma um regimento da polícia, mas uma verdadeira ordem religiosa com uma estrutura hierárquica. Quem poderia pois pensar que esse brutal partido nazista era uma ordem sagrada? Tal afirmação pode parecer ridícula, fora de época, mas essa não é a primeira vez na história que uma ordem sagrada é responsável por atos de atrocidades sem nome. Os jesuítas e também os dominicanos que dirigiam a Inquisição na Idade Média, são exemplos gritantes. A Ordem Negra era a manifestação concreta das concepções esotéricas e ocultas da Sociedade Thule. No interior das SS se encontrava outra sociedade secreta, a elite, o círculo o mais íntimo das SS, a SS "Sol Negro". Nosso sol giraria em volta do sol negro, quer dizer, de um grande sol central, o sol primordial, que é representado pela cruz com os braços isósceles. Essa cruz foi desenhada sobre os aviões e os carros do terceiro Reich. Os templários, os rosa-cruzes e muitas outras antigas lojas a empregavam ainda nessa mesma ótica [79].
A Sociedade Thule e aqueles que iriam tornar-se, mais tarde, os SS "Sol Negro" trabalharam em estreita colaboração não somente com a colônia tibetana em Berlim, mas também com uma ordem de magia negra tibetana. Hitler estava em contato permanente com um monge tibetano com luvas verdes que era designado como o "guardião da chave" e que teria sabido onde se encontrava a entrada de Agarthi (a Ariana) [80].
Em 25 de abril de 1945, Os russos descobriram os cadáveres de seis tibetanos dispostos em círculo num subterrâneo berlinense, e no centro se encontrava aquele homem das luvas verdes. Diz-se que foi um suicídio coletivo. Em 2 de maio de 1945, após a entrada dos russos em Berlim, encontraram mais de 1.000 homens mortos que eram, sem a menor dúvida, originários das regiões do Himalaia e haviam combatido com os alemães. Que diabo faziam pois os tibetanos afastados, milhares de quilômetros de sua terra, com uniformes alemães? [81]




Numerosos jovens foram formados pelo "Sol Negro" durante o terceiro Reich; eles eram consagrados no castelo forte de Wewelsburg e enviados ao Tibet para lá continuar a sobreviver e preparar-se para afrontar o grande combate final deste fim de século.
Pelos relatos de Franz Bardon, Adolf Hitler era também membro de uma loja FOGC (ordem franco-maçônica da centúria de ouro), conhecida, de fato, como a 99.ª loja. No que concerne às 99.ª lojas, existem noventa e nove lojas disseminadas pelo mundo e cada uma é composta de 99 membros. Cada loja está sob a dominação de um demônio, e cada membro tem um próprio "demônio" só para ele. O demônio ajuda a pessoa a adquirir dinheiro e poder, mas, em troca, a alma dessa pessoa é obrigada a servir esse demônio após sua morte. E também, cada ano, um membro é sacrificado ao demônio da loja, em virtude do que um novo membro é admitido. Os membros das 99.ª lojas são também dirigentes muito influentes na economia e nas finanças e estão mais presentes hoje do que nunca. As lojas FOGC, quer dizer, as 99.ª lojas, são, pelo meu conhecimento, o pior dos perigos; ao lado delas, o satanismo ao qual se refere a "igreja de Satã" de Anton La Vey, de quem se fala na mídia, é bem inofensivo!


Franz Bardon confirmou que Hitler e a ordem Thule foram um Instrumento entre as mãos de um grupo de magos negros tibetanos.
Somente aquele que sabe isso está apto para compreender a frase de Hitler na ocasião de seu discurso em 30 de janeiro de 1945: “Não é a "Ásia Central" que sairá vitoriosa dessa guerra, mas a Europa e, à frente desta, a nação que, já há 1.500 anos, se revelou como o poder predominante capaz de representar a Europa contra o Oriente e que a representará também no futuro: falo do nosso grande Reich alemão, a nação alemã!”. (Discurso e proclamação de Hitler de 1932 a 1945 s- de Max Domarus).

Em que Hitler se tornou, suscitou muitos mitos. Segundo os dizeres de Franz Bardon e Miguel Serranos (ex-embaixador chileno na Áustria), Hitler fugiu para a América do Sul com o auxílio da 99.ª loja. Até dizem que o cadáver encontrado e cuja dentadura foi identificada como sendo falsa pelo dentista de Hitler teria sido colocada lá pela 99.ª loja. Um jornal alemão de grande tiragem publicou em 5 de março de 1979 que foi encontrado o avião particular de Hitler na selva da América do Sul. Joseph Griner, autor de Das Ende des Hitler-Mythos (O fim do mito Hitler), afirma que Hitler decolou com seu avião em 30 de abril de 1945 do aeroporto de Tempelhof em Berlim.









Em 1947, Simon Wiesenthal, um conhecido caçador de nazistas começou a identificar rotas de fuga utilizadas pelos nazistas a escapar da Alemanha. A principal via que ele descobriu foi a partir da pequena cidade bávara de Memmingen para Innsbruck, na Áustria.A partir daí, foi possível cruzar em Itália sobre a passagem do Brenner. Wiesenthal mais tarde soube que os nazistas se refere a isto como a rota "BB" , de Bremen, na Alemanha até o porto italiano de Bari. Ele também sabia que os fugitivos tinham pouca ou nenhuma dificuldade de obtenção de documentos falsos e pareciam ter dinheiro suficiente em sua nova casa confortável para estabelecer uma nova vida. Wiesenthal concluiu que uma organização secreta com recursos substanciais deveria estar envolvida, para ajudar fugitivos nazistas. As sementes desse projeto foram plantadas antes da Segunda Guerra Mundial terminar.

Em 1944 ficou claro que a sorte da guerra tinha virado contra a Alemanha nazista.Muitos alemães começaram a antecipar a derrota e fazer planos para essa eventualidade. Em 10 de agosto de 1944, uma reunião secreta da Alemanha, industriais e banqueiros realizaram no Hotel Maison Rouge, em Estrasburgo, uma reunião para conceber um meio de assegurar um futuro seguro para os nazistas . Entre os presentes estava o magnata do carvão Emil Kirdorf, Georg von Schnitzler do IG Farben , Gustav Krupp von Bohlen und Halbach , magnata do aço, Fritz Thyssen, e banqueiro Kurt von Schroeder.

Os nazistas reconheceram que os ativos da Alemanha iriam cair nas mãos do inimigo se aproximando rapidamente, se eles não fossem transferidos e escondidos. A riqueza da nação, em grande parte adquirida através da pilhagem das nações invadidas e as pessoas que os nazistas assassinaram, tiveram de ser transferidos para que eles estivessem fora do alcance judicial, mas acessíveis para financiar um futuro movimento para ressuscitar o partido e construir um 4º . Reich com novo líder .

Oficiais nazistas também temiam represálias por parte dos Aliados e, a mais do que provável punição para crimes de guerra diante deles, eles decidiram procurar refúgio fora da Alemanha, e além do alcance da justiça . De acordo com o protocolo abaixo:
.
“A liderança do partido está consciente de que, após a derrota da Alemanha, alguns de seus líderes mais conhecidos podem ter de enfrentar um julgamento por crimes de guerra. Para isso, foram apresentados ao partido, líderes proeminentes, como "técnicos especialistas" em várias empresas alemãs. O partido está preparado para emprestar grandes somas de dinheiro para os industriais para que cada um deles possa criar uma organização do pós-guerra secreta no exterior, mas como garantia, exige que os empresários tenham ao seu dispor recursos para o exterior, de modo que um forte Reich pode ressurgir depois da derrota” .....
.
O resultado da reunião em Estrasburgo, foi a gênese de uma organização, uma bem financiada e bem organizada, com o expresso propósito de ajudar os nazistas que fugiam escapar da justiça. Esta organização foi chamada de "Organização Der Ehemaligen SS-Angehörigen" ("A Organização do ex- membros SS ) - mais conhecida como Odessa.

Wiesenthal descobriu a Odessa acidentalmente durante as conversas com um ex-membro da contra-espionagem alemã que ele conheceu durante os julgamentos de Nuremberg . A fonte disse que a organização foi criada em 1946, depois de muitos nazistas já haviam sido presos. Aqueles em contato com amigos da cadeia e os comitês de ajuda que tinha sido criada para promover o bem-estar dos presos. A assistência foi muitas vezes para além da ajuda humanitária a cumplicidade sua fuga.

Em pouco tempo a Odessa, construiu uma grande rede de confiança e orientada para a realização dos seus fins, e iniciou suas operações. Rotas foram mapeadas e os contatos foram estabelecidos.
Influentes nazistas desapareceram à medida que foram secretamente levada para fora da Alemanha e ajudou a iniciar uma nova vida sob nomes falsos em países estrangeiros. No final da guerra, apenas um punhado de altos oficiais nazistas foram julgados. Muitos dos que eram culpados de crimes de guerra, escaparam com a ajuda da Odessa.

Alguns criminosos de guerra permaneceram na Alemanha e assumiram uma nova identidade, viajando para fora da Alemanha e para a liberdade durante o caos no fim das hostilidades. Uma rede subterrânea chamada "Die Spinne" (a aranha) fornecia documentos falsos e passaportes, casas de saúde, e os contatos que poderiam contrabandear criminosos de guerra para a Suíça. Uma vez na Suíça, moveram-se rapidamente para a Itália , com o que alguns chamaram "A Rota do Mosteiro". Padres católicos romanos, sobretudo franciscanos, ajudaram a movimentar fugitivos de um mosteiro para o outro até chegar a Roma. De acordo com Wiesenthal , um mosteiro franciscano, Via Sicilia, em Roma, era praticamente uma estação de trânsito para os nazistas, um arranjo possível graças a um bispo de Graz chamado Alois Hudal. Wiesenthal especula que o motivo para a maioria dos sacerdotes era o que ele via como uma noção equivocada da caridade cristã. Uma vez na Itália, os fugitivos estavam fora de perigo, e muitos então dispersos por todo o globo.

Alguns países podem não ter tido conhecimento sobre os novos "imigrantes passados” seus, mas muitos fizeram e decidiram olhar para o outro.Outros, incluindo os Estados Unidos, exploraram o conhecimento dos nazistas.

Países fascistas, como a Espanha sob Franco, bem como aqueles na América do Sul , tornaram-se um refúgio. O estabelecimento do Estado de Israel após a Segunda Guerra Mundial levou alguns países árabes a dar boas-vindas aos nazistas que compartilhavam o ódio dos judeus na esperança de que usariam seus experiencia em áreas como a construção de foguetes para inclinar a balança no conflito árabe-israelense.

Adolf Eichmann foi um dos mais notórios dos nazistas a escapar da Alemanha, graças a ODESSA, mas ele acabou sendo capturado na América do Sul pela Inteligência israelenses e levado a Israel para ser julgado por seus crimes.

COMENTÁRIO DO DONO DO BLOG


Detalhes sobre este assunto foram destruídos!!!! PELA DITADURA MILITAR, nem mesmo os maçons tem conhecimento de seus (irmãos)que faziam também parte desta organização (ODESSA), eles ensinaram técnicas AVANÇADAS de transplantes DE ORGÃOS para alunos das universidades de medicina aqui em Porto Alegre, mas foi tudo acobertado, a empresa de Mengele (FRADOFARM) patrocinou a experimentação em laboratórios subterrâneos imporovisados no subsolo das universidades, eles deram continuidade a experimentação médica que começou durante a segunda guerra nos campos de concentração que foram construídos pela IG FARBEN.

O tenente-general Vassili Khristoforov, chefe arquivista do Serviço Federal de Segurança (SFS) da Rússia (antiga KGB), reafirmou então ao Daily Mail, que “os arquivos da SFS detêm o maxilar de Hitler e os arquivos estatais um fragmento do crânio de Hitler. Com a exceção desses fragmentos, adquiridos no dia 5 de maio de 1945, não há nenhuma outra parte do corpo de Hitler”.
Em 2010 foi publicado em livro os resultados mais que suspeitos de uma nova investigação levantando a hipótese de que Hitler teria sobrevivido ao cerco do Exército Vermelho e fugido para a América do Sul, refugiando-se na Argentina, sob a proteção do Vaticano ou dos EUA, como outros criminosos nazistas, como Eichamnn e Mengele, como se o Führer fosse uma peça importante na elaboração de uma nova estratégia anticomunista para a Guerra Fria.



AS LISTAGENS DOS NAZISTAS QUE FUGIRAM DA EUROPA E FORAM RECEBIDOS NA ARGENTINA E NO SUL DO BRASIL, PRINCIPALMENTE PORQUE TAMBÉM SE ESTABELECERAM NO CHILE E PARAGUAI, ASSIM COMO NO RESTO DA AMÉRICA DO SUL. NOS ARQUIVOS DA POLÍCIA DE FILINTO MULLER OU DO EXÉRCITO DO MINISTRO GOES MONTEIRO DEVE EXISTIR ESTA IMFORMAÇÃO! PORQUE NO SUL, “ACREDITO” QUE MOROU O NÚMERO 2 DO NAZISMO, MUITOS ANOS COM SUA FAMILIA: MARTIN BORMAN, QUE ADMINISTRAVA O COFRE DA OPERAÇÃO ODESSA. 

Documentos inéditos reconstituem os passos de Josef Mengele na América do Sul e mostram como ele usou a identidade real na Argentina, no Uruguai e no Paraguai.



Como exigia a lei no Uruguai, em 1958, um singelo proclama de casamento foi publicado no jornal do povoado de Nova Helvécia, a 120 Km de Montevidéu. O oficial Pedro Izacelaya anunciou o nome dos noivos e recomendava: quem soubesse de algum impedimento contra a união deveria denunciá-lo durante os oito dias de divulgação do registro, a contar de 17 de Julho.

Casariam-se Marta Maria Will e Josef Mengele. Ela viúva e dona de casa. Ele divorciado, médico, nazista e torturador sádico, responsável direto pela morte de ao menos 3 mil pessoas em experimentos bizarros no campo de extermínio de Auschwitz.

Ninguém apresentou obstáculos. E Mengele retomou a rotina tranqüila de empresário bem sucedido em Buenos Aires. Até que a Alemanha pedisse a sua extradição em 1959, o homem que mereceu ser chamado de Anjo da Morte sobreviveu na barbas de autoridades alemãs, argentinas, uruguaias e paraguaias incólume. E feliz.

Gunzburg é um vilarejo ao sul da Alemanha. Parece pintado a mão. Ali a família Mengele é reverenciada. Em 1907, Karl Mengele comprou uma fábrica de máquinas agrícolas e faria dela uma das maiores da Europa. Sob novos donos, existe ainda hoje, batizada Mengele Agrartechnik. Boa parte dos moradores esta empregada lá.

Há 100 anos, em 16 de março, Karl e a esposa, Walburg, tiveram o primeiro de três filhos, Josef. Karl esperava que o primogênito, assumisse os negócios e perpetuasse a dinastia”, afirmam Gerald Posner e Jonh Ware em Mengele: The Complete Story (sem edição no Brasil). Mas o ambicioso Josef Queria construir sua própria fama. Dizia que todos ainda veriam seu nome na enciclopédia.”

O rapaz estudou medicina e antropologia nas universidades de Munique e Frankfurt. Em 1937, já formado descolou uma vaga no Instituto para Hereditariedade , Biologia e Pureza Racial da universidade de Frankfurt e filiou-se ao partido nazista. No ano seguinte, ingressou na SS, que administrava os campos de extermínio.

Casou-se pouco depois com Irene Schoenbein, mãe de seu único filho, Rolf. Entre 1939 e 1942. Mengele lutou no front oriental e recebeu cinco medalhas por bravura.

O emprego que, enfim, o colocaria na enciclopédia veio em 1943: um posto de médico em Birkenau, parte do complexo de Auschvitz, na Polônia. O sempre elegante doutor ganhou sinal verde para realizar atrocidades “em nome da ciência’. Era parte de sua função selecionar os presos recém chegados. Em segundos, analisava as feições de cada um e mandava-os as fileiras da direita ou da esquerda: trabalho escravo ou a morte. Assim teria determinado a execução de 200 mil a 400 mil pessoas.

Um terceiro destino era reservado a certos prisioneiros, sobretudo os gêmeos: servir de cobaia em testes cruéis. O jornalista Bem Abraham, 86 anos, lembra-se muito bem daquele homem de macabra imponência. “Mengele liderava a junta médica que fez a seleção de meu grupo. Era o Anjo da Morte mesmo. Ele decidia com um polegar quem iria para os fornos crematórios e quem seria usado nas experiências.

Nunca vou esquecer.” Abrahan conseguiu escapar e mora no Brasil. Perdeu a mãe ali. Outros sobreviventes recordam como ele, á primeira vista, muito bem educado e galante, “desarmava suas vítimas.

Não há consenso sobre onde Mengele viveu logo após o fim da Segunda Guerra. O Exercito Vermelho invadiu Auschwitz e libertou 7,6 mil prisioneiros em 27 de janeiro de 1945.

Nazistas como Adolf Eichmann e Erich Priebke seguiram rotas semelhantes, mas Mengele tinha um diferencial. Ele sempre viveu como um milionário, diz o historiador Argentino Carlos de Nápoli, que investiga a trajetória do carrasco há trinta anos.

O médico se amparava na fortuna do pai – multiplicada durante o nazismo graças a mecanização da agricultura e depois na reconstrução do país. Para ajuda-lo, Karl entrou em contato com Jorge Antonio, braço direito de Perón e homem de confiança dos alemães no Rio da Prata. Argentino de origem Síria, el Turco enriqueceu noa anos de 1950 usando seus vínculos com o poder, a ponto de se tornar presidente da filial argentina da Mercedez Benz e sócio de dezenas de outras empresas.

A Mercedes ajudou vários nazistas, a exemplo de Eichman. Mengele, porém não precisou de emprego. Criou suas próprias empresas com o dinheiro paterno. Os investimentos foram feitos por meio do empresário alemão radicado na Argentina Roberto Mertig, dono da fábrica de fogões Orbis. Uma das firmas que ele montou foi a Tameba (sigla em espanhol de Oficinas Metalúrgicas de Buenos Aires). “Ele fabricava hastes de torneira e vendia para Eichmann, que nessa época, trabalhava na industria de sanitários FV, do alemão Franz Viegener”.

O Carrasco levava uma vida social regular na capitalo do Tango(onde esta curiosamente, a maior comunidade judia da América Latina. A ponto de fazer parte de um grupo que jogava Bridge no qual havia judeus, relata Gerald Astor em Mengele O Ultimo Nazista. Ele se sentia tranqüilo sabendo que havia uma rede de proteção no Estado. E ela continuou mesmo após o golpe contra Perón, em 1955, afirma Sergio Widder, diretor do Centro Simon Wiesenthal.

Em 1956, um novo negócio, o laboratório Fradofarm(fábrica de drogas farmacêuticas). E voltou a ser Josef Mengele. Na embaixada alemã, deu o nome e endereço e pedou uma cópia da certidão de nascimento. Com ela, obteve uma cédula de identidade argentina.

O nazista saiu do armário(teve até o nome na lista telefônica) para garantir sua participação na herança da família. A essa altura, seu pai estava á beira da morte e ele precisava recuperar seu nome. ‘Se continuasse como Helmut Gregor, não receberia nada. Assim o segundo passo foi retomar a identidade”Diz De Nápoli. O seguinte seria se casar com a viúva do irmão mais novo, Kal Jr.

Sim, Marta Maria era sua cunhada. Chegara a Argentina com o filho, Karl Heinz, em 1956. Como divorciados não podiam se casar no país, Mengele foi com ela ao Uruguai. Com as bênçãos de Karl pai, ambos garantiram que os bens da família não se dispersassem.


Em maio de 1985, a policia alemã fez uma busca na casa de Hans Sedlmeier, que havia sido procurador da empresa de maquinas dos Mengeles, em Gunzburg, e encontrou cartas escritas por Josef Mengele e remetidas do Brasil pelos Bosserts. O delegado Romeu Tum, superintendente da PF, foi informado e interrogou o casal. Eles disseram que encobriram Mengele entre 1970 e 1979. Em fevereiro daquele ano, já com a saúde debilitada, o médico foi a convite deles passear em Bertioga, no litoral paulista... E teria se afogado, talvez vítima de um derrame. No boletim de ocorrência, o morto é o austríaco Wolfgang Gerhard. Na verdade, esse era o nome do sujeito que apresentou Mengele aos Bosserts.

A tumba de Mengele, revelaram os Bossert, estava no cemitério do Rosário, em Embu, Grande São Paulo. Uma equipe de legistas exumou os restos do corpo, em junho de 1985, e concluiu que eram do nazista. Em 1992, um exame de DNA confirmou a descoberta. A analise utilizou uma amostra de sangue de Rolf, filho do carrasco, e foi conbduzida pelo geneticista britânico Alec Jonh Jeffreys. Sete anos antes Rolf dissera não ter percebido no pai, na visita a São Paulo, nenhum sentimento de culpa ou remorso.

Marco Antonio Veronezi, ex diretor regional da PF, recorda a expectativa mundial que havia em torno do cadáver achado em Embu. Estranhamos o fato de conhecidos de Mengele aparecerem anos após a morte, para falar da ossada. Bem Abrahan sempre duvidou da ossada. Aponta há anos uma série de incongruências, inclusive entre o corpo e a ficha médica do nazista na SS. Para ele o médico fabricou um sósia.

Para Carlos De Nápoli, a “farsa’ dos restos no Brasil foi criada, mais uma vez, para fins econômicos. A Fradofarm não foi vendida e seus testas de ferro, Ernest Timermann e Heinz Truppel, iam até a Alemanha para prestar contas.

A família nunca requisitou o corpo.



De todo o material publicado pelo criminoso nazista Josef Mengele a partir de 1960, quando ele se tornou conhecido do grande público, após a chegada á Argentina do pedido de extradição feito pela republica federal da Alemanha, destaca-se o enrome valor documental da autobiografia de Miklos Nyisxli, prisioneiro judeu que foi assistente de Mengele em Auschwitz, Médico o autor realizava autopsias das vítimas mortas em vários experimentos e enviava os resultados a um endereço: Berlin Dahlen, Institut Fur Rassenbiologische Forschunagen(...) Um dos institutos mais famosos do mundo.”

Em outro trecho, diz: “Os gêmeos morreram na mesma hora. Agora jazem aqui, sobre minha mesa para dissecação dos cadáveres. Graças a sua morte, agora será possível analisa-los por meio de uma autópsia e descobrir o segredo da multiplicação humana. O grande objetivo dessas investigações é, de fato, a multiplicação raça superior. Trata-se, exatamente de colocar uma mãe alemã em condições de criar sempre gêmeos no futuro. Esse plano é uma loucura! Foi promovido pelos loucos teóricos da raça do Terceiro Reich. E, para as pesquisas necessárias, encarregam o doutor Mengele(...) Esse criminoso é capaz de passar horas comigo entre microscópios e fármacos, ou de estar na mesa de anatomia, com o jaleco sujo de sangue, observando e tocando com as mãos, também sujas de sangue. Trata-se da multiplicação da raça germânica: o objetivo final é que haja alemães suficientes para repovoar os territórios chamados de Lebensraun, ou seja espaço vital do Terceiro Reich, depois de deixa-los limpos da presença de checos, húngaros, poloneses, holandeses e outras populações. Nyiszli conseguiu obter, com os resultados das autópsias que podia analisar, uma aproximação bastante certeira dos planos finais dos nazistas. No entanto como muita gente, nunca conseguiu compreende-los em sua real extensão.



Isso se deve a que, por motivos políticos, o verdadeiro ideólogo racial do nazismo, o argentino Ricardo Walther Darré, passou como um fantasma pelas páginas da História. Darré foi a primeira pessoa a levar á prática as idéias raciais nazistas, impondo aos integrantes da SS, desde 1929, todo o tipo de restrição a sua admissão. Também fundou a Rusha, sigla em alemão de Escritório Central de Raça e Reassentamento.



FONTE DE PESQUISA:

Revista Aventuras na História Editora Abril, matéria de Eduardo Szklars, resportagem de Eduardo Cordeiro.



7 comentários:

  1. Como faço para comprar em exemplar do dossiê odessa,é possível?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EU TENHO UM EXEMPLAR DESTE LIVRO, CASO TENHA INTERESSE ENTRE EM CONTATO COM givaldov@gmail.com

      Excluir
  2. é quase impossível, varias sociedades secretas aqui do Brasil inclusive os irmãos maristas ajudaram eles a se esconderem.

    ResponderExcluir
  3. Qual o titulo do livro que fala da possivel fuga de Hitler para a Argentina?
    Muito bom seu blog

    ResponderExcluir
  4. qual o titulo do livro que fala da possivel fuga do Hitler?
    Muito bom seu blog.

    ResponderExcluir
  5. Dê uma olhada na bandeira de Nova Odessa - SP
    Será que só eu vejo uma suástica lá?
    A cidade foi fundada em homenagem a cidade de Odessa (Lituania). Mas...

    ResponderExcluir

COMENTE AQUI