segunda-feira, 27 de julho de 2009

A HUMANIDADE EXTRATERRESTRE VINHA DE UMA CONSTELAÇÃO CHAMADA CABELEIRA DE BERENICE






A Terra de Mu


A existencia dos continentes desaparecidos se baseia em tradições, em documentos às vezes duvidosos, mas também em dados cientificos extremamente importantes. O geofísico alemão Wegener supõe que na antiguidade havia um único continente terrestre que após convulsões geológicas se dividiu , ou foi dividido pelo surgimento de massas que emergiram dos estratos móveis do sima ( magma ) do interior do planeta. Essa é a teoria da deriva dos continentes Estudos recentes de geologia marinha trouxeram mais uma explicação para o fenômeno : durante milênios o fundo do mar foi se alargando , separando a massa emersa em continentes distintos.

Esse fenômeno continua ainda em nossos dias, pois com a atividade vulcânica submarina as fissuras e as crateras dos grandes dorsais dos oceanos continuam expelindo lava. Para dar um exemplo, as matrizes que são os dorsais ( um dorsal é uma cordilheira submarina que se estende por todo o comprimento do oceano ) do Atlântico e do Pacifico continuam emitindo uma espécie de tapete rolante de terras que saem do interior do globo. Dessa maneira , a América se afasta da África e da Europa a uma certa velocidade , e também vice-versa. Daniel Behrmann escreveu no Courrier de l'Unesco ( Courrier de l'Unesco , julho de 1970, Paris . Planet Ocean , a aventura dos homens que se dedicam à oceanografia , trad, francesa , ed. Robert Laffont, 1971 ) que a massa continental original , ou Pangéia ( Pan : tudo, Geia: deusa da Terra ) começou a se dividir mais de 1000 milhões de anos atrás. Cogita-se que naquela época havia três continentes emersos. Dois grandes: América do Sul-África de um lado e Ásia-Europa do outro . A Índia atual à deriva do oceano , ao largo do Kênia e do Tanganyca ( atual Tanzânia ).



Resumindo , o globo naquela época se apresentava da seguinte forma:

--- 120 milhões de anos atrás estava se formando o dorsal do centro do Atlantico com a separação de Pangéia: As Américas e a África começaram a derivar, respectivamente para oeste e leste.

--- 60 milhões de anos atrás o Oceano Atlântico já existia, mas o Brasil ainda estava muito próximo da Guiné. A Índia estava se aproximando da Ásia.

--- 30 milhões de anos atrás a América do Sul estava se afastando mais da África. A Africa estava se aproximando da Europa e a India da Ásia.

--- 15 milhões de anos atrás a América do Sul se reunia com a América do Norte ( que talvez rinha se destacado da Ásia Oriental ) ; a África reunia-se à Asia Menor e a Índia com a Ásia oriental) . A compressão das massas produziu as elevações montanhosas do Líbano , do Cáucaso e do Himalaya.

Pelo estudo dos residuos de magnetismo nas rochas supõe-se que no fim do terciário, o pólo magnético se localizava a 65 º de latitude , aproximadamente entre a baía de Hudson e a Groelândia. Essa localização corresponde à do país do Hiperbóreo, mencionado nas mitologias arianas. Nessas condições , se nosso globo em vez de ter uma inclinação de cerca de 23 graus no plano elíptico , estava na posição vertical; as estações deviam ser iguais em todos os lugares e o Hiperbóreo , cercado por suas montanhas de gelo, devia gozar de uma temperatura diurna praticamente ideal, como aliás dizem os documentos antigos. Essa seria uma boa explicação pelas samanbaias gigantes e pelas vegetações tropicais cujos restos foram encontrados na Escandinávia e até regiões mais ao norte. Essa tese foi apoiada também pelo professor Robert Diets, geólogo da Enviromental Science Service de Washington que com partes da África , da América do Sul , da Austrália e da Índia reconstruiu um continente que foi batizado Gondwana. Por outros geólogos de vanguarda, a Gondwana é o continente do sul oposto, na era secundária , ao continente do norte, ou Escudo escandinavo.

A Lemúria














As Purâna falam de continentes que se elevam um após o outro , cada um sendo o berço de uma raça e citam sete nomes onde moraram ou morarão sete grandes raças. O naturalista alemão Haeckel opina que a raça humana nasceu na Lemúria, atualmente submersa no Oceano Pacifico, e chama aquele continente de Shalmali. Enquanto estava sendo destruído pelo fogo e pela água, apareceu Kusha ( a Atlântida ) , onde floresceu a poderosa civilização da quarta raça. A British Association for the Advancemente of Science anuncia que um novo continente , a Shaka das Purâna está em vias de formação no Circulo de fogo do Pacifico , onde as Ilhas Bagoslof , perto do Alaska já se elevam a mais de 1.000 pés.

A extensão das novas terras prevê um comprimento de 1.000 milhas , e que elas irão se estender até as Filipinas, o Japão, Málaca e Borneo. Se a emersão dessas novas terras tivesse que ser rápida como aconteceu com as Ilhas Bagoslof , os geólogos acham que poderia acontecer um maremoto do tamanho do Diluvio Universal.

O passado ensina que quando surge um novo continente começa uma nova etapa da evolução e uma nova raça. Nos antigos documentos tradicionais dos povos de Ceilão e de Madras podemos ler: "A pátria dos Tamils ( povo da raça dravidiana que ainda hoje vive na Índia Meridional ) antigamente se localizava ao sul da grande Ilha de Java, que foi uma das primeiras terras emergidas em volta do equador. Lá encontrava-se a Lemúria , berço de todas as civilizações."

O escritor Wishar S. Cervé, atingindo na documentação de propriedade da The Supreme Grand Lodge of AMORC de San José , na Califórnia , acredita que o primeiro homem a pisar na terra surgiu nos EUA. Acredita também que a Lemúria era um continente que ia da África até o Pacifico numa época em que , na opinião de Wegener , as Américas , a Europa e a Africa Ocidental formavam um único bloco. Após convulsões geológicas a Lemuria chegou a ocupar sómente a oposição da Micronésia e Polinésia , enquanto as Américas começavam a se aproximar dela e ao mesmo tempo surgia a Atlântida. Para S. Cervé , os misteriosos e incertos personagens que parecem morar no Monte Shasta nos EUA seriam os últimos descendentes do Império da Lemúria.

O professor Rameau de Saint-Sauveur publicou , numa brochura do Club Marylen ( B.P. 33 - Neuilly-Plaisance -93 ) um curioso relatório a respeito de Mu , infelizmente sem referências históricas , pois estava baseado em "revelações" incontroláveis. Diz o senhor Rameau de Sainte-Sauveur que os habitantes de Mu de raça branca vinham da constelação chamada "Cabelereira de Berenice"; teriam eles sido os primeiros habitantes civilizados da Terra, e foram eles que ensinaram seus conhecimentos aos atlantes. A capital de Mu era Shalmali II, em lembrança ao nome de sua capital extraterrestre : Shalmali I .

O Império que se estendia da Ilha da Páscoa até as Marquesas foi submerso pelas águas há 700.000 anos. Ao mesmo tempoo continente de Gondwana ou Lemúria tinha sua capital Bakhrana , que era a cidadela dos negros. Gondwana sumiu no Pacifico 25.000 anos atrás e os habitantes que conseguiram escapar , se refugiaram na Uighúria, um vasto continente que se estendia desde a Mongólia até a França. Gondwana ocupava uma posição mais ou menos onde se encontrava a Austrália. A mesma relação acrescenta que foi naquele continente que surgiram os símios, uma espécie de "sub-produto" dos homens. A Uighúria naqueles tempos era habitada por brancos e amarelos vindos de um "Outro Lugar", e pensamos que isso significa : de uma estrela.

Os Brancos, armoricanos e "basconianos" tinham duas cidades principais: Ys, perto do limite do continente Hiperbóreo, e Tarlessos nas cercanias de Madeira. A capital , Uighur , era situada onde hoje se encontra o deserto de Gobi. Existia um segundo continente : Hiperbóreo, cuja capital era Thule, ao leste da Islândia.

A Atlantida , na opinião do senhor Rameau de Saint- Sauveur , era composta de três ilhas --- cuja capital era Atlanta --- situadas no meio do Atlantico Norte, e havia um continente emergindo no lugar da América do Sul: a Terra de Ichtar ( Ishtar ) , cuja capital era Tiahuanaco. Estamos mencionando todos os dados como curiosidades arqueológicas , sem porém dar-lhes qualquer crédito, porque pululam de pormenores suspeitos, a começar por aquela Terra de Ichtar , em que se encontram curiosamente a venusiana Orejona dos incas , e Ichtar , a deusa venusiana com o nome babilônico !.Tudo isso é um breve resumo da muito confusa e controvertida questão dos antigos continentes desaparecidos, ou seja : Atlântida, Gondwana-Lemuria , Hiperbóreo , e Terra de Mu.. Os "pré-historiadores" , os geologos e os tradicionalistas concordam quase completamente na definição da identidade e localização de Atlantida; quanto ao resto , é outra história!.

De fato, Gondwana , Lemúria e Terra de Mu parecem ser três nomes diferentes para designar o mesmo continente. Wishar S. Cervé , campeão da Lemúria , e o Coronel Churchward e L. C. Vincente , torcedores da Terra de Mu , atribuem aos dois continentes os mesmos "symboles of the sacred four" ou seja cruzes em sua maioria gamadas --- que representam as quatro primeiras forças que criaram o mundo.

Como era de se esperar, os geólogos não chegam sequer a admitir a existencia de um continente emerso 12.000 anos atrás , onde hoje se encontra o Oceano Pacifico. Nenhum documento escrito autentico comprova essa existencia , mas é absolutamente evidente e incontestável que uma vez havia terras onde agora existem mares e vice-versa. De qualquer maneira, existem indicios geológicos que inclinam a balança em favor da existencia de Mu, e além disso, homens influenciados por reminescencias cromossonicas ou talvez por um simples espirito de lógica "sabem "que ao leste da Ásia existia um continente que era o contraposto da Atlantida em nosso Ocidente.

No plano iniciático sabe-se que desde sempre e para todo o sempre existiram e existirão no globo terrestre dois grandes continentes , ou então dois grandes poderios em eterna oposição , um no leste e outro no oeste. Esses dois pólos , (+ ) e (-) , são representados em nossos dias pela China e pelos EUA, como doze mil anos atrás eram representados , sob signos inversos , pela Atlantida e pela Terra de Mu.

Os tradicionalistas costuma simbolizar a evolução e os ciclos daquela ação reciproca pelo signo sagrado da cruz gamada, seja ela a suástica, ou então a sauástica. Essa cruz gamada já foi, como frisam Curchward , Cervé e L.C. Vincente , o simbolo de Mu e também o símbolo da Atlantida (em o Paraiso Perdido de Mu L. C. Vincente, publica um estudo notável sobre a suástica, frisando seu estilo universal e seu significado sagrado. Por culpa dos nazistas e dos judeus o signo tornou-se símbolo de abominação, enquanto na realidade significa a vida e a evolução benéfica. Essa abominação é uma verdadeira obra de magia negra que influencia de maneira funesta o destino da raça branca. ) Hoje em dia a América do Norte parece estar sob o signo da suástica . . . virada a direita , enquanto a China , que está em pleno desenvolvimento, está sob a influencia da suástica.

Estas são hipóteses controvertidas que se baseiam simplesmente em tradições , mas assim mesmo é um fato que a realidade da Atlantida é geralmente aceita, enquanto a de Mu simplesmente vem de indicios que por outro lado não podemos absolutamente desprezar.

Em suas buscas executadas no deserto de Gobi, uma missão arqueológica soviética descobriu em Khara-Khota, a antiga capital do império Uighur , o túmulo de uma rainha que fora sepultada com seu cetro de ouro enfeitado de preciosos esmaltes. Na opinião de Abel Carté , da revista mensal Psyché-Soma "o império de Uighur é mencionado nas lendas chinesas que se referem ao tempo em que o deserto era uma região fértil e verdejante. Esse império se estendia até a Europa Central , compreendiaa Mesopotania , e tinha começado a existir pelo menos 16.000 anos antes de Cristo. Parece que o deserto de Gobi é uma consequencia do ressecamento da terra após o Diluvio , que aconteceu quando o continente de Mu foi engolido pelas águas do oceano. . . Parece que Sumer teve suas origens no império de Uighur, e isso justificaria as caracteristicas daquela civilização ariana vinda de Mu , e que Maspero diz ser siberiana ou chinesa ".

Nesse caso , naturalmente, o autor tem toda a responsabilidade de suas afirmações. É muito provável que as areias do deserto de Gobi ocultem vestigios de civilizações desconhecidas ; apesar disso não podemos concordar a priori com teses que atribuem qualquer gênesis , qualquer evolução e qualquer descoberta , de maneira absolutamente unilateral , a um Oriente muito mais rico de mistérios do que de realidades históricas ou para-históricas. Falando nessas teses observamos , nos escritos de L.C.Vincent , que os astecas e os incas eram os herdeiros do antigo império Maia , e isso parece-nos bastante certo. . . E que o tal império Maia era uma colônia de Mu. Os arianos nasceram no continente Mu Os arianos nasceram no continente Mu, diz ele , da mesma forma que os ciganos que entre seus signos secretos também usam a suástica, "signo solar , originário de Mu, império submerso do Sol".

L.C. Vincent continua:

"Todos os homens de raça branca são filhos de Israel; Este nome , Is-ra-el , vem de Mu e significa :na raça de Râ . . .

Obs.: Em Soleb [ templo núbio construido por Amenóphis III ] não se encontra o nome de Israel. Encontra-se mais tarde , na estela do Faraó Merneptah --- cerca de 1230 --- como sendo o nome de um povo da Síria. Esse nome é cercado pelo mistério: é composto de pessoa bastante conhecido nos idiomas semiticos, composto por um nome divino 'el ( deus ) precedido por um verbo no presente-futuro que começa pelo prefixo verbal que indica a terceira pessoa singular, masculina : y ( i ) . O problema consiste em saber o significado do verbo cujo esqueleto consonático é s r . G.A. Danell, em seus Estudos a respeito do nome de Israel no A.T. Upsala, 1946 escreveu uma tese a este respeito. Em seguida foi encontrado um ysr'l ( Israel ) nos textos de Ras Shamra , usado como nome de pessoa , e que se parece bastante com aquele que estamos interessados , mas assim mesmo não conseguimos progredir . . . Essas declarações são de extrema importancia porque o professor André Caquot é reconhecido no mundo inteiro como o mais eminente especialista nessa questão --- diretor dos estudos da Escola Prática de Estudos Superiores , especializado na Biblia --- . Gostariamos de lembrar que El nas lendas de Ras Shamra , inscritas em tabuletas com letras cuneiformes , é o supremo e mais antigo deus dos Semitas ocidentais , e de maneira especial dos fenícios . É o deus Bêli dos antepassados pré-celtas , o Bêl dos assírios-babilônicos, o Baal fenicio que na realidade não passa de uma máscara do deus desconhecido, ou pelo menos do Senhor, cujo verdadeiro nome só era conhecido pelos Iniciados. . Também é Elohim , do qual se apropriaram os hebreus dando-lhe uma identidade plural em que já aflora a Trindade. Mas El também é o deus dos Ys, nórdico, gaélico , o Senhor das flechas e da água , em suma alguém totalmente estranho para os hebreus, alguém típicamente "pelasgo" ( vindo dos mares do norte) como os ancestrais arianos que após o Diluvio se deslocaram das planices iranianas até a bacia do Mediterraneo.

Continuando sobre o mesmo assunto, a criação artificial do povo hebreu não é anterior a três mil anos segundo o professor Caquot. Estas afirmações demonstram que o relato do Êxodo pelo deserto do Egito até a pseudo-entrada na Terra prometida é falso, possivelmente elaborado no tempo de Salomão. A célebre passagem pelo Mar Vermelho fica assim no reino da ficção , ainda mais porque os clérigos egipcios da Casa dos Escribas , que estavam sempre atentos a anotar o menor acontecimento que fosse dentro de um império em que praticamente nunca acontecia coisa alguma --- eles anotavam qualquer coisa: passagens de aves migratórias, expedições contra salteadores, qualquer enchentezinha do Nilo, excesso ou escassez de safras, etc --- , não teriamperdido a oportunidade de anotar o roubo dos vasos do templo por parte dos hebreus, sua fuga pelo deserto , a saida do exército do Faraó e o fato que em seguida foi tragado pelas aguas do mar.

Pois bem: todos os arquivos históricos e todas as tradições do Egito ignoram estes acontecimentos!

O professor Caquot, apesar de estar convencido de que nada do relatado aconteceu , é de opinião que talvez toda a quela história mentirosa seja simbólica, representando assim a vitória de Deus sobre as águas e a vitória de Israel sobre o Egito.. Israel e a Biblia seriam , portanto , em sua mais profunda essencia , simples manifestações artificiais , fabricadas e inventadas , como o são os escritos de outros povos e de outras religiões. O próprio deus Yahwé ( Jeová ) foi tomado emprestado aos beduinos do deserto. . M. Caquot afirma :

"A parte inferior das colunas da sala hipóstila do templo núbio de Soleb é coberta de brasões que trazem os nomes dos povos da Ásia e da Äfrica , vencidos pelos egipcios. Todo brasão é encimado pelo torso de um homem em baixo-relevo , cujas mãos são amarradas atrás das costas. A escrita em muitos brasões começa pela fórmula t3 s3-s-w = "pais dos Shabu ( Beduinos ) de . . . "e um deles leva a seguinte indicação :t3 s3-s-w y-h-w3-w ; w3-w possivelmente tinha o som wo , de maneira que esse brasão menciona os "Beduinos de Yahwo".

Nesse documento porém , y-w3-w não é um nome divino. Pelo significado dos outros brasões, poderiamos acreditar tratar-se possivelmente do nome de um lugar, do pais daquele povo que os egipcios chamavam de Shabu ( nômades que viviam ao leste do istmo de Suez ) . De qualquer forma , egiptólogos competentes como S. Herrmann e J. Leclant não hesitam em admitir uma identidade entre o nome divino israelita e esse nome de um lugar situado ao leste do Egito. É muito provável que o nome do deus de Israel teve sua origem num nome de localidade , quem sabe , o nome de uma montanha que poderia se encontrar na região da qual , segundo alguns textos biblicos , veio YHWH.

Continuando o assunto de Mu ; ainda a respeito dessa antiga raça branca ele escreve que "a primitiva e autentica raça ariana de Is-ra-el , a raça pura do Sol, dita a raça de cristal , essa raça ELEITA vivia nos tempos do PARAISO DE MU , hoje PERDIDO!"

O signo sagrado dos judeus , a suástica, seria o simbolo das forças ocultas, como é o mana , que "desde a Ilha da Pascoa até Guiné " proporcionou os meios de erigir monumentos megaliticos.

Já relatamos o extraordinário conto do coronel ingles Chuchward. Vamos resumir os pontos mais importantes: em uma época não especificada, Chuchward , que então era oficial na Índia , descobriu um templo cuja localização também não explicou, e nesse templo encontrou tabuletas naacales ( Naacales , misterioso povo que chegou à Birmania vindo do Leste. Os naacales , ou Irmão Sagrados, eram emissários de sua pátria para levar ensinamentos ao Ocidente ( Índia ) para dar-lhes um idioma e uma escrita.) que revelava que 50.000 anos antes ao leste da Ásia, no Oceano Pacifico, existira um continente chamado Mu , berço de todos os homens de raça branca. Mu tivera 64.000.000 de habitantes e fora destruida por um cataclismo e um dilúvio, 12.000 anos antes de nossa era. Churchward , como comprovante de suas afirmações , cita 2.600 tabuletas achadas pelo geólogo Niven perto da Cidade do México , mas esses documentos não encontraram crédito nos meios cientificos --- o que por outro lado ainda não quer dizer que sejam falsos , aliás muito pelo contrário. De qualquer forma, temos ali um bocado de indicios sem nenhuma garantia, que podemos acrescentar a muitos outros cuja autenticidade também é meio duvidosa.

Estariamos quase tentados a acreditar em Chuchward, pois realmente parece um sujeito honesto , um pesquisador admirável e um arqueologo cuidadoso e frequentemente muito erudito. Por exemplo, deu a data do dilúvio como sendo 12.000 anos atrás, muito antes que os glaciólogos escandinavos conseguissem a prova disso. É de nossa opinião que muito provavelmente o coronel inglês teve acesso a documentos secretos , ou então que foi um vidente com dotes privilegiados. Infelizmente seus relatórios exaltados frequentemente mostram erros crassos, interpretações fantasiosas e as vezes até lastimáveis mentiras! Churchward fala a respeito do México e dos maias, do Egito, da Assíria-Babilônia, dos incas e tudo o mais com uma displicência irritante. Para ele e para todos os outros mais mais fanáticos partidários de Mu qualquer descoberta arqueológica , qualquer escrita indecifravel , qualquer sinal misteriosos, qualquer coisa fora do comum e ainda não classificada dentro das disciplinas aceitas , é de Mu e prova a existencia de Mu! Baseado nesses principios, ele nos ofereceu uma tradução da estrela de Uxmal , no México , "dedicada a Mu "!

Conhecemos muito bem Uxmal e seu magnifico castelo do Feiticeiro ou Advino , e podemos afirmar que a inscrição decifrada por Churchward não passa de pura fantasia! O bom coronel , com uma inocencia comovente , afirma que o relato da gênesis , na Biblia , foi tirado das tabuletas maacales; publicou até o "alfabeto de Mu ", e afirma que Platão e Walmiki , autor do Ramayana , ambos disseram que conheciam os maias mexicanos. . É possivel que Churchwar tenha ido ao México , mas é certo que nunca esteve na Bolivia: afirma , de fato , que Tiahuanaco se encontra perto de La Paz , no Peru!

Deu uma descrição errada do frontão da Porta do Sol , e afirmou que o deus central tem cinco dedos , que justamente tem a extraordinária caracteristica de ter quatro dedos sómente! Apesar de tudo isso, de vez em quando ele tem rasgos de gênio. É fora de duvida que Churchward mentiu , mas mentiu para dar crédito a uma tese que ele reputava verdadeira e que de fato o é. O continente de Mu existiu, sem dúvida, e Churchward , sem sabê-lo , esteve perto da verdade quando afirmou que o México era mais antigo do que o Egito. Teve um palpite genial quando achou que havia uma relação entre o idioma quíchua dos incas e o quichê dos maias . , quando disse que "o primeiro homem foi criado duplo, e depois desdobrado em um homem e uma mulher". Finalmente , teve o mérito extraordinário , que compensa todos os seus erros , de chamar a atenção sobre as civilizações do Pacifico: a do arquipélago de Cook , a das Marianas , a das Marquesas, etc..

Afinal , é nas ilhas do Pacifico que estão os indicios mais significativos de uma muito antiga civilização.
.

Na maioria das ilhas da Polinésia e da Micronésia se encontram vestigios de cidades, de templos, de portos, de estátuas, cuja envergadura e arquitetura apurada provam a existencia de uma civilização bastante mais elevada que a dos autóctenes do século XX. Estes vivem em palhoças de folhas de coqueiro ou em cabanas abertas com teto de zinco odulado, trazido pelos navios europeus ou americanos. Ao lado dessa arquitetura ridícula se elevam frequentemente colunas , pórticos , molhes , cujas pedras titânicas foram manipuladas por antepassados muito mais evoluídos. Churchward e L.C. Vincente fizeram de tudo isso um inventário pormenorizado que vai despertar a atenção dos arqueólogos mais vivos ou pelo menos assim esperamos. Não é fácil chegar até aquelas ilhas distantes, afastadas de qualquer rota comercial , desprovidas de aeroportos, às vezes ocupadas por populações hostis ou então desprovidas de tudo , e sómente uma expedição muito bem organizada poderia fazer ali buscas frutíferas. O que vamos escrever a respeito dos vestigios do Pacifico é simplesmente um relato do que contaram exploradores antigos ou então escritores que nunca chegram até lá pessoalmente.

Na ilhota de Pitcairn , a 2.000 km a oeste da Ilha da Páscoa , os amontinados do célebre "Bounty" ( Em 1789 o navio britânico HMS Bounty , com 9 amontinados e 18 taitianos entre homens e mulheres foi se refugiar na Ilha Pitcairn onde fundaram uma próspera colônia , foi feito um filme sobre o assunto com diversas re-filmagens que tiveram Clarck Gable, Marlon Brando , vivendo o oficial Cristian como chefe dos amontinados ; na última versão de alguns anos atrás ; o oscarizado Mel Gibson viveu este personagem e mais outros punhados de oscarizados /rsm ) viram escombros de casas, fornos, estátuas de quatro metros de altura erguidas sobre plataformas e os restos de um templo. Nas Ilhas Gambier foram encontradas múmias perfeitamente conservadas e muros construídos com coral; no Arquipelago das Carolinas se encontram ruínas em grande número, e a mais imponentes são as Ilha de Ponapé. Parece que ali existe um templo com 90 metros de comprimento e 28 metros de largura , e um porto megalítico com canais que segundo a tradição dos indigenas , foram abertos e construídos pelos "Reis do Sol"

Quem eram estes Reis do Sol ? Que misteriosa civilização foi essa?

Churchward conta que existe um templo construído acima de uma rede de cavernas e criptas que se comunicam com um canal . Ao centro há uma sala em forma de pirâmide.No arquipélago das Marshall existem vestigios parecidos , na Ilha de Kusai; uma colina em forma de cone , cercada por altos muros, e cercas ciclópicas na vizinha Ilha de Lelé provam que milhares de anos atrás ali moravam povos civilizados. Os autóctones dizem que esses povos eram muitos poderosos e viajavam para muito longe em direção leste ou oeste , usando grandes navios. Em outras ilhas existem pirâmides parecidas com as que se encontram nas Ilhas de la Societé.

Fala-se frequentemente num "arco" megalítico , cujas colunas laterais pesariam 70 toneladas ( 70.000 kilos ) cada , erigido na Ilha de Tongatabu , no Arquipélago de Tonga , ao sul das Ilhas Samoa. Até agora, pelo que sabemos , ainda não foi publicada nenhuma fotografia desse arco. Conseguimos uma cópia a muito custo , na fototeca do Museu do Homem ( veja ilustração nos próximos textos/rsm ) . O lugar chama-se Haamunga. Existem ali dois enormes blocos de pedra , encimados por um terceiro que se ajusta aos outros dois por encaixe talhados na rocha.

O arco mede aproximadamente 4 metros de altura e seu peso total é de cerca de 95 toneladas ( 95.000 kilos ). Churchward observa a esse propósito que a ilha é formada na sua quase totalidade por terras aráveis e que as pedreiras mais próximas se encontram a 400 km . Levando em conta tudo isso , precisamos dizer que os antepassados dos polinésios deviam realmente dispor de navios notáveis e de um sistema aperfeiçoado para transportar , talhar e construir aquela porta monumental que, ao que tudo indica , devia ser parte de um complexo arquitetônico.

. As Ilhas Marianas, ou Ilhas dos Ladrões , fazem parte da Micronésia , e se situam entre o 13º e 21º de longitude Norte e o 142º e 144º de longitude Leste , ao Norte do Arquipélago das Carolinas. Trata-se de ilhas vulcânicas , sujeitas a terriveis furacões e terremotos; apesar disso podem ser encontrados ali vestigíos muito importantes , entre eles grandes espaços cercados de colunas redondas na Ilha de Rota , que antigamente deviam sustentar um teto . Na Ilha de Tinian as colunas são piramidais , como já escreveu Churchward : foram descobertas em 1835 por Dumont d'Urville, que achou tratar-se de um cairn de estátuas. Naquela época algumas colunas eram encimadas por uma pedra semi-esférica. O arqueólogo Larrin Tarr Gill escreveu a propósito das colunas de Tinian :

"Três delas caíram ao chão com seu tasa ( chapéu ) ainda intacto : três ficaram totalmente esmigalhadas e as duas maiores estão deitadas , possivelmente derrubadas por algum violento terremoto que as removeu de seus suportes. As pilastras em forma de piramide truncada e coberts por semi-esferas de pedra , têm uma circunferencia de 18 pés na base e 11 pés na ponta , que é aguçada . . . "

Existem pirâmides nas Ilhas Swallow e Kingsmill, e parece que , se certos relatos são verdadeiros , uma fortaleza de pedra vitrificada parecida com as da Escócia e as da França, foi construida numa das ilhas Samoa, à beira de um precipício de 550 pés. Nas Ilhas Havai, nas Marquesas , na Autrália e no Tahiti é possivel encontrar os mesmos vestigios imponentes , sendo que pela maior parte trata-se de pirâmides de terra como a que foi descoberta por Thor Heyerdahl em Rapaiti.

Seriam estes os vestigios supérstites do continente Mu?

Chuchward e L.C. Vincente acham que sim , e é bem possivel que eles estejam certos. Por outro lado, parece indiscutivel que os restos ainda intatos de monumentos encontrado na Polinésia não sejam de uma civilização tão adiantada quanto a nossa , que sejam bastante antigos.

Se Ponapé , Tongatabu e Kusai pertencem ao povo de Mu, precisamos concluir que estes antepassados foram ainda menos adiantados do que os antigos assírios , os maias e os incas. Desse ponto de vista achamos que a Atlantida era muito mais desenvolvida do que Mu. Sem dúvida a maior das civilizações , antes do Dilúvio , não estava em Ponapé ou na Ilha da Páscoa , porque tudo o que encontramos em Tiahuanaco , na Bolivia , em Venta , no Yucatan e no Egito é muito superior em todos os níveis culturais do pensamento e da arquitetura.



Extraido do livro O Livro dos Mundos Esquecidos de Robert Charroux - Hemus - 1971

sábado, 25 de julho de 2009

AS 8.400.000 DIFERENTES FORMAS CORPÓREAS



Todos devem aprender com a literatura védica que o próprio corpo também não é propriedade da alma individual, mas lhe é dado de acordo com seu Karmana daiva-netrena jantur dehopattaye. As 8.400.000 diferentes formas corpóreas são maquinas dadas a alma individual. Tudo o que existe dentro do Universo é propriedade da Suprema Personalidade de Deus. Este é o significado deste verso. Atmavasyam idam visvam. O senhor não é criação de nossa inteligência; ao contrario, foi ele quem nos criou. Atmavasyam idam visvam. Isavasyam idan sarvam. O Senhor dá á cada entidade viva a oportunidade de desfrutar de vários desejos em corpos adequados, que não passam de máquinas( yantrarudhani mayaya) Essas maquinas são construídas por intermédio dos ingredientes materiais fornecidos pela energia externa, e, assim, a entidade viva desfruta ou sofre de acordo com seus desejos. Quem propicia esta oportunidade é a superalma. A Divindade Suprema esta sempre desperta. No estado condicionado esquecemos as coisas porque mudamos de corpos, porém como não muda de corpo, a suprema personalidade de Deus lembra-se do passado, do presente e conhece o futuro. Eis uma distinção entre a Suprema Personalidade de Deus e as entidades vivas. Nytio nityanam cetanas cetananam. De acordo com a versão védica, o Senhor é o supremo eterno, o ser vivo supremo. A diferença entre o Ser Supremo o ser vivo comum é que, quando este mundo material é aniquilado, todas as entidades vivas, entrando em uma condição inconsciente e adormecida, ficam imersas no esquecimento, ao passo que o Ser Supremo fica desperto e age como testemunha de tudo. Este mundo material é criado, permanece por algum tempo e, então, é aniquilado. Entretanto através de todas essas mudanças, o Ser Supremo permanece desperto. Na condição material de todas as entidades vivas,há três etapas de sonho.Quando o mundo material está desperto e é posto em ação, isto é uma espécie de sonho, um sonho vígil. Quando vão dormir, as entidades vivas voltam a sonhar. E, quando ficam inconscientes no momento da aniquilação, após a qual este mundo material fica manifesto, elas entram em outra etapa de sonho. Portanto, qualquer que seja a sua etapa no mundo material, todas elas estão dormindo, contudo no mundo espiritual tudo esta desperto. Verso 6 O rei Indra aniquila os demônios. Tradução “Aqueles tolos e patifes que, através do poder místico ou de meios mecânicos, querem elevar-se ao sistema planetário superior, ou que inclusive esforçam-se por ultrapassar os planetas superiores e alcançar o mundo espiritual ou a liberação,faço que sejam enviados a mais baixa região do Universo” SIGNIFICADO “Sem dúvida, existem sistemas planetários reservados a diferentes pessoas. Como se afirma no Bhagavad-gita (14.18), urdhvam gacchanti sattva-sthah: A palavra divam refere-se ao sistema planetário superior conhecido como Svargaloka. Portanto , a afirmativa de Indra parece indicar que todo aquele que tente ir aos sistemas planetários superiores por meios mecânicos, que são aqui chamados de maya, é condenado a precipitar-se nos planetas infernais, situados na parte inferior do universo.

terça-feira, 21 de julho de 2009

DESCOBERTAS PIRÂMIDES SUBMERSAS EM CUBA














Modernamente, Edgar Cayce, um verdadeiro mutante entre a nossa espécie e dotado de dons psíquicos extraordinariamente raros e acima do comum, também chamado de "O Profeta Adormecido", foi possuidor de uma energia mental ilimitada que lhe permitia antever o passado e o próprio futuro, fazendo previsões que se mostraram espantosamente corretas! Segundo o escritor e pesquisador Jess Stearn, - "Sua média de predições era incrivelmente alta, beirando os cem por cento. Tudo o que ele revelou foi miraculosamente verdadeiro". Entre os anos de 1923 e 1944, durante seus transes dos quais nada se lembrava posteriormente, Cayce também vislumbrou o perdido continente e os seus prodígios arquitetônicos e tecnológicos. Falou em fontes de energia nuclear, raios laser e maser (muito antes de eles existirem!), das fantásticas embarcações aéreas e submarinas, da transmissão de sons e imagens através de meios fantásticos, dos cristais poderosíssimos e de muitas outras maravilhas, ainda hoje situadas para muito além da nossa compreensão, que eram largamente utilizadas pelo povo atlante. O profeta também revelou que a destruição do continente ocorrera devido ao emprego errôneo das forças naturais que os seus habitantes aperfeiçoaram e também de certos antagonismos civis e externos. Revelou ainda que a primeira parte a submergir durante a catástrofe ficava perto do atual Mar dos Sargaços, uma região do Triângulo das Bermudas e bastante próxima do LITORAL DE CUBA! Anteviu também que uma parte dos seus templos poderia ser descoberta sob a camada de lodo de muitas eras perto do lugar hoje conhecido como Bimini, ao largo das costas da Flórida e que a partir de 1969 - e também daí por diante - a Atlântida ressurgiria, seria plenamente revelada! O que realmente veio a ocorrer com a descoberta em 1969 do imenso muro submerso de Bimini e de diversas outras edificações que têm sido detectadas cada vez mais! As fantásticas visões daquele extraordinário sensitivo seriam mais uma das chocantes "coincidências", sempre e inevitavelmente presentes quando o tema é a misteriosa Atlântida?.....

E tal como também atestam esses próprios cientistas, é algo realmente diferente, verdadeiramente de se perder o fôlego, e que só pode mesmo se tratar de uma parte das ruínas da lendária Atlântida! A cientista Paulina Zelitsky, de nacionalidade soviética e membro da equipe da ADC, lembrou que com os seus trinta anos de pesquisas de campo jamais de deparara com estruturas tão inteligentemente planejadas e simetricamente moldadas! Na foto, bem na parte superior, estruturas que lembram rampas de pouso, restos de pontes ou ainda partes de estradas! (

Underwater City Encontrado Off Cuba

Underwater City Encontrado Off Cuba

Possible Link Between Old World and New Possível ligação entre o velho mundo e as Novas




In July 2000, deep ocean engineer Paulina Zelitzky discovered a possible megalithic site 2,310 feet below the water off the western coast of Cuba. Em Julho de 2000, oceano profundo Zelitzky Paulina engenheiro descobriu um possível sítio megalítico 2.310 metros abaixo da água ao largo da costa ocidental de Cuba. The site encompasses an area about 20 square kilometers (about 7.7 square miles) in size, near the Guanahabibes Peninsula. O local abrange uma área de cerca de 20 quilômetros quadrados (cerca de 7,7 milhas quadradas) de tamanho, perto da Península Guanahabibes. Using sidescan sonar, Zelitzky, owner and operator of a company called Advanced Digital Communications (ADC), found "in the middle of this beautiful white sand ... clear manmade large-size architectural designs" ( Reuters, May 14, 2001, as quoted on CyberspaceOrbit.com ). Usando sidescan sonar, Zelitzky, proprietária e operadora de uma empresa chamada Advanced Digital Communications (ADC), encontrou "no meio desta bela areia branca ... claro manmade desenhos arquitetônicos de grande dimensão" (Reuters, 14 de Maio de 2001, como cotado em CyberspaceOrbit.com).

In the summer of 2001, the researchers returned to film the ruins using a Robotic Ocean Vehicle known as an ROV. No verão de 2001, os investigadores regressaram para as ruínas filme usando um veículo robótico oceano conhecido como um ROV. On close examination, they saw a large plateau with organized stone structures that appeared to be pyramids, rectangular buildings, and roads. Em uma análise aprofundada, que viram um grande planalto com pedra estruturas organizadas que parecia ser pirâmides, retangular edifícios e estradas. The researchers believe this underwater "city" was built at least 6,000 years ago, when the land was above water. Os pesquisadores acreditam nesta subaquática "cidade" foi construída pelo menos 6.000 anos atrás, quando a terra estava acima da água. Zelitzky hypothesizes that an earthquake or volcanic activity caused the land to sink ( Reuters, December 6, 2001, as quoted on TalkCity.com ). Zelitzky hypothesizes que um terremoto ou actividade vulcânica causou a terra para o sumidouro (Reuters, 6 de dezembro de 2001, como citado em TalkCity.com).

Manuel A. Iturralde Vincent, research director of Cuba's National Museum of Natural History in Old Havana, viewed the site and confirmed that the shapes are similar to pyramids and streets when seen from above. Manuel A. Iturralde Vincent, diretor de pesquisa de Cuba Museu Nacional de História Natural, em Havana Velha, considerada o local e confirmou que as formas são semelhantes às pirâmides e ruas quando visto de cima. He also confirmed the existence of large faults and an underwater volcano nearby, and indications of "significantly strong seismic activity" ( Reuters, March 30, 2001 as quoted in ElectricWarrior.com ). Ele também confirmou a existência de grandes falhas e um vulcão submerso nas proximidades, e as indicações de "significativamente forte actividade sísmica" (Reuters, 30 de março de 2001, conforme citado no ElectricWarrior.com).

In January 2002, Linda Moulton Howe, an investigative journalist, interviewed Zelitzky, and her business partner and husband, Paul Weinzweig. Em Janeiro de 2002, Linda Moulton Howe, um jornalista investigativo, Zelitzky entrevistados, e seu sócio e marido, Paul Weinzweig. Weinzweig stated: "The Center for Marine Archaeology and Anthropology at the Cuban Academy of Sciences is currently analyzing video data which we have from the perimeter of the site from megalithic stones. They are working on inscriptions [editor's emphasis] that they have detected on these stones..." Weinzweig declarou: "O Centro de Arqueologia e Antropologia Marinho na Academia das Ciências de Cuba está atualmente analisando vídeo dados que temos, da parte do perímetro do sítio megalítico de pedras. Eles estão trabalhando em inscrições [editor da ênfase] que tenham detectado a estas pedras ... "

The stones were about six and a half feet wide and deep by sixteen feet high, and resemble the stones seen on Easter Island and at Stonehenge. As pedras foram cerca de seis metros e meio de largura e profundidade por dezesseis metros de altura, e lembram as pedras visto na Ilha de Páscoa e em Stonehenge. Mr. Weinzweig added that they were "...very large and smooth and light colored that bear no relationship to the surrounding ecology. And also there is evidence of smooth cut and fit, that is one on top of another, as if the basis of a pyramid or large building" ( Earth Files ). Sr. Weinzweig acrescentou que eles eram "... muito bom e grande e de cor clara que não têm qualquer relação com o mundo circundante ecologia. E também não há provas de bom corte e ajuste, que é uma em cima da outra, como se a base de uma pirâmide ou grande edifício "(Terra Files).

The stones are inscribed with lettering that is unknown but has the "same tendency, but ... is not Greek," according to Zelitzky. As pedras estão inscritos com caracteres que é desconhecido, mas tem a "mesma tendência, mas ... não é grego", de acordo com Zelitzky. The inscriptions, according to Mr. Weinzweig, also include pictographs of "a Central American cross ... two oval shapes crossing each other" which pre-date Columbus, probably by thousands of years. As inscrições, segundo o Sr. Weinzweig, também incluem pictographs de "uma América Central cruz ... duas formas ovais atravessam uns aos outros", que pré-data Colombo, provavelmente, por milhares de anos. (See illustration at left of a similar pictograph found in a Cuban cave explored by Paulina Zelitzky.) Although similar, the pictographs are not identical to symbols found on Central American pyramids. (Consulte a ilustração à esquerda de um semelhante pictograph encontrado em uma caverna cubano exploradas por Paulina Zelitzky.) Embora semelhantes, os pictographs não são idênticos aos símbolos encontrados na América Central pirâmides. These oval crosses also bear some similarity to "Old World" hieroglyphs — from the "Linear C Language" of an ancient culture on Crete — to hieroglyphs found in the Assyrian culture, from the area which is now Iraq ( Earth Files ). Estes oval atravessa também conter algumas semelhanças ao "Velho Mundo" hieróglifos - desde o "Linear Linguagem C" de uma cultura antiga, em Creta - para hieróglifos encontrados na cultura assíria, a partir do espaço que agora é o Iraque (Terra Files).

The researchers stress that their understanding of this site is preliminary and requires more exploration and analysis before any definitive statements can be made. Os investigadores salientam que o seu entendimento deste site são preliminares e exigem mais pesquisa e análise antes de qualquer definitivas declarações podem ser feitas. Since Zelitzky reportedly has an agreement with the National Geographic Society for exclusive magazine coverage, it is only a matter of time before the whole story comes out. Desde Zelitzky declaradamente tem um acordo com a National Geographic Society for revista exclusiva cobertura, é só uma questão de tempo antes de toda a história sai.

Further References: Outras Referências:

MSNBC.com MSNBC.com
CyberspaceOrbit.com CyberspaceOrbit.com




Back to Announcements Voltar para Anúncios Top of Page Topo da página Home Início

sábado, 11 de julho de 2009

IBLIS E OS SERES CRIADOS ANTES DE ADÃO (RELIGIÃO E MITOLOGIA ÁRABE) DEMONOGRAFIA


IBLIS
Aliás, os jinni eram uma realidade religiosa tão aceite, que no Al-Quran esta mencionado que Mohamet foi enviado como profeta para ambos humanidade e jinni. Para a crença muçulmana, os jinni , tem vidas muito parecidas com a dos humanos: eles comem, eles casam, eles morrem, etc. Eles são seres invisíveis aos humanos, mas podem ver os humanos ou entrar em contacto com eles. A aparente ideia de imortalidade destes seres, ( aos olhos dos comuns mortais), vem do facto de eles viverem muito mais tempo que os humanos, o que lhes dá uma aparência de imortalidade. 

Os Jinni são seres muito parecidos aos humanos, possuindo a habilidade de serem bons ou maus. Eles contudo, geralmente, tem um ponto em comum: são maliciosos, devido ao sentimento generalizado que reina entre os Jinni, de que o seu lugar na Criação foi-lhes foram usurpado pelos humanos. 






ASTAROT










O profeta Maomé possui uma segunda visão, a de ferro, ela permite enxergar os anjos e os Djins, com sua habilidade visual limitada o homem não consegue perceber quando objetos voadores ficam infravermelhos ou seja invisíveis aos olhos humanos, os animais já enxergam o ultravioleta, na literatura islâmica há inúmeros relatos de Djins bons ou maus, os maus seriam os extraterrestres enganadores que iludem a humanidade, no Alcorão há uma passagem que fala “ entre os sinais de Alláh esta a criação dos céus e da terra e das criaturas que disseminou, isto se refere ao espaço exterior dos cosmos e que esta repleto de seres viventes ou animados.






MAOMÉ E O ANJO GABRIEL 

IBLIS E OS SERES CRIADOS ANTES DE ADÃO

De acordo com a mitologia, os jinni foram criados dois mil anos antes da criação de Adão e eram possuidores de elevada posição no paraíso, grosso modo igual ao dos anjos, embora na hierarquia celeste fossem provavelmente considerados inferiores àqueles. É dito que eles são feitos de ar e fogo. Depois que Deus fez Adão, todavia, sob a liderança do seu orgulhoso líder Iblis, os jinni se recusaram a curvar-se perante a nova criatura. Pela sua má conduta, os jinni foram expulsos do paraíso, tornando-se entes perversos e asquerosos[2]. Iblis, que foi atirado com eles na Terra, tornou-se o equivalente do Satanás cristão.

Um gênio (português brasileiro) ou génio (português europeu) (do latim genìus) é uma espécie de espírito que rege o destino de alguém ou de um lugar, frequentemente sendo associado a algum dos elementos da natureza, das artes, vícios etc. O termo pode ser empregado como um equivalente em português do árabe "jinn | جن", uma vez que na mitologia árabe pré-islâmica e no Islã, um jinn (também "djinn" ou "djin") é um membro dos jinni (or "djinni"), uma raça de criaturas sobrenaturais[1]. A palavra "jinn" significa literalmente alguma coisa que tem uma conotação de dissimulação, invisibilidade, isolamento e distanciamento.
Na Terra, os jinni teriam adotado as míticas Montanhas Káf (que supostamente circundam o mundo) como seu lar adotivo. Todavia, sendo compostos de fogo ou ar e tendo a capacidade de assumir qualquer forma humana ou animal. . Na hierarquia sobrenatural, os jinni, embora inferiores aos demônios, são não obstante extremamente fortes e astuciosos. Eles possuem todas as necessidades físicas dos humanos, podendo até mesmo serem mortos, mas estão livres de quaiquer restrições físicas. Nem todos os jinni são casos totalmente perdidos. De alguns diz-se que possuem uma disposição favorável em relação à humanidade, ajudando-a quando precisa de ajuda, ou mais provavelmente, quando isto é conveniente para os interesses do jinn. Na maioria dos casos citados na literatura e no folclore, contudo, eles se divertem em punir os seres humanos por quaisquer atos que considerem nocivos, e são assim responsabilizados por muitas moléstias e todos os tipos de acidentes.

A crença nos Djinn era corrente na antiga Arábia, onde se dizia que inspiravam poetas e adivinhos. O próprio Profeta Muhammad temeu a princípio que as revelações divinas que lhe foram feitas pudessem ser obra dos Djinn. O fato de que posteriormente tenham sido reconhecidos oficialmente pelo Islamismo implica que eles, como os seres humanos, serão eventualmente obrigados a encarar a salvação ou a danação perpétua.

Segundo Mohammad cada enviado de Deus legaliza ou ab-roga crenças antigas analisando quais partes delas são verdadeiras ou não. No caso Mohammad canonizou a existência dos "gênios" Djinn, porém fez grandes modificações de como ela era anteriormente creditada. Segundo Mohammad que trazia mensagens de Deus, os Djinn nada mais são do que se chama no Brasil de "espirito desencarnado", porém eles mesmos não são desencarndados porque nunca encarnaram.

A palavra Djinn(Gênio) como ficou conhecida no ocidente vem justamente do arabe Djinn, em arabe porem quer dizer "aqueles que não se pode ver", uma referência clara ao que se chama de "espiritos desencarnados" em crenças modernas, porem conforme disse Mohammad nem eles nem as pessoas não desencarnam.



OS ALIENÍGENAS SEGUNDO O ISLAMISMO (DJINS)




Segundo o conceito islâmico sobre a ufologia existe hoje o AEGAZ, são pesquisas cientificas retiradas do Alcorão, as conclusões obtidas pelos professores islâmicos sobre o assunto visam adaptar os relatos ufológicos a passagens do alcorão, em especial a referencia aos Djins, eles teriam o poder de se materializar e desmaterializar e fazer coisas prodigiosas de todo o tipo, entretanto não deve sem considerados anjos que são seres que trabalham para Deus ou Allá ao passo que os Djins são constantemente associados ao demônio, com intenções malévolas, a explicação do ponto de vista islâmico que os extraterrestres seriam como os Djins, e suas naves seriam compostas por radiações e só poderiam ser avistadas com câmeras especificas, infravermelhas, nas escrituras sagradas islâmicas há passagens que revelam a habilidade visual do profeta Maomé, que podia ver claramente a noite e de dia, bem como ver os demônios e os Djins,no registro do texto Sunna esta assim escrito “percorrer milhares de anos no espaço seria como 24 horas na terra, energia que pode ser obtida da luz ou do azeite de oliva da arvore que não estão no leste nem no oeste”, também podemos estabelecer um paralelo entre a ascensão aos céus de Maomé e a de Enoque, descrita no evangelho apócrifo, o profeta Maomé possui uma segunda visão, a de ferro, ela permite enxergar os anjos e os Djins, com sua habilidade visual limitada o homem não consegue perceber quando objetos voadores ficam infravermelhos ou seja invisíveis aos olhos humanos, os animais já enxergam o ultravioleta, na literatura islâmica há inúmeros relatos de Djins bons ou maus, os maus seriam os extraterrestres enganadores que iludem a humanidade, no Alcorão há uma passagem que fala “ entre os sinais de Alláh esta a criação dos céus e da terra e das criaturas que disseminou, isto se refere ao espaço exterior dos cosmos e que esta repleto de seres viventes ou animados.
Um gênio(português brasileiro) ou génio(português europeu) (do latim genìus) é uma espécie de espírito que rege o destino de alguém ou de um lugar, frequentemente sendo associado a algum dos elementos da natureza, das artes, vícios etc. O termo pode ser empregado como um equivalente em português do árabe "jinn | جن", uma vez que na mitologia árabe pré-islâmica e no Islã, um jinn (também "djinn" ou "djin") é um membro dos jinni (or "djinni"), uma raça de criaturas sobrenaturais. A palavra "jinn" significa literalmente alguma coisa que tem uma conotação de dissimulação, invisibilidade, isolamento e distanciamento.





Quando então se vai a um centro a pessoa recebe na verdade segundo Mohammad, um Djinn e o Djinn recebe a pessoa, porém tais comunicações foram vetadas por Mohammad.

Como tem livre arbitrio os Djinn são iguais a gente: serão julgados por seus atos, quando por exemplo se vai ao centro e o Djinn pede

Segundo Deus revelou no Alcorão o homem e todos os animais surgiram da água e o homem também de um sanguessuga(algo que se agarra) na barriga da mãe(o feto parece um sanguessuga), mais a pele do homem é de argila(barro maleavel), os Djinn tem sua "pele" de fogo sem fumaça.

No AlCorão Deus informa que o próprio Alcorão é revelado para humanos e Djinn e pede que os Djinn sigam o islam para poderem também se salvar.

Deus informa no Alcorão que alguns Djinn são bons outros são maus, igualmente os homens(alguns são bons e outros são maus), porque ambos tem livre arbitrio, esta é a explicação do islam para por exemplo ir num centro e o "espirito desencarnado" pedir para fazer um prato de farofa com frango e vinho, isto é uma "ironia" do Djinn com a pessoa que esta em comunicação com ele achando ser uma pessoa que morreu, eles fazem tais fatos porque tem livre arbitrio.

Deus também informa no alcorão que satanás é um Djinn e não um anjo como se pensou anteriormente, esta crença do diabo que era anjo nasceu com o profeta persa Zoroastro criador do dualismo no mundo e foi acoplada por judeus na babilonia quando foram libertados pelo rei persa Ciro "o grande" que derrotou a babilonia, os judeus nesta época carregaram muitas crenças persas. Segundo Deus no Alcorão Satanás uma vez esteve com os anjos no céu porque era crente, igualmente a alma de qualquer Djinn ou humano também pode estar no céu por acreditar.





DEMONOGRAFIA



A palavra Demónio é de origem grega; Os demónios para os Gregos, tal como os Génios para os Romanos, representavam forças da alma ou forças da Natureza. Estas forças não eram necessáriamente más. Podiam mesmo ser benéficas. Na maior parte das religiões primitivas, é assim que estes seres são entendidos: por vezes bons, por vezes caprichosos, mas não forçosamente inimigos. Os espíritos protectores das pessoas e lugares pertencem a esta categoria.

Nas religiões de monoteísmo evoluído, os demónios são vistos em geral como forças do mal voluntariamente opostas a Deus e inimigas dos homens. É esta a concepção existente na tradição cristã.

Os demónios, segundo as versões teológicas Hebraico-Cristas, são anjos, ou seja, são espíritos ancestrais existentes desde o início dos tempos. Os anjos são seres que derivam de Deus mas não são Deus, no entanto são possuidores de tanto poder e conhecimento que em certas culturas terão sido confundidos com Deuses. Os anjos não possuem corpo físico, por isso a sua descrição como seres fisicamente belos e com grandes asas, são meras descrições artístico-iconograficas humanas, ou seja, interpretações culturais da sua existência numa tentativa de descreve-los, da mesma forma que Deus não possui forma humana, no entanto foi abundantemente retratado como um velho musculado de barbas brancas decalcado da figura de Zeus, tal como visto na iconografia mitológica greco-romana. Os anjos são seres celestiais, feitos de energia e inteligência celestial, pertencentes a uma dimensão espiritual ou «imaterial».Os anjos, conforme a própria Bíblia os descreve, são espíritos.(Hebreus 1;14)

Segundo as tradições teológicas Hebraico - Cristas, os demónios são anjos caídos que foram expulsos do terceiro céu (presença de Deus), conforme diz em (Apocalipse 12:7-9). Lúcifer era um querubim da guarda ungido ( Ez 28) que, ao desejar ser igual a Deus, foi lançado fora do céu. Quando porém ele foi lançado fora do céu sobre a terra, a Bíblia nos relata que Lúcifer (que tem por nome diabo, satanás, serpente, dragão, principe da potestade do ar, etc...) trouxe com sua cauda um terço dos anjos de Deus (Ap 12:3). A Bíblia não cita a quantidade de anjos caídos, mas tem um passagem que diz que o número de anjos que adoram ao Senhor são milhares de milhares e milhões de milhares (Ap. 5:11).Os anjos caídos tornaram-se assim demónios ou anjos negros, habitando na realidade terrestres, para onde foram exilados.Os anjos caídos ou demónios, foram assim condenados a um exílio das realidades celestes, não podendo para elas regressar. Perdendo a sua categoria celeste, privados do contacto com a realidade espiritual, eles ficaram presos á realidade terrestre, sendo por isso espíritos desencarnados com extremo poder e incalculável sabedoria, pois eles existem desde o inicio dos tempos e são eternos. Neste seu exílio, privados que estão do contacto com as esferas celestes, eles passaram assim a viver junto dos humanos, alimentando-se das suas energias, motivo pelo qual eles fomentam certo tipo de actos. Eles fomentam-nos pois alimentam-se deles.Eles encontram na espiritualidade da alma humana, uma fonte de poder inesgotável. Por isso, segundo as teses que defendem esta visão, dizer que o demónio é um ser do mal não é totalmente correcto. Correcto seria dizer que o demónio é um ser que se alimenta dos sentimentos e energias espirituais da alma de um ser humano. Segundo as versões mitológicas grego-romanas dos demónios, se as energias de uma alma humana forem boas, o demónio alimentar-se-á delas e fomentará a sua existência. Se forem más, ele alimentar-se-á delas e fomentará a sua existência.Nessa versão mitológica, a relação com um demónio é por isso aquilo que o humano for: se for fundamentada no bem resultará em fins positivos, se fundamentada no mal, resultará em fins negativos.

Segundo a tradição judaico-cristã, o Anjo é uma criatura celestial - que, na generalidade, a maioria dos crentes das religiões fundadas na revelação bíblica acredita ser superior aos homens - que serve como ajudante ou mensageiro de Deus. Na iconografia comum, os anjos geralmente têm asas brancas de pássaro e uma auréola. São donos de uma beleza delicada e de um forte brilho, por serem constituídos de energia, e por vezes são representados como uma criança, por terem inocência e virtude. Possuem influência sobre todo o plano orgânico, ( plano dos organismos e seres vivos), e elemental, (plano dos elementos e forças da natureza ), sendo assim eles têm como uma de suas missões, ajudar a humanidade em seu processo de evolução.



A palavra anjo deriva do latim, angelu, e do grego, ángelos , com o significado de mensageiro.

De acordo com diversas fontes, existem nove grandes coros (ou cargos), grupos de anjos que ficam ao redor de Deus. Estes nove são divididos em grupos de três, as tríades. Os anjos da primeira tríade se comunicam directamente com Deus, depois passam seu conhecimento para a segunda tríade, que trata de passar para a terceira, chegando assim ao ser humano.

Segundo a Tradição Católica, são citados apenas três Arcanjos dos quais se saberia o nome: São Miguel (Quem como Deus), São Rafael (Deus Cura), e São Gabriel. Os nomes dos demais anjos, ou seriam invenção do povo, bem ou mal intencionado, ( segundo a Igreja Crista), ou acredita-se que sejam extraídos por metodologias kabalisticas, pois a própria Bíblia diz que cada anjo tem consigo parte do nome de Deus, sendo que foi a partir do nome de Deus que se revelaram os nomes dos anjos e consequentemente dos demonios.

È também afirmado que os Anjos não possuem maneiras de conhecer o futuro, possuindo sim uma inteligência muito mais desenvolvida que a nossa, podendo "prever" eventos que poderão acontecer, visto que conhecem com precisão todas as regras da fisica, das várias realidades dimensionais , dos metabolismos temporais, etc…. e podem-se mesmo deslocar nestas realidades com facilidade. Tal tese aplica-se também aos demónios, que não passam de anjos caídos neste mundo e realidade terrena.

Ainda segundo a Igreja, ao actuarem junto a uma pessoa ou objecto, por não possuírem um corpo físico (a imagem de um anjo como uma pessoa com asas é mera representação artística) , o Anjo se torna um com ele.

No Judaísmo, segundo Talmud e Midrash, há 3 classes de demónios: espíritos impuros, diabos e os «lilin». Os primeiros são espíritos malignos desencarnados que vagueiam pelo nosso mundo terreno, e que não possuem forma ou corpo; Os segundos são espíritos diabólicos que podem assumir forma humana; os terceiros são podem assumir forma humana, mas possuindo asas. Estes últimos são espíritos da noite, terríveis espíritos, poderosos, que se alimentam de almas humanas actuando tal como vampiros. Eram os mais temidos demónios pelos Hebreus. Esta tese teológica defende também que todas essas 3 classes de seres tem origem em Adão, que depois de ter cometido um grave pecado, separou-se de Eva por 130 anos, período de tempo em que andou errante pela terra. Foi pois nesse período de tormenta e expiação que Adão através de desejos impuros encheu a terra de espíritos, maus, demónios e lilin. Nesta visão defende-se que os demónios são meio-humanos.

Nalguma demonologia hebraica, os demónios não são considerados maus ou satânicos, leia-se satânico como aquele que é opositor a Deus. Até mesmo Asmodai, o líder de todos os demónios segundo certas versões aramaicas, matou 7 noivos de Sara antes da consumação matrimonial, mas fe-lo não enquanto um demónio Satânico – leia-se satânico aquele que é um espírito de rebeldia contra Deus- mas antes enquanto um ser que é a personificação das forças da luxúria e morte. E um ser desta natureza é levado a locais onde essas energias existem, para as gerar e consumar.

Há também entre algumas teses cabalísticas que definem os demonios , tal como certas versoes populares hebraicas, enquanto espíritos dos mortos vagueando eternamente por este mundo, tanto na forma de espectros como de vampiros.

Nas versões teológicas de natureza cabalística, a demoniologia existe por oposição á anjologia, sendo que não é possível conceber a criação de Deus sem calor por oposição ao frio, sem trevas por oposição á luz, sem demónios por oposição a anjos, pois toda a criação de Deus foi feita a pares e é regida pela dialéctica dos opostos.

Há uma velha expressão teológica hebraica que diz:

«Não permaneceis no caminho do touro quando ele regressa da pastagem, pois satã dança no meio dos seus chifres».


Pois ficar nos chifres do touro é dificil, e apenas quem tem a força e o saber para o fazer, assim o pode fazer e extrair daí os proventos desejados.Segundo as versoes Hebraicas, Salomão recebeu conhecimentos magicos e esotericos que lhe permitiram estar «nos chifres do touro» e «domar a fera», de forma a obter do poder da fera aquilo que mais desejava.

Muitas das vezes os demónios são chamados de Satã, que na verdade, alguns dizem ser um titulo e não propriamente um nome, enquanto que outros dizem que esse é o nome do rei dos demónios, pelo que acaba sendo aplicado aos demónios em geral.

Quando falamos de demónios, temos também de falar dos Génios, pois estes foram atentamente estudados na cultura Romana, assim como na mitologia Árabe pré-islamica e mesmo no Islão.Nessas culturas e mitologias, um jinn (também "djinn" ou "djin") é um membro dos jinni (or "djinni"), uma raça de criaturas espirituais.

Para os Romanos, os genius, (latim), eram uma espécie de espírito guardião ou tutelar do qual se pensava serem designados para cada pessoa aquando do seu nascimento. Os génios também possuíam poderosa influencia nos elemental, ou seja, nos elementos constituintes desta realidade terrestre.

Para a mitologia Àrabe , os jinni foram criados dois mil anos antes da feitura de Adão e eram possuidores de elevada posição no paraíso, quase equiparados aos anjos, embora formalemente, escala da hierarquia celeste, estivessem um degrau baixo dos anjos. È dito que os jinni não seriam seres meramente espirituais, pois seriam fisicamente são feitos de ar e fogo. Depois do acto de criação de Adão, crê-se que os jinni , sob a liderança do seu orgulhoso líder Iblis, recusaram curvar-se perante a nova criatura, uma criatura aos olhos deles inferior em todos os aspectos. Pelo seu acto de desobediência a Deus , os jinni foram expulsos do paraíso, tornando-se entidades perversas e malignas. Iblis, que foi atirado com eles na Terra, tornou-se o equivalente ao Satanás Hebraico-Cristão. Sendo feitos de fogo ou ar , diz que os jinni podem residir invisivelmente no ar, no fogo, sob a terra e em praticamente qualquer objecto inanimado concebível: pedras, lamparinas, garrafas vazias, árvores, ruínas etc. Na hierarquia sobrenatural, considera-se que os jinni, estão um degrau abaixo dos demónios. Ao contrário dessses, os jinni possuem todas as necessidades físicas dos humanos, podendo até mesmo serem mortos, o que so por si os limita face aos demónios que são imortais. No entanto, os jinni sao livres de quaisquer restrições físicas tal como os demais seres espirituais, demónios incluído.

Nem todos os jinni são malignos. De alguns diz-se que possuem uma disposição favorável em relação à humanidade, ajudando-a quando precisa de ajuda, ou mais provavelmente, quando isto é conveniente para os interesses do jinn. Diz-se contudo nas ancestrais tradições magicas Árabes, que aquele que possuir os necessários conhecimentos para lidar com os jinni, pode utilizá-los em proveito próprio, embora tal de tivesse sempe revelado bastante difícil e perigoso.

Os Muçulmanos acreditavam que os Jinni eram criaturas com livre arbítrio. Como já foi sublinhado, no Islão, acreditava-se que Satan era um Jinni e não um anjo. Aliás, os jinni eram uma realidade religiosa tão aceite, que no Al-Quran esta mencionado que Mohamet foi enviado como profeta para ambos humanidade e jinni. Para a crença muçulmana, os jinni , tem vidas muito parecidas com a dos humanos: eles comem, eles casam, eles morrem, etc. Eles são seres invisíveis aos humanos, mas podem ver os humanos ou entrar em contacto com eles. A aparente ideia de imortalidade destes seres, ( aos olhos dos comuns mortais), vem do facto de eles viverem muito mais tempo que os humanos, o que lhes dá uma aparência de imortalidade.

Os Jinni são seres muito parecidos aos humanos, possuindo a habilidade de serem bons ou maus. Eles contudo, geralmente, tem um ponto em comum: são maliciosos, devido ao sentimento generalizado que reina entre os Jinni, de que o seu lugar na Criação foi-lhes foram usurpado pelos humanos.

A noção de Satã no Islão diverge por isso da versão Crista. No Islão existe Shaytan, uma entidade análoga ao Satã cristão. Contudo, a visão islâmica sobre Shaytan é mais proxima das noçoes teologicas judaicas que com as noções cristas.

No Islão, Allah criou tudo em pares. O calor com o frio, as trevas com a escuridão, a morte com a vida, o positivo com o negativo. «ad infinitum». O par correspondente á raça humana, é o seu oposto, os Jinni. Ambos os seres foram criados com inteligência e livre – arbítrio, sendo contudo que os humanos foram criados a partir da terra/barro, e os Jinni a partir do ar/fogo. O Qu’ran diz-nos que os Jinni foram criados muito, muito antes que os humanos. Iblis era um Jinni que era supostamente muito bom, muito virtuoso, e um devoto servo de Allah. Ele alcançou um elevado status nas esferas celestiais, e foi elevado a um condição próxima dos anjos. Mas Allah conhecia bem Iblis e as suas intenções. Segundo a teologia Islâmica, os anjos não tem «livre – vontade», pelo que apenas podem obedecer á palavra de Deus e não cometem pecado, pois não sabem como cometer pecado. Eles estão ao total serviço da vontade de Deus e é-lhes impossivel desobedecer a Allah , pelo que esta fora das suas possibilidades sequer pensar em cometer o pecado, quanto mais comete-lo. Allah criou então os humanos, e ordenou aos anjos que se prostrassem a Adão e aos seus. Os anjos fizeram-no, contudo Iblis recusou obedecer a uma ordem directa de Deus. Iblis era orgulhoso e considerava-se superior a Adão, uma vez que ele era feito de barro e ele era feito de fogo. Pelo acto de desobediência, Allah amaldiçoou-o ao lago de fogo por toda a eternidade. Contudo, Satã obteve autorização de Deus para desviar almas humanas.

Neste aspecto, a visão Islâmica e Judaica coincidem perfeitamente, pois ambas defendem que Satã é basicamente o adversário de Deus, e que, apenas possui, o poder da influencia, o poder do murmúrio, o poder da sugestão. No fundo, é o mal dentro de cada um de nós que acaba ouvindo e anuindo á sugestão de Satã, o bem dentro de cada um de nos que nos faz resistir á tentação. O mal vem do ser humano, e não de Satã.

Segundo esta versao, foi Iblis que tentou Adão a comer da arvore proibida. Allah expulsou assim Adão e Eva do paraíso, e também Iblis. Todos vieram para a terra, com grande inimizade entre si. Humanos e Jinni doravante partilharam esta desconfortável inimizade.

Para que os humanos se protegessem dos jinni, os Muçulmanos diziam a frase: « Bismillahi! Allahumma inna 'audhu bika minal khubthi wal khabaa'ith»

Algumas versões dizem que o bisneto de Iblis, converteu-se ao Islamismo durante o tempo de Muhammad, portanto ele seria um ser com centenas de anos.

De acordo com alguns teólogos Islâmicos, o Qur’na declara expressamente que Satan não era um anjo, ( ao contrário do que defende o Cristianismo), mas antes um jinni a quem foi dado uma grande honra e posto igual ou superior aos próprios anjos.

A demonomancia é a artes de saber o passado, o presente e futuro com recurso á invocação de demônios.

A demonografia é um tratado sobre a natureza e a influencia dos demônios na realidade terrena ou na vida humana.

FONTES PESQUISADAS:

Al-Saffat (37:1-182)

Posted by Jason Knight under Uncategorized | Tags: , | 
REVISTA UFO ESPECIAL  Book launch and review, The Hand of Iblis
by Dr Omar Zaid, M.D.