terça-feira, 17 de março de 2009

A Terra da Rainha Maud (Dronning Maud Land em norueguês)


A impressionante foto obtida pelo satélite ESSA-7 mostrando a misteriosa abertura no Pólo Norte.
A RAINHA MAUD















A Terra Oca, ridicularizada como sempre pelos pretensos sábios, teve uma espantosa reviravolta quando em 1970 o satélite ESSA-7 – lançado pela Administração de Serviço de Ciência do Meio Ambiente do Departamento de Comércio dos EUA -obteve uma espantosa fotografia, numa raríssima ocasião em que o Pólo Norte estava sem a sua densa e impenetrável cobertura de nuvens: nela se vê, nitidamente, uma enorme abertura exatamente na região central-superior da esfera em que habitamos há tanto tempo e, no entanto, ainda nos é totalmente estranha e desconhecida! Podemos, de fato, pensar (e não duvidemos disso!) que até mesmo as calotas polares sejam um excelente disfarce para tais entradas onde os OVNI teriam as suas bases secretas. Possivelmente, em tempos muito recuados, alguma raça desconhecida teria feito um excelente trabalho de engenharia, colocando, por exemplo, por sob a espessa camada de gelo dos Pólos uma fantástica espécie de entradas móveis, as quais periodicamente se abririam quando delas necessitassem. E, em complemento, reunindo assim o útil ao agradável, que melhor tipo de camuflagem natural do que as eternas nuvens que os cobrem? A impressionante foto obtida pelo satélite ESSA-7 mostrando a misteriosa abertura no Pólo Norte. -Nesse particular, seria importante lembrar que em fevereiro de 1947 uma missão militar norte-americana denominada High Jump, sofreu pesadas baixas em
aviões e soldados, devido a uma “força misteriosa” que literalmente os impediu de se estabelecerem, ou talvez bisbilhotarem, por aquelas bandas, dessa feita no Pólo Sul.

O próprio almirante Byrd, naquele mesmo ano, declarou a um jornal de Chicago que “resulta em uma verdade muito amarga admitir, mas em caso de um novo conflito bélico, podemos ser agredidos por aeronaves que têm a capacidade de voar vertiginosamente de um Pólo ao outro. Precisamos tomar medidas urgentes e adequadas para interceptar tais aeronaves inimigas, provenientes das regiões polares. Especialmente interessa e necessitamos cercar a Antártida com uma zona de defesa e segurança”. A coisa se torna mais reveladora quando se sabe que, bem antes disso, precisamente em 1938, os nazistas descobriram na Antártida, em uma local para além da posição geográfica conhecida como Terras da Rainha Maud, uma região sem céu, com lagos e dotada de um acesso cujo diâmetro era de 30 milhas (cerca de 48,5 quilômetros!). Várias equipes militares e científicas do Terceiro Reich foram para lá enviadas, destinadas a se estabelecerem, ou manterem contato com aquelas entidades, obviamente alienígenas, que lá estivessem estabelecidas – bem naquelas “promissoras” terras as quais denominaram de NEU-SCHWABENLAND.

O certo é que os nazistas estiveram sofregamente à busca do auxílio alienígena no Brasil, Tibet e finalmente no Pólo, onde parecem ter obtido algum êxito. Talvez bastante êxito! Sabe-se que estavam, inclusive, desenvolvendo um “pires voador”(baseado na tecnologia dos OVNI), como também a bomba nuclear, os caças supersônicos, os mísseis (que chegaram a utilizar nas bombas V-1 e V-2), foguetes para viagens espaciais e outras demonstrações de uma ciência tecnológica que não era da sua época e do seu tempo e que, sem dúvida alguma, foi fornecida pelos tais “superiores desconhecidos”, obviamente os pervertidos e não os verdadeiros, que tanto reverenciavam.

Suspeitas muito fortes dão conta de que talvez ainda hoje os remanescentes do Terceiro Reich, controlados por um grupo de elite da SS mantidos ainda vivos através de avançadas técnicas científicas alienígenas e cuja denominação seria ULTRA, estariam em atividade precisamente no Pólo Sul, conjuntamente com os alienígenas do tipo grays, ou cinzas, e, diz-se, com a conivência do aparato de encobrimento norte-americano, todos associados a um certo tratado de cooperação Terra-Aliens, que somente atenderia aos seus escusos interesses e que decididamente não é nada benéfico para os habitantes deste pequeno planeta.

Um verdadeiro, e além de tudo espúrio, domínio temporal do nosso mundo!



A capital da Hiperbórea, segundo as tradições, era Thule. Que, entre os antigos, representava o extremo limite setentrional do mundo conhecido, de onde veio o seu nome de Ultima Thule.

A capital dos Hiperbóreos ocupava por conseguinte uma situação chave que sugeriu uma interessante tese a Guy Tarade, presidente do CEREYC de Nice.

Segundo Guy Tarade os pólos eram as “Portas do Cosmos” isto é, as duas chaminés de evasão do nosso globo onde inflectem as cinturas de Van Allen, cujas camadas radioativas são temidas pelos cosmonautas.

De resto, o mesmo dizia o patriarca Enoch, que antes do dilúvio, visitava o país dos primeiros pais iniciadores vindos do céu, portanto cosmonautas.

Essas chaminés na cintura de Van Allen seriam, segundo Guy Tarad, o caminho de chegada e de partida dos iniciadores antigos. Que se essas cinturas de partículas já não nos protegessem, a Terra seria submetida a um bombardeamento cósmico gerador de transmutações perigosas.
Felizmente elas estão lá, bem colocadas no seu lugar pelo campo magnético terrestre.
Ora, um grito de alarme foi lançado no Congresso Oceânico de Moscou, em Maio de 1966, pelos físicos americanos Heezen e Bruce. Estes sábios tinham verificado pelo estudo das “bússolas fósseis” do fundo dos mares que outrora se produzia uma inversão total dos pólos e que o magnetismo atual estava em vias de degradação. Segundo os seus cálculos, dentro de dois mil anos ele não existiria mais, e longas séries de cataclismos poriam em perigo a evolução normal das espécies do nosso globo.

 Pode-se imaginar que foi por uma razão análoga que uma humanidade extraterrestre foi outrora forçada a emigrar e que, temendo uma repetição do fenômeno, tenha escolhido o pólo norte da Terra para aí se instalar.

Acresce que, se esses viajantes do espaço – que chamamos Hiperbóreos – eram detentores de uma ciência superior á nossa, o que é provável, eles recebiam dessa posição chave a possibilidade de (captar) no sistema nervoso do globo – as correntes telúricas  - uma energia capaz, em certa medida, de condicionar o comportamento humano.

É exatamente o que, nos nossos dias, se passa com a televisão, que modela, conforme o arquétipo de cada nação, o comportamento psicológico dos telespectadores.

A situação geográfica dos Hiperbóreos permitia-lhes, nesse aspecto, serem verdadeiramente os Senhores do Mundo.

Pensa-se que uma guerra atômica, relatada pelos Maias e os Hindus, os fez enfrentar os civilizadores orientais da Terra de Mu, residindo a origem do conflito, sem dúvida, no pólo norte.
É perturbador verificar-se que ainda nos nossos dias, duas grandes potências atômicas, uma situada parcialmente sobre a antiga Atlântida, e a outra englobando territórios da antiga Terra de Mu, disputam a posse do Pólo Norte, cuja capital, no nosso século XX, ostenta milagrosamente o nome de Thule!

Também a Terra possui os seus cromossomas – memórias, e o que foi é idêntico ao que há - de ser.

FONTE: Titulo original: LE LIVRE MYSTEIREUX INCONNU, Robert Lafount, 1969
LIVRARIA BERTRAND, S.A.R.L.- Lisboa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE AQUI