Google+ Badge

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

SÚCUBUS e INCÚBUS























Estudando as religiões antigas pode-se notar a presença de seres físicos, dotados de tecnologia avançadíssima, em contato com a humanidade. Nos mais diversos livros sagrados também é possível encontrar trechos que relatam cruzamentos entre seres celestiais e mulheres da terra, fatos descritos em obras sagradas e na história universa. A Bíblia no livro Gênesis por exemplo se encontram relatos em escritos sagrados que falam da relações sexuais entre homens do espaço e mulheres da terra, os filhos de Deus e as filhas dos homens, vou citar alguns livros que falam sobre os filhos dos homens celestes com o Livro de Dzyan que os chamavam de Pitris os reis da luz, no livro japonês Nihongi fala de seres divinos que desciam do céu em barcos celestiais para se unirem as filhas dos homens, num antigo romance do Nepal chamado Bundhasvamin Brihat Khata Shlokasanigraha, narra contos de seres divinos seduzindo mulheres, na Índia o Rig Veda conta histórias de seres celestiais que vinham a terra para amar ou fazer guerra, o mesmo tema esta no livro Ramayama que fala em conjunções carnais entre seres do espaço e mulheres da Terra. Em muitas civilizações antigas as virgens eram destinadas a seres especiais ou sobre-humanos, na Babilônia os Zigurats [altas torres] eram reservados aos deuses para os encontros com as virgens que lhes eram destinadas ,na Grécia, Zeus, Mercúrio e outros deuses desciam do Olimpo para amarem lindas mulheres locais, era costume mães solteiras dizerem que os filhos tinham origem divina.



O Incubus é uma figura demoníaca intimamente associada ao vampirismo. É conhecida pelo hábito de invadir o quarto de uma mulher à noite, deitar-se sobre ela para que seu peso fique bem evidente sobre seu peito e então força-a a fazer sexo. O Succubus, a sua contraparte feminina, ataca os homens da mesma maneira. A experiência do ataque do incubus/succubus varia de extremo prazer ao absoluto terror. É, como já assinalou o psicoterapeuta Ernest Jones, o mesmo espectro de experiências descritas na moderna literatura entre o sonho erótico e o pesadelo. O incubus/succubus se parece com um vampiro na medida em que ataca as pessoas durante a noite enquanto dormem. Freqüentemente ataca uma pessoa noite após noite, como o vampiro dos ciganos, deixando suas vítimas exaustas. Entretanto é diferente do vampiro na medida em que não sugava sangue nem roubava a energia da vida.
O incubus parece ter se originado da antiga prática de incubação, onde uma pessoa ia ao templo de uma divindade e lá repousava. No decurso da noite a pessoa teria um contato com a divindade, muitas vezes esse contato envolvia relações sexuais, ou na forma de sonho ou com um dos representantes da divindade, bem humano. Isso estava na raiz de diversas práticas religiosas, incluindo a prostituição nos templos. A religião de incubação mais bem sucedida estava ligada a Esculápio, um deus da cura que se especializara, entre outras coisas, em curar a esterilidade. O cristianismo, que equiparou as divindades pagãs aos seres demoníacos, encarava essa prática de relações com uma divindade como forma de atividade demoníaca.


SUCCUBUS
Súcubo (do latim succubus, na lenda medieval ocidental; aquela que está deitada sob) é um demônio com aparência feminina que invade o sonho dos homens a fim de ter uma relação sexual com eles para lhes roubar a energia vital.
O súcubo se alimenta da energia sexual dos homens, e quando invade o sonho de uma pessoa ele toma a aparência do seu desejo sexual e suga a energia proveniente do prazer do atacado. Estão associados a casos de doenças e tormentos psicológicos de origem sexual, pois após os ataques se seguiam pesadelos e poluções noturnas nas vítimas. A contraparte masculina desse demônio é chamada de íncubo.
Em lendas medievais do oeste, uma succubus (no plural succubi) ou succuba (no plural succubae) é uma demônio que toma a forma de uma mulher bonita para seduzir homens (especialmente monges), em sonhos de ter intercurso sexual. Elas usam os homens para sustentarem-se de sua energia, por vezes até ao ponto de exaustão ou morte da vítima. São de mitologia e fantasia: Lilith e os Lilin (judeu) e Lilitu (Sumério), e em fábulas de redações Cristãs (folclores não fazem parte da teologia cristã oficial), considerado succubi. De acordo com o Malleus Maleficarum, ou "Código Penal das Bruxas", succubi iria recolher sêmen do homem com que dormia, que um incubi então usaria para engravidar as mulheres. Crianças assim nascidas eram para ser supostamente mais suscetíveis à influência dos demônios.
Em algumas crenças a succubi sofreria metamorfose no Incubus com o seu sêmen recém colhido pronto para engravidar as suas vítimas. Ista era para ter em conta o fato de que demônios não podiam reproduzir naturalmente, porém o incubus poderia engravidar as mulheres.
A aparência das succubi varia, mas em geral elas são descritas como belas mulheres com sedutora beleza, muitas vezes com demoníacas asas de morcego e grandes seios; Elas também têm outras características demoníacas, tais como chifres e cascos. Às vezes elas aparecem como uma mulher atraente em sonhos em que a vítima parece não conseguir retirá-la da sua mente. Elas atraem o sexo masculino e, em alguns casos, o macho parecia "apaixonar-se" por ela. Mesmo fora do sonho ela não sai da sua mente. Ela permanece lentamente a retirar-lhe energia até à sua morte por exaustão. Outras fontes dizem que o demónio irá roubar a alma do macho através de relações sexuais.
A palavra "succubus" vem de uma alteração do antigo latim succuba significando prostituta. A palavra é derivada do prefixo "sub", em latim, que significa "em baixo, por baixo", e do verbo "cubo", que significa "eu me deito". Assim, um súcubo é alguém que se deita por baixo de outra pessoa, e o íncubo (do latim, in-, "sobre") é alguém que está em cima de uma outra pessoa.
A versão da succubus conhecida como "um Al duwayce" (??? ??????) retrata succubus como uma bonita, sedutora e perfumada mulher que vagueia no deserto nos cascos de um camelo. Enquanto outras formas de succubus participam de intercurso sexual para coletar esperma e tornar-se grávidas, esta succubus em especial é uma juíza de vingança sobre aqueles que cometem adultério. Ela atrai esses homens, que têm relação com ela, enquanto que lâminas afiadas existentes dentro de sua vagina fatiam fora o pênis do parceiro, deixando-o angustiante de dor. Após ter deixado o homem impotente, ela se transforma em sua forma verdadeira e o come vivo.

Através dos séculos, duas principais correntes de opinião sobre as origens dos incubi e dos succubi competiam uma com a outra. Alguns a viam como sonhos, invenções de uma vida fantasiosa da pessoa que experimentava tais visitações. Outros argumentavam a favor da existência objetiva dos espíritos malignos; eram instrumentos do demônio. No século XV os líderes religiosos, especialmente os que estavam ligados à Inquisição preferiam essa última explicação, ligando a atividade demoníaca dos incubi e succubi à bruxaria. O grande instrumento dos caçadores de bruxas, Malleus Maleficarum, "O Martelo das Bruxas", supunha que todas as bruxas se submetiam voluntariamente aos incubi.
A existência objetiva do incubus/succubus foi sustentada por Tomás de Aquino no século XIII. Argumentava que crianças poderiam mesmo ser concebidas pelas relações entre uma mulher e um incubus. Acreditava que um espírito maligno poderia mudar de forma e aparecer como um succubus para um homem ou um incubus para uma mulher. Alguns pensadores argumentavam que o succubus coletava sêmen e, depois, na forma de um incubus, depositava-o numa mulher. As freiras parecem ter sido um alvo especial dos incubi pois os espíritos malignos pareciam ter prazer em atormentar aqueles que haviam escolhido uma vida santa. A idéia da existência objetiva dos incubi e succubi permaneceu até o século XVII quando uma tendência para a compreensão mais subjetiva se tornou perceptível.
Jones, um psicólogo freudiano, juntou o sucubus/inccubus e o vampiro como expressões de sentimentos sexuais reprimidos. O vampiro era visto como o mais intenso dos dois. Em virtude das semelhanças entre vampiros e os incubi/succubi, muitas das formas deste último aparecem freqüentemente nas listas de vampiros diferentes pelo mundo afora, como follets (francês), duendes (espanhol), alpes (alemão), e folletti (italiano). Intimamente ligado ao incubus estava o mare (teutônico antigo), mara (escandinavo) ou mora (eslavo), o espírito maligno de um pesadelo.
Jan L. Perkowsi assinalou que as histórias do vampiro eslavo também incluíam elementos do que parecia ser o mora. Ele os considerou no cômputo de vampiros que tinham experimentado uma contaminação demoníaca. Distinguiu cuidadosamente o vampiro (um cadáver reavivado) e o mora (um espírito de forma esférica) e criticou vampirologistas como Montague Summers, Dudley Wright e Gabriel Ronay por confundir as duas coisas. Também criticou Jones pelo mesmo motivo. Conquanto conhecesse que o vampiro e o mora compartilhavam o mesmo tipo de vítima (alguém dormindo), o fenômeno do vampiro precisava ser diferenciado na medida em que estava centrado em um cadáver enquanto o fenômeno mora não tinha essa referência e estava centrado inteiramente na vítima que havia sobrevivido a um ataque de espíritos malignos.

REFERÊNCIAS: 
http://www.dihitt.com.br/n/curiosidades/2011/06/01/incubus-e-sucubus-2

11 comentários:

  1. estes seres eram demonios.Serao destruidos novamente e nao mais abusarao dos filhos de Deus. EXISTEM OUTROS SERES VIGIANDO-OS,e no momento certo impedirao seus planos malignos. Mas antes eh preciso que se complete a medida de sua maldade.

    ResponderExcluir
  2. A panspermia primordial no período evolutivo de um "sistema solar" até a "ressurreicão" dos seres autóctones (porém universais), com "a inteligencia natural" até a "inteligencia artificial" "é a panspermia alienígena" ou "intervenção divina" conhecida por "quinto elemento", foi feito até um filme onde a "plavalaguna mulher" cantava e portava "os quatro elementos" da "manutenção evolutiva" que unidos ao quinto elemento salva a humanidade, um filme um tanto divertido, porém nos dá a idéia de como o herói do filme acaba copulando com a salvadora, metaforizando a acão dos incúbus ou súcubus, a sedução feminina ou masculina dos interventores genéticos mais velhos das estrelas mais antigas, não respeitam muito os pudores provincianos planetários primitivistas, acelerar a genética é algo nobre, melhorar a "máquina humana" na "hibridaçao genética", pois é "homo sapiens" é "intersideral" e "voyerista", aqui na terra demonizamos tudo e fazemos guerra com tudo, está na hora de "compartilhar", "de amar ao inimigo" como Jesus mandou, "ao amor" "sexo" "rebanho" "ovelha" "equação" "cósmica" "eterna" "jornada" "é duma jornada panspérmica" "explosão primordial" "confins do universo" "Espirito Santo Big Bang" "astronauta de mármore" "a besta que emerge do abismo", o zelo religioso ou científico retarda mas não impede o avanço cósmico!

    ResponderExcluir
  3. "Omitir verdade é avareza"

    ResponderExcluir
  4. "Adão e Eva maçã transcendental" "Adão e Eva fruto proibído" "Adão e Eva humanidade imortal" "comer fruto proibído" "hologramas na reencarnação" "é no caminho da árvore da vida" "árvore do conhecimento" "conhecimento do bem e do mau" "e eu enganei Eva no paraíso" "hologramas do pai" "almas desencarnadas" "a esferinha de luz" "perispírito" "força da natureza" repetindo "planeta traidor" "somos deuses" "somos feitos da terra" "é do sol encarnado na terra" "efeito eletromagnetico" "sou formado por almas" "reencarnação conhecimento" "filho prodigo imortal"...

    ResponderExcluir
  5. Lendo o anônimo acima, tive quase a certeza de ele ser uma espécie de "termodinamica planetária" será que "é o campo magnético da terra"?, e como é imortal? "é transformando energia"? sei lá, os cientistas que o digam!

    ResponderExcluir
  6. Venho mantendo relações sexuais com um energia invisível extremamente intensa e prazerosa há cerca de três meses. Já tentei todos os tipo de de rituais mágicos, de religião afro, talismãs, ervas, incenso e todas as formas de amuletos que tomei conhecimento e nada parece agir sobre esta entidade. Não sei mais o que fazer. Seria um sucubo ou incubo?

    ResponderExcluir
  7. Você tem atraído essa presença com seus pensamentos. Sempre lembrando-se dela. Procure mudar seu foco e, principalmente, conversar com Deus e com os Seres de Luz antes de se deitar, pedindo à eles proteção durante o repouso corporal. Muita LUZ.

    ResponderExcluir
  8. lembrando que incubus e sucubos provem de uma mesma origem forma pensamento. citarei duas maneiras onde o sucubos incubus podem atacar suas vitimas, embora existam outras mais. a primeira seria por meio de um mago negro , já que esse tem o dominio sobre os rituais de magia sexual e o outro seria o ataque involuntario criado pela propria vitima de maneira inconciente originado ou pela abstinencia sexual ou por compusão sexual.

    ResponderExcluir
  9. Essa história de que as freiras eram vítimas dos íncubos, era uma desculpa dos padres, que as engravidavam, para não admitirem a sua própria fraqueza.

    ResponderExcluir

COMENTE AQUI