Google+ Badge

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Bases Nazistas na Antártica




















Agora iremos examinar as várias afirmações de bases nazistas na ANTÁRTICA, que dissemos pode muito bem Ter sido o ponto de origem da nave 'NAZISTA-GREY' que BARNEY e BETTY HILL encontraram durante a experiência deles de abdução. Os fatos históricos são evidentes. No início de 1938, antes da SEGUNDA GUERRA MUNDIAL, os nazistas começaram a enviar inúmeras missões exploratórias para a região de QUEEN MAUD na ANTÁRTICA. E uma grande corrente de expedições foram também enviadas pela "supremacia branca" da ÁFRICA DO SUL. Mais de 230.000 milhas quadradas do continente gelado foram mapeados por via aérea e os alemães descobriram grandes regiões surpreendentemente livres de gelo, bem como lagos de águas quentes e cavernas internas. Uma ampla caverna de gelo dentro de um glacial foi relatada como tendo 30 milhas e indo para um lago geotérmico de águas quentes profundo abaixo. Várias equipes científicas foram transferidas para aquela área, inclusive caçadores, armadilheiros, coletores e zoólogos, botânicos, agrônomos, microbiologistas, parasitologistas, biologistas marinhos, ornitologistas e muitos outros. Numerosas divisões do governo alemão estiveram envolvidas neste projeto super secreto. É aqui que a corrente da história se perde e somente os ousados historiadores que revêem esta história ousam considerar suas implicações...
Bases Secretas na Antártida
2009-05-04 14:27
É possível que os nazistas tenham construído bases secretas no Pólo Sul, fundando a Nova Suávia num local com clima quente e úmido, estabelecendo o Projekt Saucer, com planos para construção de aeronaves discóides.

Ubiratan Schulz

Um dos maiores mistérios da Segunda Guerra Mundial diz respeito à morte ou desaparecimento de Adolf Hitler (ver Sexto Sentido n 11). Será que Hitler e a Ordem Thule foram um instrumento nas mãos de um grupo de magos negros tibetanos? Somente aquele que tem essa resposta está apto a compreender em que Hitler se tornou, suscitando muitos mitos. Segundo Franz Bardon e Miguel Serranos (ex-embaixador chileno na Áustria), Hitler fugiu para a América do Sul. Dizem até que o cadáver encontrado em Berlim, e cuja dentadura o dentista do Führer afirmou ser falsa, foi plantada lá por ordem da Thule.
Um jornal alemão de grande tiragem publicou, em 5 de março de 1979, que o avião particular de Hitler tinha sido encontrado nas selvas da América do Sul. Joseph Griner, autor de Das Ende des Hitler-Mythos (O Fim do Mito Hitler), afirma que o Führer decolou com seu avião em 30 de abril de 1945 do aeroporto de Tempelhof, nas proximidades de Berlim. Alguns jornais chegaram a veicular essa notícia — inclusive a Rede Globo, no Jornal Nacional —, mas é claro que logo tudo foi desmentido (muito interessante!). O que sei dessa história é que o avião encontrado foi um Focke-Wulf FW 200 C-4, com restos de camuflagem da frente russa, e não o Immelmann III, o avião particular do Führer que, na verdade, era um Focke-Wulf FW 200 V3. E esse avião foi encontrado bem aqui no Brasil, em Mato Grosso do Sul.
É também bem vinculada a história de dois aviões que pousaram e decolaram em 30 de abril de 1945 do aeroporto de Tempelhof, Berlim. Estes aviões eram dois Messerschmitt ME-262B modelo B-1 A/UI, caças noturnos convertidos para dois ocupantes, equipados com radar. Eram pilotados por Hanna Reitsch (a primeira mulher a receber a mais alta condecoração alemã) e outro ás alemão, que teriam levado embora importantes documentos. Imaginem o enorme trabalho para desobstruir a pista, constantemente bombardeada por ingleses e americanos, pousar com dois aviões a jato, correndo o perigo de cair nas mãos dos russos que estavam bem perto dali, para salvar papéis importantes. Muito estranho mesmo!
A história nos conta também a respeito das bases subterrâneas secretas alemãs, conhecidas como o 'Reduto Alpino', uma gigantesca série de subterrâneos ligados entre si, aproveitando minas e cavernas já existentes, com fábricas, moradias, aeródromos, etc. Outras fontes nos contam sobre bases na Terra Oca e no Pólo Sul, e alguns autores julgam esse como sendo o último reduto. Vamos falar destas.

Vida nos Pólos
O interesse dos alemães pelos pólos já vinha de longa data. Em 1938, houve uma expedição alemã à Antártida, conduzida pelo Capitão Alfred Richter, comandante do cargueiro Schwabenland. Faziam parte da expedição dois hidroaviões, dois submarinos Tipo II, integrantes da flotilha Weddigen, um quebra-gelo e um cargueiro menor. Nessa longa expedição, os alemães reivindicavam os territórios que a Noruega chamavam de Queen Maud Land, atribuindo-se 600.000 km quadrados de terreno que eles batizaram de Neuschwabenland (Nova Suábia ou Suávia). A expedição aprofundou os conhecimentos sobre esta região do pólo, cobrindo uma área de 370.072 km quadrados, fotografando quase metade dessa área. Para demarcar o território alemão reivindicado, os hidroaviões lançaram na região algumas centenas de pequenas marcas de metal, com a suástica e um esporão de modo que, ao caírem, ficassem cravadas verticalmente no gelo.
Já depois do começo da Segunda Guerra Mundial, em 1940, os marinheiros do navio corsário Pinguin, comandado pelo capitão Ernst-Felix Krüder, capturou dois baleeiros noruegueses (Ole Wegger e Pelagos, navios baleeiros) quando atracados na Queen Maud Land. Conseguiram depois capturar toda a frota baleeira, um navio de suprimentos (o Solglimt) e onze navios de diversas funções, nas latitudes 59 S, 02 30’ W. Entre 1940 e 1941, esse navio corsário afundaria uma tonelagem total de mais de 136.550 toneladas de cargueiros e navios mercantes aliados, até que em 8 de maio de 1941, o corsário alemão Pinguin, foi perseguido e afundado pelo H.M.S. Cornwall da marinha britânica. Mas os seus irmãos gêmeos, os navios Komet e Atlantis, continuaram em operação até o fim da guerra, naquelas mesmas águas.
A partir de 1940, os alemães usavam U-Boats do Tipo VII e do Tipo VII-C. Existem testemunhos de atividade de submarinos alemães nos mares do sul até pelo menos 1947. Como conseguiram combustível? Pilhavam os navios que capturavam e depois os afundavam? Ou usavam instalações secretas construídas no pólo durante a guerra? O certo é que, em suas pesquisas, os alemães encontraram uma região sem neve, com montanhas e lagos, com um clima quente e úmido. Essa região não era desconhecida no círculo científico, pois já tinha sido avistada antes nos vôos do Almirante Richard Evelyn Byrd, alguns anos antes. Logo se pensou na existência de uma região vulcânica que explicasse o clima quente, mas nunca se entendeu como os lagos tinham vida numa região tão inóspita.

Carga Importante
partir daí, dois submarinos e dois cargueiros, adaptados dos navios capturados dos noruegueses, foram colocados à disposição para dar apoio logístico à Nova Suávia. A partir de 1943, os novos submarinos (U-Boot Tipo XXI ou Tipo XXIII), estavam equipados com um novo equipamento, chamado Schnorkel ou Tuba Walter, que lhes permitia permanecer longos dias sob a água. Na verdade, muito antes da guerra, o Professor Walter, brilhante projetista alemão de submarinos, apresentara a resposta, mas somente em teoria. A escassez de tempo, dinheiro e de confiança por parte do Alto Comando Naval, impediram que a idéia do Professor Walter encontrasse lugar no programa de construção de submarinos. O que distinguia o projeto de Walter do desenho ortodoxo era a capacidade de operar em seu elemento próprio e natural: debaixo da água. Em lugar de ter equipamento de mergulho e um motor elétrico, lento, para tentar esquivar-se, submerso, de um destróier atacante, o barco equipado com o equipamento operaria permanentemente debaixo da água, exceto quando o conforto da tripulação exigisse a subida à superfície.
Em lugar do motor elétrico, sua principal propulsão submarina era um motor que obtinha seu suprimento de oxigênio do combustível na forma de peróxido de hidrogênio de alta potência. Um submarino assim equipado, de tamanho médio, podia alcançar a velocidade de 24 nós submerso e mantê-la durante seis horas. As possibilidades desse projeto eram enormes. Possibilitava a um submarino, saindo da Noruega, chegar ao Atlântico Sul sem reabastecer. Da Noruega até a ponta da África são 9.600 km e só aí encontravam uma 'vaca leiteira' (navio ou submarino com provisões), que lhes fornecia combustível e suprimentos para continuarem a viagem. Já no final da guerra, usavam U-Boots que tinham grande velocidade quando submersos e grande autonomia, além de assim estarem à frente dos aliados em tecnologia e desempenho.
Segundo um já citado artigo da revista Brisant, em abril de 1945 dois cargueiros submarinos, o U-530 e o U-977, partiram do porto báltico de Kiel, transportando membros das equipes que trabalhavam no Projekt Saucer, que tinha planos e componentes para aeronaves discóides, os famosos aviões disco. Depois de abastecerem em Christiansund, partiram a 26 de Abril de 1945 e terminaram sua viagem aportando e descarregando na Neuschwabenland. Em Agosto de 1945, aportaram na Argentina, terminando sua viagem. Existe então uma outra questão a ser pensada nesta história. Se estes dois U-Boots cargueiros submarinos partiram de Christiansund no dia 26 de Abril e aportaram no estuário do Mar da Prata, primeiro o U-530 e depois o U-977, no mês de agosto de 1945, aonde estavam estes meses todos?
Segundo o comandante do U-977, o Capitão Heinz Schaeffer, sua missão era patrulhar o Atlântico Sul e quando estavam em Christiansund tinham ouvido pelo rádio as notícias da rendição alemã. Confrontado perante a perspectiva de uma longa permanência nos campos de prisioneiros aliados, o comandante deu a seus tripulantes a opção de serem deixados nas praias de um país amigo. Alguns tripulantes optaram por desembarcar na Noruega, o que ocupou este submarino até 10 de maio. Após o desembarque, atravessaram o Mar do Norte, o Canal da Mancha e finalmente o Atlântico, sempre sem subir à superfície. Após alguns dias, desembarcaram no arquipélago de Cabo Verde, para recolha de suprimentos. Depois de zarparem, seguiram rumo ao Brasil, e só quando se aproximavam do Rio de Janeiro souberam pelo rádio da rendição do U-530, tendo sua tripulação sido entregue aos americanos.
Sem outra alternativa, seguiram o exemplo do outro submarino e, a 17 de agosto, aportaram também eles no Mar da Prata, desceram a bandeira do mastro pela ultima vez e se entregaram às autoridades. Foi esta a história contada por Schraffer quando as autoridades militares argentinas lhes colocaram três questões: 1) Onde tinha estado o U-977 quando o cargueiro brasileiro Bahia foi afundado?; 2) Por que eles só tinham aportado na Argentina 4 meses depois de findar a guerra?; 3) O submarino tinha levado alguém de importância política até a Argentina ou outra praia próxima?
Schraffer respondeu que nunca estivera na região onde o cargueiro Bahia tinha sido torpedeado, justificou sua demora com a história acima narrada e afirmou nunca ter transportado nenhuma pessoa de importância. Semanas depois, uma comissão anglo-americana desembarcou na Argentina e submeteu o comandante a um interrogatório mais demorado. Os enviados americanos insistiram na presença de Hitler ou de Martin Bormann no submarino, e se eles tinham sido desembarcados na Patagônia ou em alguma base secreta na Antártida. Perante as repetidas respostas negativas de Schraffer e do comandante do outro submarino, Otto Wehrmut, estes foram levados para um campo de prisioneiros perto de Washington, EUA, onde foram interrogados novamente. Por fim, quando os americanos se cansaram, entregaram os dois aos britânicos em Antuérpia, onde foram interrogados durante meses, igualmente sem obterem outras respostas. Finalmente libertados, Schaeffer e Wehrmut regressariam à Alemanha, mas depois emigraram: Schaeffer para a Argentina e Wehrmut para o Brasil, bem aqui pertinho de São Paulo.

Mistério no Pólo
Esta história levanta uma série de questões intrigantes. O que teria levado os aliados a acreditar na presença de Hitler ou Bormann numa base alemã no Pólo Sul? Partindo da premissa de que os dois submarinos que aportaram na Argentina foram abastecer em alguma base secreta no pólo, esperavam uma acolhida melhor em uma Argentina amigável, em vez de ficar nas instalações polares em condições adversas e com recursos escassos. Outra possibilidade é que a chefia dessas hipotéticas instalações não queria chamar atenção no momento, sobretudo se os aliados procurassem dois submarinos perdidos.
Por outro lado, Schaeffer dificilmente pode ser chamado apenas de mais um oficial de carreira alemão capturado, porque além das questões envolvendo a captura do U-977, o capitão também tinha passado boa parte de sua carreira, protegendo os centros experimentais de Regen e Peenemunde, para o que mereceu uma alta classificação de segurança, o que também explica a sua inclusão no seleto grupo de oficiais que primeiro testou os novos submarinos Tipo XXI. Somando a isso, Schaeffer não estava no Atlântico Sul pela primeira vez, e duvidas se levantam para a permanência debaixo da água por 66 dias do U-977, pois o sistema de Schnorkel lhes permitia uma autonomia maior, mas teriam que reabastecer por duas vezes. Mas, aonde?
Um ano depois disso, os EUA organizavam até então a maior expedição ao Pólo Sul, sob o único propósito de circunavegar a costa Antártida e mapeá-la. Tratava-se da Operação Highjump (1946/1947), comandada pelo RADM Richard E. Byrd (USN Ret.), oficial em comando da Task Force 68, pelo RADM Richard H. Cruzen (USN) e Captain George J. Dufek (USN), comandante do Grupo Oeste (Task Group 68.3). Esta expedição foi composta por 4.000 homens, uma força militar sem dúvida espantosa, especialmente se considerarmos que se tratava de uma expedição científica e que a guerra já tinha terminado. É certo que, no final do conflito, os EUA tinham equipamento e homens em excesso e que podiam reunir facilmente esses meios. Mas é estranho que o primeiro ponto a ser tocado na costa fosse precisamente Neuschwabenland, a 27 de janeiro de 1947, dividindo-se a expedição em três.
Trata-se pois de um transporte de hidroaviões (USS Pine Island), um destróier (USS Brownson), um navio tanque (USS Canisteo), outro transporte de hidroaviões menor (USS Currituck), um destróier armado com 2 catapultas (USS Henderson), um navio tanque (USS Cacapon), um navio de comunicações (USS Mt. Olympus), dois navios de suprimentos (USS Yancey e USS Merrick), um submarino (USS Sennet ), dois quebra-gelo ( USCGC Burton Island e USCGC Northwind) além de um porta-aviões (USS Philippine Sea), seis aviões de transporte R4D, seis hidroaviões Martin Mariner PBM, seis helicópteros, etc.

Preparando a Volta
O chefe das operações navais, Chester W. Nimitz , deu o nome à expedição e suas ordens eram de treinar homens e testar materiais nas condições do Pólo, consolidar e estender a presença americana na área, instalar e manter bases na Antártida bem como investigar possíveis bases desconhecidas, desenvolver técnicas para estabelecer e manter bases aéreas no gelo, com particular atenção às técnicas de operação no interior da Antártida, com um levantamento hidrográfico, geográfico, geológico e meteorológico da área. Uma base foi estabelecida no local chamado de Little America III, local da base da expedição de Richard Byrd em 1939/1941. Esta base, chamada agora de Little America IV, foi o ponto de partida para a exploração, principalmente da parte costeira. Mas esse não foi o primeiro programa de exploração polar da marinha americana. Em 1945-46, a Operação Frostbite deslocou diversos navios que acompanhavam o novo porta-aviões Midway a uma ilha fora da costa da Groenlândia, também chamada de ilha dos ursos, aonde foram encontrados equipamentos e instalações abandonadas, possivelmente pelos alemães, inclusive docas de submarinos.
O relatório oficial da Operação Highjump afirma seu completo sucesso, relatando-se aí que reuniu mais informações e dados do que aquela que era previamente conhecida. Notícias logo vinculadas pela imprensa relatavam a perda de vários aviões e homens e, embora a expedição fosse durar 8 meses, regressou logo aos EUA, em fevereiro de1947, ao final de 8 semanas. Por que os aliados invadiram a Antártica em 1947? Se isso foi uma expedição, por que tanto aparato militar? Por que os americanos nunca informaram quantos aviões foram perdidos? O que aconteceu então?
Ainda mais intrigante foi a declaração do Almirante Byrd a um repórter: “necessary for the USA to take defensive actions against enemy air fighters wich come from the polar regions”. Inimigos de uma natureza nunca especificada. Que 'caças inimigos' seriam esses? Será que os aviões americanos não foram acidentados, mas 'abatidos'? Quanto à construção de instalações subterrâneas ou não na Neuschwabenland, não existem dúvidas sobre a capacidade técnica da Alemanha Nazista para as construir neste território. As construções subterrâneas alemãs na Europa assumiram proporções gigantescas e os trabalhadores e materiais poderiam ter sido transportados discretamente até o Pólo Sul. As enormes fábricas e instalações secretas no Harz, só foram descobertas após a guerra, e bases menores e mais secretas tinham toda a possibilidade de permanecerem secretas durante o tempo necessário.
Seria a partir daí que Hitler planejava lançar as suas 'armas secretas' e reverter o curso da guerra, dizendo a propósito, durante uma reunião com membros do partido: “nós venceremos a Batalha do Tempo!”
Bem, só o tempo dirá!






8 comentários:

  1. Sinceramente não consigo acreditar que os nazis possam ter conseguido conceber um aparelho antigravitacional, que efectua curvas apertadas a 2000 milhas horárias, sem partirem os pescoços.
    Esse tipo de aparelho, se existe, não é de fabrico terrestre, nem nunca foi.

    ResponderExcluir
  2. Fernando Augusto6 de julho de 2008 00:21

    Existem muitas tecnologias que ainda estão sendo escondidas.

    *Para o dono do post, recomendo que pesquise um filme que saira em breve.
    de novo "IRON SKY" fala sobre naves espaciais nazistas que foram para o lado escuro da lua e la construiram o 3° Heich
    muito bom.

    abraço

    ResponderExcluir
  3. Não devemos descartar nenhuma hipotese , por mais incrivel que possa parecer.

    ResponderExcluir
  4. se pós guerra,a popução existende fora do eixo era contra o naz...e faz..., se foze hoge, a maioria seria a favor ,porque nesta batalha se provou a superioridade total em tecnologia e inteligencia do mundo superior.

    ResponderExcluir
  5. Os Nazistas foram assassinos de mulheres e de crianças, o que podem estas pessoas merecer tão terrivel morte naquelas camaras de gas, este Hitler é um louco malefico deveria ter sido internado num manicomio.

    ResponderExcluir
  6. Hitler pode ter sido um louco. E um caraca com uma ideologia horrível, mas não tira o mérito dele de ter sido uma pessoa visionário. Para o lado obscuro? sim. Mas não deixou de ser um visionário.

    ResponderExcluir
  7. se ja nessa altura tinham tal tecnologia nos dias se hoje deve estar apuradissima por esperam para realizar os deus intentos que acabemos de vez com os recursos do planeta , sim porque desde que o primeiro primata ergueu um femur e percebeu o poder que detinha logo se apresou a usa lo desde ai nada mudou a nao ser a ferramenta o instinto e sempre o mesmo por mais evoluido que seja a nao ser que atinja a perfeiçao e se torne um deus e passe a criar em vez de destruir !

    ResponderExcluir
  8. Meu nome é Arthur Imperatori. filho de um italiano e dee uma filha de alemães meupai era de 1906 e lutou nas ´varias campanhas italianas (abissinia, etiopioa etc), ele depois da guerra veio para a Argentina e depois ao Brasil onde nasci. Ele uma vez me comentou quando eu tinha uns seis anos e estavamos em um hotel chamado Plaza San Martin apontando uim senhor que lia um jornal,em Buenos Aires:" Filho, está vendo aquele senhor ali ... ele é muito importante: é Adolf Hitler, alguns anos depois eu estava em Comodoro Rivadavia no sul da Argentina e vi um Sujeito baixinho loiro e falando em alemão todo machucado, : MINHA NAVE FUNDO... e apontava para a entrada da baia onde se via uma fumacinha azulada muito estranha. Não sei até que ponto vc tem razão ou não, mas sinto que nem a historia não foi totalmente contada.
    ABI

    ResponderExcluir

COMENTE AQUI